Funcionalidade de indivíduos pós-traumatismo cranioencefálico: um estudo de coorte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11062

Palavras-chave:

Traumatismos craniocerebrais, Lesões encefálicas traumáticas, Serviço Hospitalar de Fisioterapia, Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

Resumo

Introdução. O traumatismo cranioencefálico (TCE) é uma condição de saúde que representa uma das causas mais frequentes de morbimortalidade em todo o mundo e promove forte impacto social, além de afetar o desempenho funcional dos indivíduos, que ao necessitarem dos cuidados imediatos devem ser submetidos a uma avaliação neurológica, visando o traçado do prognóstico e, desta forma, a reabilitação devida. Objetivos. Traçar o perfil e o prognóstico de pacientes vítimas de TCE e avaliar a funcionalidade pós-lesão, durante o período de internamento hospitalar. Método. Trata-se de um estudo observacional, do tipo coorte prospectivo, onde foi realizada uma coleta de dados clínicos e epidemiológicos dos pacientes vítimas de TCE e avaliado o prognóstico e funcionalidade através de instrumentos validados. A análise   de   dados   foi   realizada   através   do programa SPSS, no qual foi utilizada a estatística descritiva e analítica.  Resultados. O perfil foi formado por jovens predominantemente do gênero masculino, em sua maioria eram trabalhadores rurais, tendo como causa do TCE os acidentes de trânsito que levou a graus leves a moderados de TCE em grande parte dos pacientes, com um resultado de um prognóstico pós-lesão de 13,5% de risco de mortalidade. Durante o internamento, foi comprovado uma evolução estatisticamente significante do nível de consciência e da funcionalidade. Conclusão. O conhecimento do perfil, prognóstico e desfecho funcional de pacientes pode auxiliar no manejo ideal do paciente e no suporte social, evitando assim futuros agravos e influenciando diretamente nos dias de internamento e nos custos para o sistema de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Israel JDL, Queiroz JOD, Amaral TLM, Silva KRPD, Prado PRD. Fatores Relacionados Ao Óbito Em Pacientes Com Traumatismo Cranioencefálico. Rev Enferm UFPE 2019;13:9-14.

https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i01a238148p9-14-2019

Magalhães ALG, Souza CD, Faleiro RM, Teixeira AL, Miranda ASD. Epidemiologia do Traumatismo Cranioencefálico no Brasil. Rev Bras Neural 2017;53:15-22.

https://revistas.ufrj.br/index.php/rbn/article/view/12305

Monteiro LF, Frasson MZ, Wrsesinski A, Bardini AVLS, Lin J, Fernandes LF. Caracterização dos Pacientes com Traumatismo Cranioencefálico Grave Admitidos em um Hospital terciário. Arq Catarin Med 2016;45:2-16.

http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/107

Simões MG, Amorim RLDO. Traumatismo Cranioencefálico e Modelos Prognósticos: Revisão de Literatura. J Bras Neurocirurgia 2015;26:57-67. https://doi.org/10.22290/jbnc.v26i1.1303

Arruda BP, Funagoshi PY, Akamatsu PYF, Xavier AP, Costa RCV, Alonso GSDO, et al. Traumatismo crânio encefálico e suas implicações cognitivas e na qualidade de vida. Acta Fisiatr 2015;22:55-9. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20150012

Lin AIW, Santos FP, Maggi LE, Silva PS. Desenvolvimento de uma Ficha de Avaliação Neurofuncional Adulto Padronizada Aplicada à Fisioterapia. J Amazon Health Sci 2015;1:123-43.

https://periodicos.ufac.br/index.php/ahs/article/view/69

Zaninotto AL, Guirado VP, Lucia MCSD, Andrade AFD, Teixeira MJ, Paiva WS. Instrumentos para avaliação cognitiva de pacientes com traumatismo cranioencefálico. Arq Bras Neurocirurg 2016;39:1-5. http://doi.org/10.1055/s-0036-1594244

Marinho CDSR, Santos JNA, Filho LAM, Valença CN, Santos EGO, Júnior OGB. Acidente de trânsito: análise dos casos de traumatismo cranioencefálico. Enferm Glob 2019;18:323-52.

http://doi.org/10.6018/eglobal.18.2.324751

Rodrigues MDS, Santana LF, Silva EPG, Gomes OV. Epidemiologia de traumatismo craniencefálico em um hospital. Rev Soc Bras Clin Med 2018;16:21-4. http://www.sbcm.org.br/ojs3/index.php/rsbcm/article/view/320/291.

Santos AMR, Sousa MEC, Lima LO, Ribeiro NS, Maria MZA, Oliveira ADS. Perfil Epidemiológico do Trauma Cranioencefálico. Rev Enferm UFPE 2016;10:3960-8. http://doi.org/10.5205/reuol.9881-87554-1-EDSM1011201618

Tavares FL, Coelho MJ, Leite FMC. Homens e acidentes motociclísticos: caracterização dos acidentes a partir do atendimento pré-hospitalar. Rev Enferm 2014;18:656-61.

http://doi.org/10.5935/1414-8145.20140093

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde (endereço na internet). Sistema de Informação sobre Acidentes de Transporte Terrestre. Notificações de Acidente de Transporte Terrestre no Estado de Pernambuco (Acessado em 2019). Disponível em: http://sinatt.saude.pe.gov.br/Sinatt/

Ramos SJS, Reis KMC, Muniz MV. A adesão de medidas neuroprotetoras em uma unidade de terapia intensiva do DF (Trabalho de Conclusão de curso). Brasília: Escola Superior de Ciências da Saúde, 2018. http://repositorio.fepecs.edu.br:8080/jspui/bitstream/prefix/61/1/TCC%20Sarah%20J%C3%BAlia%20dos%20Santos%20Ramos.pdf.

Silva CA, Menezes MA, Oliveira RV. Às margens do desenvolvimento: o trabalho das mulheres e a luta por direitos no polo de fruticultura de Petrolina/PE-Juazeiro/BA. Cad Pagu 2018;52:e185208. https://doi.org/10.1590/18094449201800520008

Gaudêncio TG, Leão GM. A Epidemiologia do Traumatismo Crânio-

Encefálico: Um Levantamento Bibliográfico no Brasil. Rev Neurocienc 2013;21:427-34. https://doi.org/10.4181/RNC.2013.21.814.8p

Constâncio JF, Nery AA, Mota ECH, Santos CAD, Cardoso MC, Constâncio TODS. Perfil clínico-epidemiológico de indivíduos com histórico de traumatismo cranioencefálico. Rev Baiana Enferm 2018;32:1-10. https://doi.org/10.18471/rbe.v32.28235

Pádua CSD, Sherer TAP, Prado PR, Meneguetti DUDO, Bortolini MJS. Perfil epidemiológico de pacientes com traumatismo crânio-encefálico (TCE) de uma unidade de terapia intensiva na cidade de Rio Branco-AC, Amazônia Ocidental. South Am J Basic Edu Tech Technol 2018;5:125-36. https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/1651.

Oliveira JC. O uso da CIF na Avaliação Neuropsicológica de uma criança com Traumatismo Cranioencefálico (TCE) (monografia). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/142934

Silva GDC. Seixas LM, Nobre MCL, Faria MRS, Lima RDALD, Rodrigues AT. Perfil clínico e terapêutico dos pacientes vítimas de hemorragia subaracnóidea não traumática no sistema único de saúde no município de Barbacena – MG. Rev Med Minas Gerais 2014;24:327-36. https://doi.org/10.5935/2238-3182.20140099

Niewkamp DJ, Vaartjes I, Algra A, Rinkel GJ, Bots ML. Risk of cardiovascular events and death in the life after aneurysmal subarachnoid haemorrhage: a nationwide study. Inter J Stroke 2012;9:1090-6. https://doi.org/10.1111/j.1747-4949.2012.00875.x

Pereira CU, Oliveira DMP. Hematoma Epidural Agudo. Um Problema Médico-legal. J Bras Neurocirurg 2015;26:162-4.

https://www.abnc.org.br/jbnc_det.php?edcod=92.

Braga BD, Neto JBR, Oliveira MM, Bicalho GVC, Santiago GZ, Cadurin AC, et al. Devemos Monitorar a Pressão Intracraniana de pacientes com TCE grave Marshall II? Arq Bras Neurocirurg 2014;33:213-8. http://files.bvs.br/upload/S/0103-5355/2014/v33n3/a4932.pdf

Jerônimo AS, Creôncio SCE, Cavalcanti D, Moura JC, Ramos RA, Paz AM. Fatores relacionados ao prognóstico de vítimas de traumatismo cranioencefálico: uma revisão bibliográfica. Arq Bras Neurocirurg 2014;33:165-9. http://files.bvs.br/upload/S/0103-5355/2014/v33n3/756167.pdf

Fanan JMV, Volpe MS, Ruas G, Moreira HM, Pimenta LBM, Sousa VCV, et al. Análise clínica e descritiva de traumatismos cranioencefálicos de um hospital em Uberaba-MG. Rev Neurocienc 2013;21:349-56. https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.03.1027.08p

Oliveira SGD, Spaziani AO, Frota RS, Freitas CJD, Matos MVD, Souza KS, et al. Tratamento cirurgico de traumatismo cranioencefálico com afundamento no Brasil nos anos de 2014 a 2018. Braz J Health Rev 2020;3:1368-83. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-003

Alves NS, Paz FAN. Nível de Funcionalidade dos pacientes com traumatismo cranioencefálico em uma Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Terciário. Rev FAESF 2019;3:2-9.

http://faesfpi.com.br/revista/index.php/faesf/article/view/73.

Castaneda L, Bergmann A, Bahia L. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: uma revisão sistemática de estudos observacionais. Rev Bras Epidemiol 2014;17:437-51. https://doi.org/10.1590/1809-4503201400020012ENG

Karpuz S, Kucuksen S. Rehabilitation Results of Patients with Traumatic Brain Injury. Med Bull Sisli Etfal Hosp 2017;51:207-11. https://doi.org/10.5350/SEMB.20170403072919

Maia HMSF, Werneck G, Dourado I, Fernandes RCP, Brito LL. Tradução, adaptação e validação do instrumento “Community Integration Questionnaire”. Ciencia Saude 2015;20:1341-52. https://doi.org/10.1590/1413-81232015205.08312014

Downloads

Publicado

2021-08-19

Como Citar

Silva Souza, M., Almeida de Brito, R., Silva Matos, T., Matos, L., Menezes Silva Bonfim, E. ., Ramon Ferreira Belem, D. ., Kássia Macêdo da Silva Bezerra, N., & Alencar Lessa, E. (2021). Funcionalidade de indivíduos pós-traumatismo cranioencefálico: um estudo de coorte. Revista Neurociências, 29. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11062

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2020-08-12
Aceito em 2021-05-31
Publicado em 2021-08-19

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)