Filosofia seiscentista: a descoberta da subjetividade?

  • Marilena Chauí Professora emérita do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: subjetividade; racionalismo; idealismo alemão

Resumo

Que a filosofia do Século XVII afirma a autonomia da razão é inegável. Ao liberá-la da Revelação e dos dados imediatos da sensibilidade, afirma que o pensamento precisa e deve encontrar em si mesmo o caminho do verdadeiro, ou seja, instituir um método de investigação da verdade que assegure a marcha contínua e correta do pensar. No entanto, seguindo posição de Merleau-Ponty de que a subjetividade só é descoberta quando a consciência reflexiva se torna a forma canônica do Ser, não poderemos falar de filosofia da subjetividade para determinar o núcleo da filosofia do Século XVII. A descoberta do conceito de subjetividade é um feito do idealismo alemão, de Kant.

Referências

CHAUÍ, Marilena. A nervura do real. Imanência e liberdade em Espinosa. Volume I. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
ESPINOSA. Tratadoda reforma da inteligência. Tradução Lívio Teixeira. São Paulo: Editora Nacional, 1966.
FOUCAULT, Michel. Les mots et les choses. Paris: Gallimard, 1965.HEGEL. Ciencia de la lógica. Buenos Aires: Solar, 1968.
_____ . Lectures on the History of Philosophy. Londres: Routledge and Kegan Paul, 1968.
_____ . Encyclopédie des sciences philosophiques. La science de la logique. Prefácio à Segunda Edição. Paris: Vrin, 1972.
HEIDEGGER. “La época de la imagen del mundo”, Sendas Perdidas. Buenos Aires: Losada, 1960.
_____ . “La question de la vérité chez Platon”, Questions I,Paris: Gallimard, 1967.HUSSERL. Philosophie première Première partie. Paris: Presses Universitaires de France, 1970.
_____ . Meditações Cartesianas. Paris: Vrin, 1953.
LANDIM FILHO, Raul, “Do eu penso cartesiano ao eu kantiano”, Studia Kantiana, vol. 1, n.1. 1998.
LEBRUN, Gerard. “A ingenuidade de Descartes”, A Filosofia e sua história. São Paulo:Cosacnaify, 2006.
MERLEAU-PONTY. “Partout et nulle part”, Signes.Paris: Gallimard, 1960 [tradução. brasileira: São Paulo: Abril Cultural, 1972].
_____ .L'institution. La passivité. Notes de cours au Collège de France (1954-1955).Paris: Belin, 2003.
Publicado
2019-09-23
Como Citar
Chauí, M. (2019). Filosofia seiscentista: a descoberta da subjetividade?. Revista Limiar, 5(10), 3-24. https://doi.org/10.34024/limiar.2018.v5.9786