Aspectos epidemiológicos e assistenciais de pacientes neurológicos em Unidade de Terapia Intensiva

  • Naiara Kássia Macêdo da Silva Bezerra HU-UNIVASF
  • Laize Damasceno Argolo
  • Marília Carolina dos Santos Lino
  • Lilian Ramine Ramos de Souza Matos HU-UNIVASF
  • Márcia Bento Moreira UNIVASF
Palavras-chave: Acidente Vascular Encefálico, Traumatismo Cranioencefálico, Lesões Cerebrais, Epidemiologia, UTI, Perfil de saúde

Resumo

Lesões neurológicas resultam em incapacidade grave mundialmente, neurocríticos geralmente apresentam estado geral grave e necessitam de cuidados intensivos logo no início da lesão. A frequência com que são internados e suas evoluções são pouco conhecidas. Salientar peculiaridades regionais é importante para estabelecer prognóstico e medidas intervencionistas nessa população. Objetivou-se analisar os desfechos clínicos e epidemiológicos de pacientes neurocríticos de um hospital universitário, referência de atendimento da região do submédio Vale do São Francisco. Trata-se de um estudo transversal de abordagem exploratória com dados de prontuários de pacientes neurocríticos internados em um hospital universitário em Petrolina no período de janeiro de 2018 a outubro de 2018. As variáveis estudadas foram processadas e analisadas utilizando o programa Statistical Package for the Social Science (SPSS). Os resultados descritos estão relacionados às características epidemiológicas e principais indicadores de assistência ao neurocrítico, onde predominou a população do sexo masculino e adultos-jovem. As principais causas de internação foram o traumatismo cranioencefálico, hematomas cerebrais e acidente vascular encefálico. O tempo médio de internação foi de 12 dias e o tempo de assistência ventilatória mecânica foi de 11 dias. O conhecimento desses dados é fundamental para aperfeiçoar o atendimento ao paciente neurocrítico. Espera-se enriquecer a comunidade cientifica com as informações do perfil traçado e orientar políticas de saúde e estratégias para melhorar o cuidado dos pacientes neurocríticos.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

1. Pereira JA, Guedes N. Reabilitação precoce no doente com lesão cerebral aguda. Rev Port Med Int [Internet] 2011 [cited 2019 Jan 23]; 18: 81–7. Available from: https://enfermeiros-intensivistas.webnode.pt/_files/200000338-64648655ea/CLIQUE%20AQUI%20RPMI_2011_V_18_03.pdf.

2. Diccini S. Desafio das unidades de cuidados neurointensivos. Acta Paul Enferm [Internet] 2012 [cited 2018 Dec 10]; 25: 8–9. doi: 10.1590/S0103-21002012000800001.

3. Araújo JP, Darcis, JVV, Tomas ACV, Mello WA. Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Município de Maringá, Paraná entre os Anos de 2005 a 2015. Int J Cardiovasc Sci [Internet] 2018 [cited 2018 Dec 19]; 31: 56–62. doi: 10.5935/2359-4802.20170097.

4. Magalhães ALG, Souza LC, Faleiro RM, Teixeira AL, Miranda AS. Epidemiologia do traumatismo cranioencefálico no Brasil. Rev Bras Neurol [Internet] 2017 [cited 2019 Jan 19]; 53: 15-22. Available from: https://revistas.ufrj.br/index.php/rbn/article/view/12305.

5. França EET, Ferrari F, Fernandes P, Cavalcanti R, Duarte A, Martinez BP et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Rev bras ter intensiva [Internet] 2012 [cited 2019 Jan 30]; 24: 6–22. doi: 10.1590/S0103-507X2012000100003.

6. Gosselink R, Bott J, Johnson M, Dean E, Nava S, Norrenberg M et al. Physiotherapy for adult patients with critical illness: recommendations of the European Respiratory Society and European Society of Intensive Care Medicine Task Force on Physiotherapy for Critically Ill Patients. Intensive Care Med [Internet] 2008 Jul [cited 2019 Jan 25]; 34:1188-99. doi: 10.1007/s00134-008-1026-7.

7. Hodgson C, Bellomo R, Berney S, Bailey M, Buhr H, Denehy L et al. Early mobilization and recovery in mechanically ventilated patients in the ICU: a bi-national, multi-centre, prospective cohort study. Crit Care [Internet] 2015 [cited 2019 Oct 20]; 19: 81. doi: doi.org/10.1186/s13054-015-0765-4.

8. Miñambres E, Guerrero-López F. El paciente neurocrítico. Med Intensiva [Internet] 2008 [cited 2019 Apr 25]; 32: 172-3. Available from: http://scielo.isciii.es/pdf/medinte/v32n4/puesta1.pdf.

9. Lanetzki CS, Oliveira CAC, Bass LM, Abramovici S, Troster EJ. O perfil epidemiológico do Centro de Terapia Intensiva Pediátrico do Hospital Israelita Albert Einstein. Einstein [Internet] 2012 [cited 2019 March 10]; 10:16- 21. doi: 10.1590/S1679-45082012000100005.

10. Albuquerque JM, Silva RFA, Souza RFF. Perfil epidemiológico e seguimento após alta de pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Cogitare Enferm [Internet] 2017 [cited 2019 Oct 15]; 22: 1-9. doi:10.5380/ce.v22i3.50.

11. Rodriguez AH, Bub MBC, Perão OF, Zandonadi G, Rodriguez M JH. Características epidemiológicas e causas de óbitos em pacientes internados em terapia intensiva. Rev. Bras. Enferm [Internet] 2016 [cited 2019 Oct 31]; 69:229-34. doi: 10.1590/0034-7167.2016690204i.

12. BRASIL. Ministério da Saúde. Dados de morbimortalidade masculina no Brasil [Internet] 2014 [cited 2019 Sept 26]. Available from: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/fevereiro/19/Folder---dados-de-morbimortalidade-masculina-no-Brasil.pdf.

13. Freitas DCCV, Friestino JKO, Pimenta MEF, Ferreira JFR.
Distribuição espacial das internações hospitalares de idosos nas cinco regiões do Brasil. RBCEH [Internet] 2016 [cited 2019 Oct 20]; 13: 9-2. doi: 10.5335/rbceh.v13i1.5167.

14. Favarin SS, Camponogara S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário. Rev Enferm UFSM [Internet] 2012 [cited 2019 Apr 25]; 2:320-329.

15. AMIB-Associação de Medicina Intensiva Brasileira [Internet]. UTIs brasileiras: Registro Nacional de Terapia Intensiva [cited 2019 Sept 20]. Available from: http://www.utisbrasileiras.com.br/o-projeto/.

16. Melo EM, Santos AMM, Silveira FMM, Sombra RLS, Alves RL, Lima VF. Clinical and demographic characteristics of patients on mechanical ventilation in the intensive care unit. Rev Enferm UFPI [Internet] 2015 [cited 2019 Jan 25]; 4: 36-41. doi:10.26694/reufpi.v4i3.3599

17. Shrestha GS; Goffi A; Aryal D. Delivering neurocritical care in resource-challenged environments. Curr Opin Crit Care [Internet] 2016 [cited 2019 Sept 20]; 22: 100-5. doi: 10.1097/MCC.0000000000000285.

18. Pinheiro Bruno do Valle, Tostes Rodrigo de Oliveira, Brum Carolina Ito, Carvalho Erich Vidal, Pinto Sérgio Paulo Santos, Oliveira Júlio César Abreu de. Traqueostomia precoce versus traqueostomia tardia em pacientes com lesão cerebral aguda grave. J. bras. pneumol. [Internet]. 2010 Feb [cited 2020 Mar 09] ; 36( 1 ): 84-91. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132010000100014&lng=en. https://doi.org/10.1590/S1806-37132010000100014

19. Sousa Neto EG, Moraes R, Costa F, Eberhardt E, Rodrigues APO, Aquim EE. Análise entre o tempo e nível de sedação com o processo de desmame ventilatório em pacientes portadores de tce grave e moderado. Rev inspirar [Internet] 2013 [cited 2019 Oct 31]; 5:1-5. Available from: https://www.inspirar.com.br/wp-content/uploads/2013/03/analise-tempo-nivel-artigo-304.pdf.
Publicado
2020-08-18
Como Citar
Kássia Macêdo da Silva Bezerra, N., Damasceno Argolo, L., Carolina dos Santos Lino, M., Ramine Ramos de Souza Matos, L., & Bento Moreira, M. (2020). Aspectos epidemiológicos e assistenciais de pacientes neurológicos em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Neurociências, 28, 1-14. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10413
Seção
Artigos Originais