Conhecimento e Utilização da CIF por Docentes Fisioterapeutas na Cidade de Teresina - PI

  • Lohanne Nouara Lima Santos
  • Tassiane Maria Alves Pereira
  • Ana Wirielle da Silva Melo Universidade Estadual do Piaui
  • Thaynara de Albuquerque Vilarinho Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Deysiara Ferreira Lima Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Sendy da Silva Sousa Universidade Federal do Delta do Parnaíba
  • Sérgio Augusto Nader Damasceno UNIG
  • Marco Azizi Universidade Iguaçu
  • Adalgiza Mafra Moreno Universidade Iguaçu
  • Marco Orsini
  • Carlos Henrique Melo Reis Universidade Iguaçu
  • Janaína de Moraes Silva
  • Victor Hugo do Vale Bastos Laboratório de Mapeamento Cerebral e Funcionalidade
Palavras-chave: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, Fisioterapia Neurofuncional, Funcionalidade

Resumo

INTRODUÇÃO: Em 2001 foi aprovado a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde com uma visão biopsicossocial e linguagem padronizada sendo assim diferente das demais, ela tem como objetivo auxiliar desde a avaliação até o tratamento do paciente abordando os aspectos biopsicossociais e funcionais, sendo o fisioterapeuta o profissional mais relacionado com os aspectos cinéticos funcionais dos seres humanos. OBJETIVO: Avaliar o conhecimento e utilização da classificação internacional de funcionalidade incapacidade saúde pelos fisioterapeutas da cidade de Teresina-PI. METODOLOGIA: A amostra foi constituída por docentes Fisioterapeutas regulamentados e cadastrados no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional de Teresina e atuantes na área de fisioterapia neurofuncional; aplicou-se um questionário em que continha informações sobre o perfil dos fisioterapeutas, dos pacientes atendido pelos mesmos e sobre a classificação, foram analisados assuntos relacionados ao conhecimento, uso, aplicação e os seus benefícios em relação aos atendimentos nos campos de estágio. RESULTADOS: Observou-se que 90,32% conheciam a CIF, porém apenas 29,03% dos profissionais faziam uso desta classificação, no seu dia a dia, com a finalidade de classificar os pacientes. CONCLUSÃO: Diante dos resultados concluiu-se que os profissionais não fazem uso da classificação, pois apesar de conhecê-la, relatam ser sua aplicação bastante complexa, justificando escassa publicação na literatura, sobre o tema.

INTRODUÇÃO: Em 2001 foi aprovado a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde com uma visão biopsicossocial e linguagem padronizada sendo assim diferente das demais, ela tem como objetivo auxiliar desde a avaliação até o tratamento do paciente abordando os aspectos biopsicossociais e funcionais, sendo o fisioterapeuta o profissional mais relacionado com os aspectos cinéticos funcionais dos seres humanos. OBJETIVO: Avaliar o conhecimento e utilização da classificação internacional de funcionalidade incapacidade saúde pelos fisioterapeutas da cidade de Teresina-PI. METODOLOGIA: A amostra foi constituída por docentes Fisioterapeutas regulamentados e cadastrados no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional de Teresina e atuantes na área de fisioterapia neurofuncional; aplicou-se um questionário em que continha informações sobre o perfil dos fisioterapeutas, dos pacientes atendido pelos mesmos e sobre a classificação, foram analisados assuntos relacionados ao conhecimento, uso, aplicação e os seus benefícios em relação aos atendimentos nos campos de estágio. RESULTADOS: Observou-se que 90,32% conheciam a CIF, porém apenas 29,03% dos profissionais faziam uso desta classificação, no seu dia a dia, com a finalidade de classificar os pacientes. CONCLUSÃO: Diante dos resultados concluiu-se que os profissionais não fazem uso da classificação, pois apesar de conhecê-la, relatam ser sua aplicação bastante complexa, justificando escassa publicação na literatura, sobre o tema.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Organização Mundial da Saúde (Endereço na Internet). Constituição da Organização Mundial da Saúde. Documentos básicos, suplemento da 45ª edição, outubro de 2006. Disponível em espanhol em: http://www.who.int/governance/eb/who_constitution_sp.pdf

Milena DMJ, Ballard YLL. Utilização da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) por fisioterapeutas em uma cidade do Leste de Minas. Rev Ciências 2017;81:39-48. http://bibliotecadigital.unec.edu.br/ojs/index.php/revistadeciencias/article/viewFile/512/613

Pernambuco AP, Lana RC, Polese JC. Knowledge and use of the ICF in clinical practice by physiotherapists and occupational therapists of Minas Gerais. Fisioterap Pes 2018;25:134-42.

http://dx.doi.org/10.1590/1809-2950/16765225022018

Castaneda L. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) – um caminho para a Promoção da Saúde. Braz J Kinanthrop Hum Perform 2018;20:229-33. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2018v20n2p229

Piexak DR, Cezar-Vaz MR, Bonow CA. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: uma Análise de Conteúdo. Rev Fund Care Online 2019;11:363-9. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v11.6565

Toldrá RC, Nascimento CL. Estudo da aplicação dos componentes Atividade e Participação da Checklist da CIF em pessoas com Esclerose Múltipla e sua relação com os Core Sets. Cad Terap Ocup Ufscar 2016;24:723-32. http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0641

Andrade LEL, Oliveira NPD, Ruaro JA, Barbosa IR, Dantas DS. Avaliação do nível de conhecimento e aplicabilidade da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Saúde em Debate 2017;41:812-23. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711411

Júnior BHP, Maciel MESS, Bonfim WS, Barbosa MB, Pessoa JCS. Desenvolvimento de um software para suporte à avaliação fisioterápica baseado na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Com Inform Inovação Saúde 2018;11:1-12. http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v11i4.1196

Fleig TCM, Éboni MR, Froemming MB, Carvalho LL. Formação Fisioterapêutica Na Abordagem Integral Do Cuidado Em Saúde Com Base Na Funcionalidade Humana. Saúde em Redes 2017;3:425-37. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n1p50-62

Castro CC, Pinto CN, Almeida MA. Conhecimento e aplicação da classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde por Fisioterapeutas de Fortaleza. Fisioterap Saúde Func 2015;4:6-13. http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18562

Carrascosa AC, Ribeiro IL. Aplicação da classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde (CIF) em saúde do trabalhador. Rev Bras Multidis 2018;21:115-24. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2018.v21i2.523

Belmonte LM, Chiaradia LC, Belmonte LAO. CIF nos Cursos de Graduação de Fisioterapia da Grande Florianópolis. Rev CIF Brasil 2015;2:11-24. http://www.revistacifbrasil.com.br/ojs/index.php/CIFBrasil/article/view/12

Silva DR, Lerner R, Herzberg E. Complexidade na Abordagem da Deficiência Física: Discutindo Aspectos Pessoais, Orgânicos e Ambientais. Rev Subjetiv 2018;18:56-67. http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v18i1.7094

Pommerehn J, Delboni MCC, Fedosse E. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde e afasia: um estudo da participação social. CoDAS 2016;28:132-40. http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/201620150102

Biz MCP, Lima DP, Machado WF. Perspectivas da utilização da CIF na prática interdisciplinar. Rev Cient CIF Brasil 2017;7:2-11. http://www.revistacifbrasil.com.br/ojs/index.php/CIFBrasil/issue/viewFile/S%C3%89TIMA%20EDI%C3%87%C3%83O/14

Dornelas LF. Whodas 2.0: avaliação da incapacidade de indivíduos com história de acidente vascular cerebral. Braz J Health Rev 2019;2:42-7. http://www.brjd.com.br/index.php/BJHR/article/view/839

Pernambuco AP, Carvalho LR, Polese JC. Opinião de profissionais acerca da viabilidade do uso da CIF. Rev CIF Brasil 2015;2:25-33. http://www.revistacifbrasil.com.br/ojs/index.php/CIFBrasil/article/view/11

Alexandrino K, Dutra MB, Souza IN, Amorin J, Castaneda L. Utilização e Conhecimento da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) por Fisioterapeutas Brasileiros. Cad Edu Saúde Fisioterap 2018;5. http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/cadernos-educacao-saude-fisioter/article/view/2015

Ruaro JA, Souza DE, Frez AR, Gueraa RO. Panorama e perfil da utilização da CIF no Brasil: uma década de história. Rev Bras Fisioter 2012;16:454-62. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552012005000063

Publicado
2020-02-14
Como Citar
Santos, L. N. L., Pereira, T. M. A., Melo, A. W. da S., Vilarinho, T. de A., Lima, D. F., Sousa, S. da S., Damasceno, S. A. N., Azizi, M., Moreno, A. M., Orsini , M., Reis, C. H. M., Silva, J. de M., & Bastos, V. H. do V. (2020). Conhecimento e Utilização da CIF por Docentes Fisioterapeutas na Cidade de Teresina - PI. Revista Neurociências, 28, 1-14. https://doi.org/10.34024/rnc.2020.v28.10247
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 3 4 5 > >>