Ansiedade na gestação de alto risco: um reflexo da atenção básica no alto sertão da Paraíba

  • Monique Maria Silva da Paz Universidade Federal Da Paraíba
  • Raquel de Moura Campos Diniz
  • Milene de Oliveira Almeida
  • Nadine Oliveira Cabral
  • Cristina Katya Torres Teixeira Mendes
  • Juliana Sousa Soares de Araújo
  • Thais Josy Castro Freire de Assis
Palavras-chave: ansiedade, gestação, gestação de alto risco, atenção primária à saúde

Resumo

Introdução. Durante a gestação ocorrem diversas mudanças no organismo materno, algumas mulheres apresentam complicações durante essa fase, tornando a gestação de alto risco. A presença de risco para a mãe ou para o bebê pode elevar o nível de ansiedade materna durante a gravidez, podendo ficar presente até o puerpério. Objetivos. Avaliar o grau de ansiedade e as características ansiosas de gestantes de alto risco na atenção básica de cidades do interior da Paraíba, associado ao contexto sociodemográfico. Método. Pesquisa de caráter quantitativo e descritivo, no qual foram avaliadas 39 gestantes de alto risco, com diagnóstico médico comprovado. Foram aplicados um questionário sociodemográfico e o Beck Anxiety Inventory (BAI). Resultados. Dentre as características sociodemográficas, a maioria era nulíparas, com predominância entre o segundo e terceiro trimestre gestacional, 74,4% possuíam renda familiar igual ou inferior a um salário mínimo, 66,6% apresentavam grau ansioso de moderado a grave, e foi observada uma associação entre os sintomas característicos da ansiedade com a história clínica e o enquadramento social. Conclusão. Notou-se que durante o período gestacional é comum que as mães desenvolvam quadro ansioso, com medo do pior acontecer e instabilidade emocional, e isso somado às características sociais e clínicas da gestante pode agravar a predisposição a esses sintomas ansiosos.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Almeida MO, Paz MMS, Cabral NO, Cunha JS, Assis TJCF. Correlação entre paridade e indução do trabalho de parto. In: Costa GM (Org.). Saúde à serviço da vida. João Pessoa: IMEA; 2020, p.320-36.

Schirmer J, Sumita SLN, Fustinoni SM, Melo PS. Cuidados especiais no ciclo gravídico-puerperal de alto risco. In: Barros SMO, Marin HF, Abrão ACFV. Enfermagem obstétrica e ginecológica: guia para a prática assistencial. São Paulo: Ed. Roca; 2002, p.186-99.

Alves AMA, Santos IMM. Quando o bebê que chega não é o sonhado. In: Figueiredo NMA (org.). Ensinando a cuidar da mulher, do homem e do recém nascido. São Caetano do Sul: Yendis; 2005, p.225-39.

Angerami-Camon VA, Rodríguez F, Berger R, Sebastiani R. Psicologia hospitalar. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning; 2003.

Agrati D, Browne D, Jonas W, Meaney M, Atkinson L, Steiner M, et al. Maternal anxiety from pregnancy to 2 years postpartum: transactional patterns of maternal early adversity and child temperament. Arc Wom Mental Health 2015;18:693-705. https://doi.org/10.1007/s00737-014-0491-y

Saviani-Zeoti F, Petean EBL. Apego materno-fetal, ansiedade e depressão em gestantes com gravidez normal e de risco: estudo comparativo. Est Psicol 2015;32:675-83.

https://doi.org/10.1590/0103-166X2015000400010

Paz MMS, Assis TJCF. Fisiopatologia da ansiedade: uma revisão de literatura. In: Costa GM (Org.). Saúde interativa. João Pessoa: IMEA; 2019, p.1392-410.

Schiavo RDA, Rodrigues OMPR, Perosa GB. Variables Associated with Gestational Anxiety in Primigravidas and Multigravidas. Trends Psychol 2018;26:2091-104. http://dx.doi.org/10.9788/TP2018.4-14Pt

Vicente SECR, Paula KMP, Silva FF, Mancini CN, Muniz AS. Estresse, ansiedade, depressão e coping materno na anomalia congênita. Est Psicol 2016;21:104-16. https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160011

Pinto TM, Caldas F, Nogueira-Silva C, Figueiredo B. Depressão e ansiedade maternal e crescimento fetal-neonatal. J Ped 2017;93:452-9. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2016.11.005

Beck AT, Epstein N, Brown G, Steer RA. An inventory for measuring clinical anxiety: psychometric properties. J Cons Clin Psychol 1988;56:893. http://dx.doi.org/10.1037//0022-006x.56.6.893

Cunha JA. Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2001.

Silva MMJ, Nogueira DA, Clapis MJ, Leite EPRC. Anxiety in pregnancy: prevalence and associated factors. Rev Esc Enferm USP 2017;51:e03253. http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2016048003253

Yuksel F, Akin S, Durna Z. Prenatal distress in Turkish pregnant women and factors associated with maternal prenatal distress. J Clin Nurs 2014;23:54-64.

http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2702.2012.04283.x

Baptista MN, Baptista ASD, Torres ECR. Associação entre suporte social, depressão e ansiedade em gestantes. Psic revista da Vetor Editora 2006;7:39-48. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psic/v7n1/v7n1a06.pdf

Santos JS, do Nascimento BKM, da Silva MS, de Souza EA, de Oliveira Fermoseli AF. A relação da neurofisiologia do transtorno da ansiedade com a neurofisiologia do tabaco. Cad Grad - Cienc Biol Saúde UNIT Alagoas 2017;4:51.

https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitsbiosaude/article/view/3847/2270

Kindermann L, Traebert J, Nunes RD. Validação de uma escala de ansiedade para procedimentos diagnósticos pré-natais. Rev Saude Publica 2019;53:18. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053000621

Gray BA. Hospitalization history and differences in self-rated pregnancy risk. West J Nurs Res 2006;28:216-29. http://dx.doi.org/10.1177 / 0193945905282305

Consonni EB, Calderon IMP, Consonni M, Conti MHS, Prevedel TTS, Rudge MVC. A multidisciplinary program of preparation for childbirth and motherhood: Maternal anxiety and perinatal outcomes. Reprod Health 2010;7:1-6. http://dx.doi.org/10.1186/1742-4755-7-28

Correia LL, Linhares MBM. Ansiedade materna nos períodos pré e pós-natal: revisão da literatura. Rev Lat Am Enferm 2007;15:1-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692007000400024

Xavier RB, Jannotti CB, Silva KSD, Martins ADC. Risco reprodutivo e renda familiar: análise do perfil de gestantes. Cienc Saúde Col 2013;18:1161-71. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000400029

Ruschi GEC, Zandonade E, Miranda AE, Antônio FF. Determinantes da qualidade do pré-natal na Atenção Básica: o papel do Apoio Matricial em Saúde da Mulher. Cad Saúde Colet 2018;26:131-9. https://doi.org/10.1590/1414-462x201800020229.

Costa DO, Souza FIS, Pedroso GC, Strufaldi MWL. Transtornos mentais na gravidez e condições do recém-nascido: estudo longitudinal com gestantes assistidas na atenção básica. Cienc Saúde Col 2018;23:691-700. https://doi.org/10.1590/1413-81232018233.27772015

Piccinini CA, Gomes AG, Moreira LE, Lopes RS. Expectativas e sentimentos da gestante em relação ao seu bebê. Psicol Teoria Pesq 2004;20:223-32. https://doi.org/10.1590/S0102-37722004000300003

Wechsler AM, dos Reis KP, Ribeiro BD. Uma análise exploratória sobre fatores de risco para o ajustamento psicológico de gestantes. Psicol Argum 2017;34:273-88.

http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.34.086.AO07

Bortoletti FF, Moron AF, Bortoletti Filho J, Nakamura U, Santana RM, Mattar R. Psicologia na prática obstétrica: abordagem interdisciplinar. São Paulo: Ed Manole; 2007.

Costa SHM, Ramos JGL, Vettori DV, Valério EG. Hipertensão crônica e complicações na gravidez. Diabete 2005;9:1-3.

http://sociedades.cardiol.br/sbc-rs/revista/2005/05/Artigo11.pdf

Perosa GB, Silveira FCP, Canavez IC. Ansiedade e depressão de mães de recém-nascidos com malformações visíveis. Psicol Teor Pesq 2008;24:29-36. https://doi.org/10.1590/S0102-37722008000100004

Rennó J. A influência do estresse materno na gestação. Revista Debates em Psiquiatr 2013.

Publicado
2020-08-14
Como Citar
Paz, M. M. S. da, Diniz, R. de M. C., Almeida, M. de O., Cabral, N. O., Mendes, C. K. T. T., Araújo, J. S. S. de, & Assis, T. J. C. F. de. (2020). Ansiedade na gestação de alto risco: um reflexo da atenção básica no alto sertão da Paraíba. Revista Neurociências, 28, 1-21. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10466
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##