Comunicação neuroimunológica no desenvolvimento de doenças mentais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11181

Palavras-chave:

Doenças neurodegenerativas, neuroimunomodulação, doenças mentais

Resumo

Introdução. Atualmente, sabe-se que os mecanismos cerebrais como o desenvolvimento de memórias traumáticas, sofrem interferência do sistema imune e, portanto, são modulados por processos imunológicos. Nesta linha, estudos relatam o aumento ou a diminuição de mediadores inflamatórias em pessoas com déficits cognitivos ou distúrbios de humor como depressão. Objetivo. Explanar a influência do sistema imunológico na fisiologia do sistema nervoso central. Método. Revisão bibliográfica a partir de buscas em bancos de dados acadêmicos e dados epidemiológicos como SCIELO, SCIENCE DIRECT, PUBMED e DATASUS. A consulta foi realizada utilizando como palavras-chave: “doenças neurodegenerativas”, “doenças psicológicas”, “sistema imunológico” “neuroimunomodulação” e “mecanismos cerebrais”. Artigos na língua inglesa e portuguesa, publicados nos últimos 15 anos foram considerados. Resultados. Inúmeros estímulos provenientes do SNC são capazes de modular uma resposta imune e vice-versa. O eixo Hipotálamo-Pituitária Adrenal (HPA) é um dos responsáveis nessa troca de informação. Também participam desta relação alguns hormônios como: endorfinas, prostaglandina, tireotrofinas, hormônio do crescimento e o Sistema Nervoso Autônomo Simpático (SNAS). Além disso, a ativação do eixo HPA e a consequente produção dos hormônios glicocorticoides durante o processo de estresse são um dos principais mecanismos responsáveis pelas alterações da resposta imune corporal. Conclusão. Insere-se uma importante comunicação entre o sistema nervoso central e o sistema imune, mostrando que a neuroimunomodulação, entra hoje, com uma nova oportunidade terapêutica para o esquecimento de fatos traumáticos, distúrbios de humor e déficits cognitivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Louveau A, Smirnov I, Timothy JK, Eccles JD, Rouhani SJ, Peske JD, et al. Structural and functional features of central nervous system lymphatic vessels. Nature 2015;523:337-41. http://doi.org/10.1038/nature14432

Marques AH, Cizza G, Sternberg E. Interações imunocerebrais e implicações nos transtornos psiquiátricos. Braz J Psychiatr 2007;29:s27-32. http://doi.org/10.1590/S1516-44462007000500006

Falco AD, Cukierman DS, Hauser-Davis RA, Rey NA. Alzheimer's disease: etiological hypotheses and treatment perspectives. Quím Nova 2016;39:63-80. http://doi.org/10.5935/0100-4042.20150152

Tiwari PC, Pal R. The potential role of neuroinflammation and transcription factors in Parkinson disease. Dial Clin Neurosci 2017;19:71. http://doi.org/10.31887/DCNS.2017.19.1/rpal

Oliveira HM, Albuquerque PBD. Explanatory Mechanisms of False Memories in DRM Paradigm. Psicol Refl Crit 2015;28:554-64. http://doi.org/10.1590/1678-7153.201528314

Bauer M, Severus E, Möller HJ, Young AH. Pharmacological treatment of unipolar depressive disorders: summary of WFSBP guidelines. Int J Psychiatr Clin Pract 2017;21:166-76. http://doi.org/10.1080/13651501.2017.1306082

Sink KM, Holden KF, YAFFE K. Pharmacological treatment of neuropsychiatric symptoms of dementia: a review of the evidence. Jama 2005;293:596-608. http://doi.org/10.1001/jama.293.5.596

Alves GJ, Palermo-Neto J. Neuroimunomodulação: sobre o diálogo entre os sistemas nervoso e imune. Braz J Psychiatr 2007;29:4. http://doi.org/10.1590/S1516-44462006005000052

Medeiros AC, Maynard DDC. A influência intestinal no desenvolvimento de processos depressivos e o uso de probióticos como tratamento. Brasília (Monografia). Brasília: Centro Universitário de Brasília; 2019.

https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/13492/1/21605773.pdf

Vandewalle J, Luypaert A, Bosscher KD, Libert C. Therapeutic mechanisms of glucocorticoids. Trends Endocrinol Metab 2018;29:42-54. http://doi.org/10.1016/j.tem.2017.10.010

Machado APR, Carvalho IO, Rocha Sobrinho HM. Neuroinflamação na doença de Alzheimer. Rev Bras Mil Cienc 2020;6:30-8. http://doi.org/10.36414/rbmc.v6i14.33

Calcia MA, Bonsall D, Bloomfield P, Selvaraj S, Barichello Howes, OD. Stress and neuroinflammation: a systematic review of the effects of stress on microglia and the implications for mental illness. Psychopharmacol 2016;233:1637-50. http://doi.org/10.1007/s00213-016-4218-9

Pinho-Ribeiro FA, Jr Verri WA, Chiu IM. Nociceptores sensoriais neurônio-interação imunológica na dor e inflamação. Trends Immunol 2017;38:5-19. http://doi.org/10.1016/j.it.2016.10.001

Souza CACD, Sander PDT. Déficits variados após lesões neurológicas bacterianas ou virais: implicações clínicas, periciais e psicossociais. Psychi Onl Bras 2003;8. http://www.polbr.med.br/ano03/artigo1103_b.php

Zhang QS, Heng Y, Yuan YH, Chen NH. Pathological α-synuclein exacerbates the progression of Parkinson’s disease through microglial activation. Toxicol Lett 2017;265:30-7. http://doi.org/10.1016/j.toxlet.2016.11.002

Quevedo J, Feier G, Agostinho FR, Martins MR, Roesler R. Memory consolidation and post traumatic stress disorder. Rev Bras Psiquiatr 2003;25:25-30. http://doi.org/10.1590/S1516-44462003000500007

Hodes GE, Kana V, Menard C, Merad M, Russo SJ. Neuroimmune mechanisms of depression. Nat Neurosci 2015;18:1386-93. http://doi.org/10.1038/nn.4113

Gold SM, Irwin MR. Depression and immunity: inflammation and depressive symptoms in multiple sclerosis. Immunol Allergy Clin North Am 2009;29:309-20. http://doi.org/10.1016/j.iac.2009.02.008

Christian L. Effects of stress and depression on inflammatory immune parameters in pregnancy. Am J Obstet Gynecol 2014;211:275-7. http://doi.org/10.1016/j.ajog.2014.06.042

Gonçalves M. Microbiota: Implicações na imunidade e no metabolismo (Dissertação). Lisboa: Universidade Fernando Pessoa, 2014. https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4516/1/PPG_21951.pdf

Nesi GA, Franco MR, Capel LMM. A disbiose da microbiota intestinal, sua associação no desenvolvimento de doenças neurodegenerativas e seus possíveis tratamentos. Brazil J Develop 2020;6:63306-26. http://doi.org/10.34117/bjdv6n8-677

Silvestre C. O diálogo entre o cérebro e o intestino – Qual o papel dos probióticos? (Dissertação) Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, 2015. https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/26287/1/CarinaRFSilvestre.pdf

Itzhaki RF, Lathe R, Balin BJ, Ball M, Portador E, Braak H, et al. Microbes and Alzheimer’s disease. J Alzheimers Dis 2016;51:979. http://doi.org/10.3233/JAD-160152

Barreiros A, David J. Estresse oxidativo: relação entre gerações de espécies reativas e defesa do organismo. Quím Nova 2006;29:113-23. http://doi.org/10.1590/S0100-40422006000100021

Radulovic J, Jovasevic V, Meyer MAA. Neurobiological mechanisms of state-dependent learning. Curr Opin Neurobiol 2017;45:92-8. http://doi.org/10.1016/j.conb.2017.05.013

Downloads

Publicado

2021-03-04

Como Citar

Peixoto, L. C., Brito, V. de A., Galvão, R. K. S., & Melgarejo da Rosa, M. (2021). Comunicação neuroimunológica no desenvolvimento de doenças mentais. Revista Neurociências, 29, 1–15. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11181

Edição

Seção

Artigos de Revisão
Recebido em 2020-09-19
Aceito em 2020-12-02
Publicado em 2021-03-04