Comparação cinético-funcional entre adultos-jovens com Síndrome de Down e sujeitos hígidos

  • Yasmin Caroline Mendonça da Costa
  • Elanny Mirelle da Costa
  • Fábio Firmino de Albuquerque Gurgel
  • Moisés Costa do Couto Faculdade Católica do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Síndrome de Down, Hipotonia Muscular, Instabilidade Articular

Resumo

Introdução. A Síndrome de Down (SD) é uma alteração cromossômica que causa hipotonia muscular, déficit de equilíbrio e alterações na marcha. Vários estudos mostram o perfil funcional de crianças com SD, porém não indicam os impactos das disfunções durante a fase adulto-jovem. O objetivo deste estudo foi realizar uma comparação entre o perfil cinético-funcional de adultos-jovens com SD e sujeitos hígidos. Método. A amostra foi composta por 16 indivíduos de 20 a 30 anos, distribuídos igualmente em dois grupos: (G1) indivíduos com SD; (G2) indivíduos hígidos. Todos os participantes foram submetidos a uma avaliação cinético-funcional através dos testes Medical Research Council (MRC), Timed Up and Go (TUG), Teste Índex-Nariz, Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), Escala de Medida de Independência Funcional (MIF) e dinamômetro de pressão manual. Resultados. Os principais resultados indicam que não houve diferença na MRC, entretanto pode-se perceber que o G1 apresentou menor valor de velocidade da marcha 1,31±0,41 versus 2,24±0,32m/s (p<0,001); comprimento do passo 41,50±4,66 versus 55,75±7,77cm (p=0,001); comprimento da passada 74,25±11,81 versus 112,25±16,45 (p<0,001) e cadência 83,63±6,84 versus 98,13±7,03 passos/minuto (p=0,001) no TUG; menor escore na EEB 50,25±3,05 versus 56±0 (p=0,001); menor escore na MIF 114,88±12,4 versus 126±0 (p=0,039) e menor força de preensão manual 13,75±4,62 versus 35,88±14,42 Kg/f (p=0,003). Conclusão. Os indivíduos com SD na fase adulto-jovem apresentam alterações de marcha, distúrbios de coordenação, equilíbrio e redução da força de preensão manual em comparação a indivíduos hígidos de mesma faixa etária.

Introdução. A Síndrome de Down (SD) é uma alteração cromossômica que causa hipotonia muscular, déficit de equilíbrio e alterações na marcha. Vários estudos mostram o perfil funcional de crianças com SD, porém não indicam os impactos das disfunções durante a fase adulto-jovem. O objetivo deste estudo foi realizar uma comparação entre o perfil cinético-funcional de adultos-jovens com SD e sujeitos hígidos. Método. A amostra foi composta por 16 indivíduos de 20 a 30 anos, distribuídos igualmente em dois grupos: (G1) indivíduos com SD; (G2) indivíduos hígidos. Todos os participantes foram submetidos a uma avaliação cinético-funcional através dos testes Medical Research Council (MRC), Timed Up and Go (TUG), Teste Índex-Nariz, Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), Escala de Medida de Independência Funcional (MIF) e dinamômetro de pressão manual. Resultados. Os principais resultados indicam que não houve diferença na MRC, entretanto pode-se perceber que o G1 apresentou menor valor de velocidade da marcha 1,31±0,41 versus 2,24±0,32m/s (p<0,001); comprimento do passo 41,50±4,66 versus 55,75±7,77cm (p=0,001); comprimento da passada 74,25±11,81 versus 112,25±16,45 (p<0,001) e cadência 83,63±6,84 versus 98,13±7,03 passos/minuto (p=0,001) no TUG; menor escore na EEB 50,25±3,05 versus 56±0 (p=0,001); menor escore na MIF 114,88±12,4 versus 126±0 (p=0,039) e menor força de preensão manual 13,75±4,62 versus 35,88±14,42 Kg/f (p=0,003). Conclusão. Os indivíduos com SD na fase adulto-jovem apresentam alterações de marcha, distúrbios de coordenação, equilíbrio e redução da força de preensão manual em comparação a indivíduos hígidos de mesma faixa etária.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Soares JA, Barboza MAI, Croti UA, Foss MHDA, Moscardini AC. Distúrbios respiratórios em crianças com síndrome de Down. Rev Arq Ciênc Saúde 2004;11:230-3. http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/Vol-11-4/07%20-%20id%2078.pdf

Caetano LC, Netto L, Manduca JNL. Gravidez depois dos 35 Anos: Uma revisão sistemática da literatura. Rev Min Enferm 2011;15:579-87. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-22157

Santos JA, Franceschini SCC, Priore SE. Curvas de crescimento para crianças com Síndrome de Down. Rev Bras Nutr Clin 2006;21:144-8. https://scholar.google.com.br/scholar?cluster=9055641817220927217&hl=pt-BR&as_sdt=0,5

Dupre C, Weidman-Evans E. Musculoskeletal development in patients with Down syndrome. JAAPA 2017;30:38-40. https://doi.org/10.1097/01.JAA.0000526779.77230.79

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com Síndrome de Down. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_sindrome_down.pdf

Souza AB, Blascovi-Assis SM, Rezende LK. Cymrot R. Caracterização do desempenho funcional de indivíduos com síndrome de Down. Rev Ter Ocup Univ São Paulo 2015;26:102-8. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i1p102-108

Pazin AC, Martins MRI. Desempenho funcional de crianças com Síndrome de Down e a qualidade de vida de seus cuidadores. Rev Neurocienc 2007;15:297–303. https://doi.org/10.34024/rnc.2007.v15.8676

Latronico N, Gosselink R. A guided approach to diagnose severe muscle weakness in the intensive care unit. Rev Bras Ter Intensiva 2015;27:199-201. https://doi.org/10.5935/0103-507X.20150036

Camara FM, Gerez AG, Miranda MLJ, Velardi M. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Rev Acta Fisiatr 2008;5:249-56. http://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/103005/101285

Borssatti F, Anjos, FB, Ribas, DIR. Efeitos dos exercícios de força muscular na marcha de indivíduos portadores de Síndrome de Down. Rev Fisioter Mov 2013;26:329-35. https://doi.org/10.1590/S0103-51502013000200010

Figueiredo IM, Sampaio RF, Mancini MC, Silva FCM, Souza MAP. Test of grip strength using the Jamar dynamometer. Rev Acta Fisiatr 2007;14:104–10. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20070002

Santos GM, Souza ACS, Virtuoso JF, Tavares GMS, Mazo GZ. Valores preditivos para o risco de queda em idosos praticantes e não praticantes de atividade física por meio do uso da Escala de Equilíbrio de Berg. Rev Bras Fisioter 2011;15:95-101. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552011000200003

Smith BA, Ulrich BD. Early onset stabilizing strategies for gait and obstacles: Older adults with Down Syndrome. Gait Posture 2008;28:448-55. http://dx.doi.org/10.1016/j.gaitpost.2008.02.002

Ariani C, Penasso P. Análise clínica e cinemática comparativa da marcha de uma criança normal e outra portadora de Síndrome de Down na fase escolar (7 a 10 anos). Rev Reabil 2005;26:17-23. http://citrus.uspnet.usp.br/biomecan/ojs/index.php/rbb/article/viewFile/89/93

Felício, SR, Gava NM, Zanella RC, Pereira K. Marcha de crianças e jovens com síndrome de Down. Rev ConScientiae Saúde 2008;7:349-56. http://dx.doi.org/10.5585/conssaude.v7i3.1326

Ávilla DCC, Bom FSP, Juschaks LM, Ribas DIR. Avaliação da marcha em ambiente terrestre em indivíduos com síndrome de Down. Rev Fisioter Mov 2011;24:737-43. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000400019

Pfeiffer M, Kotz R, Ledl T, Hauser G, Sluga M. Prevalence of flat foot in pre-school children. Pediatrics 2006;118:634-9. http://dx.doi.org/10.1542/peds.2005-2126

Pau M, Galli M, Crivellini M, Albertini G. Relationship between obesity and plantar pressure distribution in youths with Down Syndrome. Am J Phys Med Rehabil 2013;92:889-97. http://dx.doi.org/10.1097/PHM.0b013e3182922ff1

Martin JES, Mendes RT, Hessel G. Peso, estatura e comprimento em crianças e adolescentes com síndrome de Down: análise comparativa de indicadores antropométricos de obesidade. Rev Nutr 2011;24:485-92. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732011000300011

Shimizu WAL, Almeida RP, Pineiro FDL, Moussa L, Mendes MRP. Aspectos sensoriomotores relacionados com a marcha em indivíduos com Síndrome de Down. Rev Pesquisa Ação 2017;3:46-57. https://revistas.brazcubas.br/index.php/pesquisa/article/view/329/455

Meneghetti CHZ, Blascovi-Assis SM, Deloroso FT, Rodrigues GM. Avaliação do equilíbrio estático de crianças e adolescentes com síndrome de Down. Rev Bras Fisioter 2009;13:230-5. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552009005000029

Leite JC, Neves JCJ, Vitor LGV, Fujisawa DS. Controle postural em crianças com Síndrome de Down: Avaliação do equilíbrio e da mobilidade funcional. Rev Bras Ed Esp 2018;24:173-82. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-65382418000200002

Schuller JAP, Reis Filho AD. A capoeira como instrumento pedagógico no aprimoramento da coordenação motora de pessoas com Síndrome de Down. Rev Pensar a Prática 2010;13:1-21. https://doi.org/10.5216/rpp.v13i2.7532

Moreira D, Alvarez RRA. Avaliação da força de preensão palmar com o uso do dinamômetro Jamar® em pacientes portadores de hanseníase atendidos em nível ambulatorial no Distrito Federal. Hansen Int 2002;27:61-9. http://www.ilsl.br/revista/imageBank/865-2571-1-PB.pdf

Priosti PA, Blascovi-Assis SM, Cymrot R, Vianna DL, Caromano FA. Força de preensão e destreza manual na criança com Síndrome de Down. Rev Fisioter Pesq 2013;20:278-85. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502013000300013

Ferreira DMF, Salles BF, Marques DVM, Furieri M, Bonomo LMM, Salles FLP, et al. Funcionalidade de crianças com e sem Síndrome de Down. Rev Neurocienc 2009;17:231-8. http://dx.doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8547

Souza FCF, Ferreira MP, Novakoski KRM, Israel VL. Relatos de experiências de acadêmicas de fisioterapia em intervenção psicomotora com adolescentes e adultos com necessidades especiais da apae de uma cidade do litoral paraná. Rev Diversa 2017;10:98-105. http://dx.doi.org/10.5380/diver.v10i2.58067

Publicado
2020-09-02
Como Citar
Caroline Mendonça da Costa, Y., Mirelle da Costa, E., Firmino de Albuquerque Gurgel, F., & Couto, M. C. do. (2020). Comparação cinético-funcional entre adultos-jovens com Síndrome de Down e sujeitos hígidos. Revista Neurociências, 28, 1-14. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10870
Seção
Artigos Originais