Percepção de Genitoras sobre a Intervenção Neuropsicomotora em Crianças com Microcefalia

  • Thiciane Felix Portela
  • Lícia Maria Belchior Almeida
  • Luciana Dias Belchior
Palavras-chave: Percepção, Microcefalia, Intervenção Precoce

Resumo

Introdução. A microcefalia é uma malformação congênita, em que a medida do perímetro cefálico ao nascimento encontra-se menor que a definida pela OMS. Objetivo. Descrever a percepção de genitoras acerca da intervenção neuropsicomotora em crianças com microcefalia. Método. Estudo qualitativo, caráter descritivo, com mães de crianças com diagnóstico clínico de microcefalia atendidas de março a abril de 2017. Foi realizada uma entrevista com as mães, seguindo um roteiro semiestruturado. A pesquisa obedeceu à resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde e teve início após aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da UNIFOR. Resultados. Foi possível evidenciar a dificuldade de debate acerca da doença, que se deve, em parte, à frustração das mães quanto às perspectivas que idealizam para os filhos, como frequentar a escola, condição limitada pela microcefalia. Ainda mais quando as mães não têm conhecimento da doença e das possibilidades terapêuticas deste processo. A intervenção neuropsicomotora, em contrapartida, vem a ser uma das possibilidades terapêuticas com mais relevância, devido ao potencial de melhora da qualidade de vida. Conclusão. A intervenção neuropsicomotora estimula, precocemente, traços cognitivos, motores e sensitivos, para trazer qualidade de vida para a criança e suporte para a família.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Ministério da Saúde do Brasil. Microcefalia: Ministério da Saúde confirma 2.753 casos no país. (endereço na Internet). (atualizado em 2017; citado em 2020). Disponível em: http://www.cff.org.br/noticia.php?id=4533&titulo=Brasil+confirmou+322+casos+de+beb%C3%AAs+com+microcefalia+e+outras+altera%C3%A7%C3%B5es+ligadas+%C3%A0+zika+em+2017

Gomes FC, Lopes JO, Fonsêca SMC. A importância da integração sensorial em crianças portadoras de transtornos de processamento sensorial – uma visão fisioterapeutica. (Endereço na Internet). Salvador (atualizado em 2014; citada em 2020). Disponível em: http://bibliotecaatualiza.com.br/arquivotcc/FPN/FPN09/GOMES-fernanda-LOPES-juliana-FONSECA-shirlei.pdf

Cabral CM, Nóbrega MEB, Leite PL, Souza MSF, Teixeira DCP, Cavalcante TF, et al. Descrição clínico-epidemiológica dos nascidos vivos com microcefalia no estado de Sergipe, 2015. Epidemiol Serv Saúde 2017;26:245-54. https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000200002

Marinho F, Araújo VEM, Porto DL, Ferreira HL, Coelho MRS, Lecca RCR, et al. Microcefalia no Brasil: prevalência e caracterização dos casos a partir do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), 2000-2015. Epidemiol Serv Saúde 2016;25:701-12. https://doi.org/10.5123/s1679-49742016000400004

Vargas A, Saad E, Dimech GS, Santos RH, Sivini MAVC, Albuquerque LC, et al. Características dos primeiros casos de microcefalia possivelmente relacionados ao vírus Zika notificados na Região Metropolitana de Recife, Pernambuco. Epidemiol Serv Saúde 2016; 25:691-700. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742016000400003

Souza WV, Araújo TVB, Albuquerque MFPM, Braga MC, Ximenes RAA, Miranda-Filho DB, et al. Microcefalia no Estado de Pernambuco, Brasil: características epidemiológicas e avaliação da acurácia diagnóstica dos pontos de corte adotados para notificação de caso. Cad Saúde Pública 2016;32:e00017216. https://doi.org/10.1590/0102-311X00017216

Willrich A, Azevedo CCF, Fernandes JO. Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Rev Neurocienc 2009;17:51-6.

https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8604

Nunes ML, Carlini CR, Kalil-Neto D, Marinowic F, Fiori HH, Scotta MC, et al. Microcephaly and Zika virus: a clinical and epidemiological analysis of the current outbreak in Brazil. J Pediatr (RJ) 2016;92:230-40. https://doi.org/10.1016/j.jped.2016.02.009

Souza WV, Melo-Filho DA, Valongueiro S, Melo APL, Brandão-Filho SP, Martelli CMT, et al. Epidemia de microcefalia e vírus Zika: a construção do conhecimento em epidemiologia. Cad Saúde Pública 2018;34:1-14. https://doi.org/10.1590/0102-311x00069018

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia e/ou alterações do sistema nervoso central (SNC) / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2a edição, 2016, 55p. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-786728

Machado W. Microcefalia, deficiência, reabilitação, dependência e cuidador domiciliar: Preocupações com efeitos tardios da epidemia Zika vírus. Rede Humaniza SUS (endereço na Internet). Rio de Janeiro (atualizado em: 2016; citado em: 2020. Disponível em: http://redehumanizasus.net/93859-microcefalia-deficiencia-reabilitacao-dependencia-e-cuidador-domiciliar-preocupacoes-com-efeitos-tardios-da-epidemia-zika/

Ministério da Saúde. Ministério do Desenvolvimento Social. Assistência Social no atendimento à microcefalia (endereço na Internet). (Atualizado em: 2017; citado em 2020). Disponível em: http://mds.gov.br/assuntos/assistencia-social/assistencia-social-no-atendimento-a-microcefalia

Castilho-Weinert LV, Forti-Bellani CD. Abordagem Fisioterapêutica pelo Conceito Neuroevolutivo Bobath. In: Castilho-Weinert LV, Forti-Bellani CD (eds). Fisioterapia em Neuropediatria. São Paulo: OmniPax Editora, 2011, Cap.3, p.43-86.

http://omnipax.com.br/livros/2011/FNP/FNP-cap3.pdf

Beltrame B. Entenda o que é microcefalia (endereço na Internet. Portugal. (atualizado em: 2016; citado em: 2020). Dsiponível em: http://gerardocristino.com.br/novo/index.php/component/k2/item/154-entenda-o-que-%C3%A9-microcefalia

Cambricoli F, Frazão H, Bernardes M. Mães sofrem sem especialistas para bebês (endereço na Internet). Jornal o Estadão de São Paulo. (atualizado em: 2016; citado em: 2020). Disponível em: https://tudo-sobre.estadao.com.br/ministerio-da-SAUDE

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edição 70, 2011, 229p. http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/291/156

Carrapa ASGCN. Comunicar Más Notícias em Pediatria. Rev Facul Med Lisboa 2010. https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/50120/2/Comunicar%20Ms%20Notcias%20em%20Pediatria.pdf

Souza ASR, Souza AI, Faquin SLL, Santos-Neto OG, Honorato E, Mattos AGL, et al. Altered intrauterine ultrasound, fetal head circumference growth and neonatal outcomes among suspected cases of congenital Zika syndrome in Brazil. Rev Bras Saude Mater Infant 2016;16(Suppl 1):S7-15. https://doi.org/10.1590/1806-9304201600s100002

Parecer sobre estimulação precoce e microcefalia. Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional (endereço de internet). Rio de Janeiro (atualizado em: 2016; citado em: 2020). Disponível em: https://abrafin.org.br/wp-content/uploads/2015/02/PARECER-MICROCEFALIA.pdf

Felix VPSR, Farias AM. Microcefalia e dinâmica familiar: a percepção do pai frente à deficiência do filho. Cad Saúde Pública 2019;34:1-11. https://doi.org/10.1590/0102-311x00220316

Traiber C, Lago PM. Comunicação de más notícias em pediatria. Bol Cient Ped 2012;1:3-7.

https://www.sprs.com.br/sprs2013/bancoimg/131210152030bcped_12_01_02.pdf

Publicado
2020-06-05
Como Citar
Portela, T. F., Almeida, L. M. B., & Belchior, L. D. (2020). Percepção de Genitoras sobre a Intervenção Neuropsicomotora em Crianças com Microcefalia. Revista Neurociências, 28, 1-22. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10883
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##