Petrarca e a 'imitatio' renascentista

  • Anna Maria Wasyl Departamento de Filologia clássica da Jagiellonian University, Cracow.
  • Cristiane Maria Rebello Nascimento Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Palavras-chave: Francesco Petrarca, imitatio antiquorum, imitação na poesia latina e neolatina, poética humanista, poesia latina italiana do renascimento

Resumo

Embora Petrarca quisesse se igualar a seus antigos predecessores em seus poemas latinos e tenha alcançado grande reconhecimento entre seus contemporâneos, a crítica literária tardia viu nesses escritos uma artificialidade linguística e uma erudição ostentatória. Os estudos atuais, contudo, enfatizam que este segmento particular das obras de Petrarca requer um olhar mais atento, do ponto de vista teorético e estético-literário, que foque especificamente na abordagem do autor em relação à questão da imitação, vendo na regra da imitatio antiquorum constitui o núcleo da sua reflexão meta-literária e historiosófica. Na poesia latina, Petrarca explora os modelos antigos canônicos, notavelmente Virgílio e Horácio. Porém, em seu opus magnum, Africa, o autor revela uma diversidade estilística e composicional: a Aeneid, de Virgílio, a épica imperial e tardo antiga, a prosa historiográfica e os comentários. A leitura e apropriação dos clássicos por Petrarca exclui, assim, uma imitação rígida de um único modelo, optando por uma inspiração de múltiplas fontes, em termo de conteúdo, composição e estilo.

 

Publicado
2019-10-21
Como Citar
Wasyl, A. M., & Nascimento, C. M. R. (2019). Petrarca e a ’imitatio’ renascentista. Revista Limiar, 6(11), 97-110. https://doi.org/10.34024/limiar.2019.v6.9916