Aspectos sociodemográficos e qualidade de vida de pessoas com traumatismo da medula espinal

  • Camila Ferreira de Assis Soares Universidade Católica Dom Bosco
  • Paulo Henrique Muleta Andrade
  • Karla de Toledo Cândido Muller
  • Serginaldo José dos Santos
Palavras-chave: Traumatismos da Medula Espinal, Centros de Reabilitação, Reabilitação, Qualidade de vida

Resumo

Introdução. O presente estudo aborda os aspectos sociodemográficos e epidemiológicos e sua correlação com a qualidade de vida das pessoas com traumatismo da medula espinal em processo de reabilitação física em um Centro Especializado em Reabilitação. Objetivo. Verificar e correlacionar variáveis sociodemográficas de pessoas com traumatismo da medula espinal com sua qualidade de vida. Método. Foram entrevistadas 25 pessoas, coletou-se seus dados sociodemográficos por meio de um questionário semiestruturado e aplicou-se a escala da ASIA e o instrumento geral da OMS-WHOQOL-bref. Resultados. Houve predomínio de homens adultos jovens, casados, renda baixa, a maioria com sequelas em paraplegia incompleta, entre 1 e 3 anos de lesão. A qualidade de vida geral foi avaliada como regular para 72% dos entrevistados, mantida nos domínios físico, psicológico e de meio ambiente, com melhor pontuação no domínio social prevaleceu considerado como bom. Não houve correlação entre as variáveis sociodemográficas e epidemiológicas, assim como com a Escala da ASIA e a qualidade de vida. Conclusão. Conclui-se que a qualidade de vida das pessoas com traumatismo da medula espinal foi percebida como regular, sem correlação com a idade do paciente, funcionalidade e tempo da lesão.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Venturini DA, Decésaro MN, Marcon SS. Alterações e expectativas vivenciadas pelos indivíduos com lesão raquimedular e suas famílias. Ver Esc Enferm USP 2007;41:589-96.

https://doi.org/10.1590/S0080-62342007000400008

Silva AR, Santos JAT, Barros JF, Gorla JI. Qualidade de vida e independência funcional de lesados medulares. Revista Eletrônica Gestão & Saúde 2013;4:2151-64.

https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/248

Ministério da Saúde (endereço na Internet). Brasil: Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com lesão medular. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_lesao_medular.pdf

Coura AS, França ISX, Enders BC, Barbosa ML, Souza JRS. Incapacidade funcional e associações com aspectos sociodemográficos em adultos com lesão medular. Rev Lat Am Enfer 2012;20:1-9. https://doi.org/10.1590/S0104-11692012000100012

American Spinal Injury Association (ASIA) (endereço na Internet). International Standarts for neurological and functional classification of spinal cord injury. Chicago: American Spine Injury Association, 2015 (acessado em: 20/08/2016). Disponível em: http://asia-spinalinjury.org/

Organização Mundial De Saúde (OMS) (endereço na Internet). Programa de Saúde Mental. Versão em português dos instrumentos de avaliação de qualidade de vida (WHOQOL). Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998 (acessado em: 20/07/2016). Disponível em: http://www.ufrgs.br/psiquiatria/psiq/whoqol84.html

Bampi LNS, Guilhem DL, David D. Qualidade de vida em pessoas com lesão medular traumática: um estudo com o WHOQOL-bref. Rev Bras Epidemiol 2008;11:67-77. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000100006

Goncalves AMT, Rosa LN, D’angelo CT, Savordelli CL, Bonin GL, Squarcino IM, et al. Aspectos epidemiológicos da lesão medular traumática na área de referência do Hospital Estadual Mario Covas. Arqmedabc 2007;32:6-64.

https://www.portalnepas.org.br/amabc/article/view/183/179

Rodrigues AV, Vidal WAS, Lemes JÁ, Gôngora CS, Neves TC, Santos SMS, et al. Estudo sobre as características da dor em pacientes com lesão medular. Acta Fisiatr 2012;19:7-171. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20120027

Santiago LMM, Barbosa LCS, Guerra RO, Melo FRLV. Aspectos sociodemográficos e clínicos de homens com lesão medular traumática em um centro urbano do nordeste brasileiro. Arq Bras Ciênc Saúde 2012;37:137-42.

https://www.portalnepas.org.br/abcs/article/view/27/28

Brito LMO, Chein MBC, Marinho SC, Duarte TB. Avaliação epidemiológica dos pacientes vítimas de traumatismoraquimedular. Rev Col Bras Cir 2011;38:304-9. https://doi.org/10.1590/S0100-69912011000500004

Santos RA, Almeida MLO, Silva MF. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com traumatismo raquimedular. Fisioter Bras 2013;14:1-6. http://dx.doi.org/10.33233/fb.v14i3.394

Rabeh S, Caliri MHL. Capacidade funcional em indivíduos com lesão de medula espinhal. Acta Paul Enferm 2010;23:7-321. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000300002

Gaspar AP, Ingham SJM, Vianna PCP, Santos FPE, Chamlian TR, Puertas EB. Avaliação epidemiológica dos pacientes com lesão medular atendidos no Lar Escola São Francisco. Acta fisiátr 2003;10:73-7. http://www.journals.usp.br/actafisiatrica/article/view/102444/100761

Custódio NRO, Carneiro MR, Feres CC, Lima GHS, Jubé MRR, Watanabe LE, et al. Lesão medular no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER- GO). Coluna/Colunna 2009; 8:265-8. https://doi.org/10.1590/S1808-18512009000300005

Bampi LNS. Percepção de qualidade de vida de pessoas com lesão medular traumática: uma forma de estudar a experiência da deficiência. (Tese) Brasilia: Universidade de Brasília, 2007. http://repositorio.unb.br/handle/10482/5810

Corrêa LS. Estudo de qualidade de vida em pessoas com lesão medular (Dissertação). Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2011.http://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/3663/4/Lionela%20Correa.pdf

França ISX, Coura AS, França EG, Basílio NNV, Souto RQ. Qualidade de vida de adultos com lesão medular: um estudo com WHOQOL-bref. Ver Esc Enferm USP 2011;45:71-1364. https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000600013

França ISX, Coura As, Sousa FS, Almeida PC, Pagliuca LMF. Qualidade de vida em pacientes com lesão medular. Rev Gaúcha Enferm 2013;34:155-63. https://doi.org/10.1590/S1983-14472013000100020

Santos JAT. Qualidade de vida e independência funcional de lesados medulares (Dissertação). Brasilia: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, 2010.

http://repositorio.unb.br/handle/10482/6549

Publicado
2020-07-10
Como Citar
Soares, C. F. de A., Andrade, P. H. M., Muller, K. de T. C., & Santos, S. J. dos. (2020). Aspectos sociodemográficos e qualidade de vida de pessoas com traumatismo da medula espinal. Revista Neurociências, 28, 1-14. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10363
Seção
Artigos Originais