Conhecimento da equipe de enfermagem sobre neurointensivismo em Unidades de Terapia Intensiva

  • Regina Neves Ribeiro UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA-CAMPUS ANISIO TEIXEIRA
  • Ana Paula de Freitas Oliveira
  • Jocélio Matos Amaral
  • Patrícia da Silva Pires
  • Andressa Oliveira Santos
  • Loren Scarlet da Silva Teixeira
  • Ana Karina Lomanto Rocha
  • Thaise Ferraz Santos
Palavras-chave: Unidades de Terapia Intensiva, Cuidados Intensivos, Hipertensão intracraniana, Conhecimento, Cuidados de Enfermagem, Monitoramento

Resumo

Objetivo. Avaliar o conhecimento da equipe de enfermagem sobre neurointensivismo. Método. Trata-se de um estudo de caráter descritivo e exploratório com abordagem quantitativa realizada de março a abril de 2018, em duas unidades de terapia intensiva adulto. Utilizou-se um instrumento validado com dados demográficos e profissionais dos entrevistados e oito questões pertinentes ao conhecimento acerca do neurointensivismo. O Teste exato de Fisher foi usado para determinar diferenças nas respostas entre as categorias profissionais. Resultados. Responderam ao instrumento 61 profissionais de enfermagem, sendo 21 enfermeiros e 40 técnicos de enfermagem, 69% eram do sexo feminino. Os enfermeiros tiveram mais respostas corretas, que técnicos de enfermagem, porém, em nenhuma das questões esses profissionais apresentaram 100% de acertos. Cuidados específicos da enfermagem para prevenir a elevação da PIC, ainda não são suficientemente conhecidos pelos profissionais, houve diferença estatisticamente significativa somente para o parâmetro de oximetria jugular SJO2 (p<0,047) e estratégia de combate a hipertermia (p<0,007). Conclusão. Essa pesquisa demonstra a necessidade de intervenção que contemple aquisição de conhecimentos teórico-práticos, aprimoramento para interpretação dos parâmetros monitorados e consequente adoção de condutas seguras no manejo do doente neurocrítico.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Stocchetti N, Taccone FS, Citerio G, Pepe PE, Le Roux PD, Oddo M, et al. Neuroprotection in acute brain injury: an up-to-date review. Crit Care 2015;19:186. http://dx.doi.org/10.1186/s13054-015-0887-8

Stocchetti N, Carbonara M, Citerio G, Ercole A, Skrifvars MB, Smielewski P, et al. Severe traumatic brain injury: targeted management in the intensive care unit. Lancet Neurol 2017;16:452-64. https://doi.org/10.1016/S1474-44422(17)30118-7

Marinho RC, Souza RD, Lima DS. Pós-operatório de cirurgia neurológica. In: Viana RA, Torre M. Enfermagem em Terapia intensiva: praticas integrativa. Barueri: Manole; 2017, p807-16.

Oddo M, Crippa IA, Mehta S, Menon D, Payen, JF, Taccone FS, et al. Optimizing sedation in patients with acute brain injury. Crit Care 2016;20:128. http://dx.doi.org/10.1186/s13054-016-1294-5

Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Traumatismo Cranioencefálico. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_pessoa_traumatisco_cranioencefalico.pdf

Magalhães ALG, Souza LC, Faleiro RM, Teixeira AL, Miranda AS. Epidemiologia do traumatismo cranioencefálico no Brasil. Rev Bras Neurol 2017;53:15-22.

https://revistas.ufrj.br/index.php/rbn/article/view/12305

Rodrigues MS, Santana LF, Graça EP, Gomes OV. Epidemiologia de traumatismo craniencefálico em um hospital. Rev Soc Bras Clin Med 2018;16:21-4.

http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/06/884987/dezesseis1_vinteum.pdf

Almeida LCF, Brasileiro ME. Atuação do Enfermeiro no Atendimento ao Paciente com Traumatismo Crânioencefálico: Revisão Bibliográfica. Rev Cien Multidiscipl Núcleo Conhecimento 2018;5:139-48.

https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/paciente-com-traumatismo

Alcântara TFD, MARQUES IR. Avanços na Monitorização Neurológica Intensiva: implicações para a enfermagem. Rev. bras. enferm. Brasília , v. 62, n. 6, p. 894-900, dez. 2009.

https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000600015

Chowdhury T, Kowalski S, Arabi Y, Dash HH. General intensive care for patients with traumatic brain injury: An update. Saudi J Anaesth 2014;8:256-63.

http://dx.doi.org/10.4103/1658-354X.130742

Talving P, Karamanos E, Teixeira PG, Skiada D, Lam L, Belzberg H, et al. Intracranial pressure monitoring in severe head injury: compliance with Brain Trauma Foundation guidelines and effect on outcomes:a prospective study. J Neurosurg 2013;119:1248-54. http://dx.doi.org/10.3171/2013.7.JNS122255

Carney N, Totten AM, OʼReilly C, Ullman JS, Hawryluk GWJ, Bell MJ, et al. Guidelines for the Management of Severe Traumatic Brain Injury, Fourth Edition. Neurosurgery 2017;80:6-15. http://dx.doi.org/10.1227/NEU.0000000000001432

Reyaz AP, Arif HS, Mohammad AS, Toufeeq AM, Abdul WM, Suhail S, et al. Our experience with management and outcome of isolated traumatic brain injury patients admitted in Intensive. J Emerg Trauma Shock 2018;11:288-92. http://dx.doi.org/10.4103/JETS.JETS_34_17

Correio RAPPV, Vargas MAO, Carmagnani MIS, Ferreira ML, Luaz KR. Desvelando competências do enfermeiro de terapia intensiva. Enfer FOCO 2015;6:46-50. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2015.v6.n1/4.576

Wijdicks EF, Menon DK, Smith M. Ten things you need to know to practice neurological critical care. Intensive Care Med 2014;41:318. http://dx.doi.org/10.1007/s00134-014-3544-9

Dash HH, Chavali S. Management of traumatic brain injury patients. Korean J Anesthesiol 2018;71:12-21.

http://dx.doi.org/10.4097/kjae.2018.71.1.12

Rosa NM, Lima JF, Inoue KC. Conhecimento da equipe de enfermagem sobre neurointensivismo e a influência da educação contínua. Cienc Cuidado Saúde 2013;12. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v12i1.15031

Damkliang J, Considine J, Kent B, Street M. Using an evidence-based care bundle to improve Thai emergency nurses’ knowledge of care for patients with severe traumatic brain injury. Nurse Educ Pract 2015;15:284-92. https://doi.org/10.1016/j.nepr.2015.03.007

Varghese R, Chakrabarty J, Menon G. Nursing Management of Adults with Severe Traumatic Brain Injury: A Narrative Review. Indian J Critical Care Med 2017;21:684-97.

http://dx.doi.org/10.4103/ijccm.IJCCM_233_17

Joseph D, Marek C, Hadie A, Danilo C, Angelos GK, Frederick AZ, et al. Twenty-Five Years of Intracranial Pressure Monitoring After Severe Traumatic Brain Injury: A Retrospective, Single-Center Analysis. Neurosurgery 2018;85:E75-82.

http://dx.doi.org/10.1093/neuros/nyy468

Stocchetti N, Maas AIR. Traumatic Intracranial Hypertension. New Engl J Med 2014;370:2121-30.

http://dx.doi.org/10.1056/NEJMra1208708

Paranhos E. Traumatismo Crânio Encefálico. In: Guimarães HP, Assunção MSC, Carvalho FB, Japiassu AM, Veras KN, Nácul FE, et al. Manual de Medicina Intensiva: AMIB. São Paulo: Atheneu, 2014, p89-104.

Diccine S, Osis S. Paciente neurológico: conceito e cuidados. In: Viana RAP, Torre M. Enfermagem em Terapia intensiva: Práticas Integrativas. Barueri: Manole; 2017, p790-806.

Conselho Federal de Enfermagem - COFEN (endereço na internet). Resolução Nº 0557/2017. Normatiza a atuação da equipe de enfermagem no procedimento de Aspiração de Vias Aéreas. Brasília: Conselho Federal de Enfermagem (acessado em 2020). Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/09/RES.-557-2017.pdf.

Ribeiro CJ, Araújo AC, Brito SB, Dantas DV, Nunes MS, Alves JA, et al. Avaliação da dor de vítimas de traumatismo craniencefálico pela versão brasileira da Behavioral Pain Scale. Rev Bras Ter Intensiva 2018;30:42-9. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20180009

Yokobori S, Yokota H. Targeted temperature management in traumatic brain injury. J Inten Care 2016;4:28. http://dx.doi.org/10.1186/s40560-016-0137-4

Salgado PO, Silva LCR, Silva PMA, Chianca TCM. Métodos físicos para tratamento de febre em pacientes críticos: ensaio clínico controlado randomizado. Rev Esc Enfem USP 2016;50:823-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0080623420160000600016

Conselho Federal de Enfermagem - COFEN (endereço na Internet). Resolução Nº 390/2011. Normatiza a execução, pelo enfermeiro, da punção arterial tanto para fins de gasometria como para monitorização de pressão arterial invasiva. Brasília: Conselho Federal de Enfermagem (acessado em 2020). Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-3902011_8037.html

Gonçalves FAF, Oliveira GF, Suzuki K, Miquelin B. Monitorização da Oxigenação e perfusão. In: Viana RAP, Torre M. Enfermagem em Terapia intensiva: Práticas integrativas. Barueri: Manole; 2017, p501-9.

Mendes OLAM, SoareS YRC, Noleto LC, FontinelE AVC, Galvão MPS, Souza JM. Assistência de enfermagem em pacientes vítimas de traumatismo crânio encefálico: revisão integrativa. Rev Uningá 2018;55:33-46. http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/2090.

Allan PA. Sistematização da Assistência de enfermagem(SAE). In: Viana RA, Torre M. Enfermagem em Terapia intensiva: praticas integrativa. Barueri: Manole; 2017, p150-157.

Publicado
2020-09-09
Como Citar
Ribeiro, R. N., Oliveira, A. P. de F., Amaral, J. M., Pires, P. da S., Santos, A. O., Teixeira, L. S. da S., Rocha, A. K. L., & Santos, T. F. (2020). Conhecimento da equipe de enfermagem sobre neurointensivismo em Unidades de Terapia Intensiva . Revista Neurociências, 28, 1-21. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10693
Seção
Artigos Originais