Um altar para o deus desconhecido

  • Leda Tenório da Motta Pesquisadora do CNPq 1, Professora doutora no Programa de Comunicaçãoe Semiótica da PUC-SP
Palavras-chave: Olgária Matos; filosofia; literatura; Benjamin

Resumo

Perguntava-se Mallarmé, em "Os deuses antigos" se, acaso, algum espírito imbuído de preconceito acreditaria que as divindades já não têm mais lugar na terra. Contra tal prevenção respondia acenando com a poesia: a leitura das mais belas páginas das letras francesas mostra que nada morreu de tudo aquilo que foi um dia o culto espiritual da raça. O intento do presente artigo é destacar que a pergunta e a resposta do poeta estão no centro vivo da argumentação de Olgária Matos. Que, para ela, lendas fazem todo o sentido, aqui e agora, na situação moderna. Que a embriaguez com que se cumpre o trato do mundo antigo com o cosmos, antes que a ciência venha a desenfeitiçá-lo, a tem interessado muito mais que a denúncia do desencanto da ciência, nisso residindo sua marca interessante.

Referências

Obras de Olgária Matos
MATOS, Olgária. Rousseau - Uma arqueologia da desigualdade. São Paulo, MG: Editores Associados, 1978.

_____ . Os arcanos do inteiramente outro. A escola de Frankfurt. A melancolia e a revolução. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

_____ . Polifonia da razão. Filosofia e educação. São Paulo, Editora Scipione, 1997.

_____ . Vestígios. Escritos de filosofia e crítica social. São Paulo, Palas Atena, 1998.

_____ . “Babel e Pentecostes- Heterofilia e Hospitalidade”, In: Leda Tenório da Motta org. Céu Acima. Para um Tombeau de Haroldo de Campos, São Paulo, Perspectiva, 2003.
_____ .“Um surrealismo platônico”, In: Adauto Novaes (org). Poetas que pensaram o mundo, São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

_____ . Discretas esperanças. Reflexões filosóficas sobre o mundo contemporâneo. São Paulo: Nova Alexandria, 2006.

_____ . “Baudelaire: antíteses e revolução”, In: Álea Estudos Neolatinos, vl. 9, n. 1, janeiro-junho, 2007.

_____ . Adivinhas do tempo. Êxtase e revolução. São Paulo: Editora Hucitec, 2008.

_____ . “Ethos e amizade. A morada do homem”, In: Revista Ide, vl. 31, no. 46, 2008.

_____ . Benjaminianas.Cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

_____ . Gemas da terra. Imaginação, estética e hospitalidade. São Paulo: Edições SESC, 2010.

_____ . “Camus e o Mediterrâneo: do absurdo ao sol do meio dia”, In: Adauto Novaes org. Mutações. A invenção da crença, São Paulo, Edições SESC, 2011.

_____ . “Em busca da delicadeza perdida: da Belle Époque à estética da moeda”, In: Alexandre Bebiano de Almeida e Philippe Willemart (org.) Proust 2011. Encontro Internacional de Pesquisadores Proustianos. São Paulo: Humanitas, 2012.

_____ . “Derrida: da razão pura à razão marrana” in Psicologia USP, vol. 27 no. 3 São Paulo set/dez 2016.

_____ . “A biblioteca: o cosmopolitismo do espírito”, In: Olgária Matos, Denise Milan, Javier Amadeo (org.) Diálogo das civilizações. São Paulo: Editora Unifesp, 2017.


Outras referências

ADORNO, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Tradução de Guido de Almeida, Rio de Janeiro, Zahar, 1985.

BAUDELAIRE, Charles, “Espanquem-se os pobres”, In: O Spleen de Paris. Tradução de Leda Tenório da Motta. Rio de Janeiro, Imago, 1995.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única, Obras Escolhidas II. Tradução Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1987.

_____ . Passagens. Organização Willi Bole. Belo Horizonte: Editora da UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

_____ . Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas de Paulo Sergio Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

BORGES, Jorge Luis. “A biblioteca de Babel”, In: Obras Completas, vol. 1. Tradução de Flávio José Cardoso. São Paulo: Editora Globo, 1998.

KAFKA, Franz. “O canto das sereias”, In: Narrativas do espólio. Tradução e posfácio de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KRACAUER, Siegfried, Theory of film. The redemption of physical reality. New Jersey: Princeton University Press, 1997.

MALLARMÉ, Stéphane, Oeuvres Complètes. Édition établie et annotée par Henri Mondor et Jean Aubry. Paris: Gallimard-Pléiade, 1945.

NIETZSCHE, Friedrich, O nascimento da tragédia. Tradução, notas e posfácio de J. Guinsburg, São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

_____ . Crepúsculo dos ídolos. A filosofia a golpes de martelo. Tradução, notas e prefácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2006.

RIMBAUD, Arthur, Prosa poética. Tradução, prefácio e notas de Ivo Barrroso. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998.

SAID, Edward, BARENBOIM, Daniel. Paralelos e Paradoxos. Reflexões sobre música e sociedade. Tradução Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
Publicado
2019-09-23
Como Citar
Motta, L. T. da. (2019). Um altar para o deus desconhecido. Revista Limiar, 5(10), 25-36. https://doi.org/10.34024/limiar.2018.v5.9787