Múltipla Deficiência e Baixa Visão

Autores

  • Maria Inês R.S. Nobre
  • Heloisa G.R.G. Gagliardo
  • K. Monteiro de Carvalho
  • Marilda B.S. Botega
  • Paulo R. Sampaio

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.1998.v6.10327

Palavras-chave:

Visão subnormal, desenvolvimento neuromotor, múltipla deficiência

Resumo

Crianças com múltipla deficiência apresentam com freqüência deficiência visual associada. Geralmente, as crianças com quadro neurológico grave têm o quadro motor intensamente comprometido, sendo esse priorizado em programas de habilitação infantil. Devido à dificuldade em se observar as respostas visuais nessas crianças, normalmente o possível diagnóstico oftalmológico é tardio, comprometendo ainda mais seu desenvolvimento. Durante um período de 3 meses, em um serviço de visão subnormal, os autores encontraram uma freqüência de 50% de crianças com múltipla deficiência associada à deficiência visual. Verificou-se que a média de chegada dessas crianças ao serviço foi de 21 meses, sendo todas institucionalizadas. Conclui-se que o comprometimento neuromotor pode retardar o encaminhamento dessas crianças ao oftalmologista. As que apresentam resíduo visual podem ser privadas de estimulação adequada nos períodos sensíveis de desenvolvimento da visão, podendo ter prejudicado seu desenvolvimento visual e, em conseqüência, o desenvolvimento neuromotor.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Zaldivar, F. & Rubio, V. La evaluación de personas plurideficientes. Siglo Cero, 148:21-32, 1993.
2. Veitzman, S. O papel do oftalmologista numa equipe multidisciplinar para a habilitação de crianças deficientes visuais. Arq Bras Oftal, 55:215-217, 1992.
3. Leal, D.B.; Tavares, S.S.; Ventura, L.O.; Florêncio, T. Atendimento a portadores de visão subnormal: estudo retrospectivo de 317 casos. Arq Bras Oftal, 58:439-42, 1995.
4. Knobloch, H. & Pasamanick, B. Gesell e Amatruda. Diagnóstico do desenvolvimento. Rio de Janeiro, Atheneu, 1990. 550p.
5. Barraga, N. Sensory Perceptual Development. In: School, G.T. Foundations of Education for Blind and Visually Handicapped Children and Youth. New York, American Foundation for the Blind, 1986. p.83-98.
6. Gagliardo, H.G.R.G.; Nobre, M.I.R.S.; Carvalho, K.M.M. Intervenção precoce ambulatorial: orientação à família. Arq Bras Oftal, 59:352, 1996.
7. Hyvärinen, L. La visión normal y anormal en los niños. Madri, ONCE, 1988. 92p.
8. Hyvärinen, L. Considerations in evaluation and treatment of the child with low vision. American J of Occupational Therapy, 59:891-97, 1995.
9. Sonksen, P.M.; Petrie, A.; Drew, K.J. Promotion of visual development of severely visually impaired babies: evaluation of a developmentally based programme. Dev Med Child Neurol, 33:320-335, 1991.
10. Nakamura, H.Y. Investigação do comportamento auditivo em recém-nascidos e lactentes. Campinas, 1996. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual de Campinas.
11. Kara-José, N.; Carvalho, K.M.M.; Caldato, R.; Pereira, V.L.; Oliveira, A.M.N.D.; Fonseca Neto, J.C. Atendimento de amblíopes e prevalência na população pré-escolar, Campinas, São Paulo, Brasil. Bol Of Sanit Panamer, 97:31-37, 1984.
12. Carvalho, K.M.M. Visão subnormal: apresentação de um modelo de atendimento e caracterização das condições de diagnóstico e tratamento em um serviço universitário do Brasil. Campinas: 1993, Tese de Doutorado – Universidade Estadual de Campinas.
13. Nobre, M.I.R.S. Atendimento de estimulação em serviço de visão subnormal: características de usuários, opinião e conduta de mães. Campinas, 1996. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual de Campinas.

Downloads

Publicado

1998-09-30

Como Citar

Nobre, M. I. R., Gagliardo, H. G., Carvalho, K. M. de, Botega, M. B., & Sampaio, P. R. (1998). Múltipla Deficiência e Baixa Visão. Revista Neurociências, 6(3), 111–113. https://doi.org/10.34024/rnc.1998.v6.10327

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.