Bauhaus e a puravisualidade

  • Rodrigo Mendes de Souza Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Walter Gropius – Bauhaus – Puravisualidade – Pedagogia – Artesanato

Resumo

O presente artigo percorre a extensão que a teoria da puravisualidade (Sichtbarkeit) adquire nos programas e na prática pedagógica da Bauhaus, como também as tensões e as distensões desta teoria com a objetividade (Sachlichkeit), representada pela produção do arquiteto e teórico Gottfried Semper. Para tanto, as referências são os textos de Konrad Fiedler, Adolf von Hildebrand, Alois Riegl, expoentes desta primeira corrente estética de matriz neokantiana. Assim, estas obras são contrastadas com os escritos do fundador da Bauhaus, Walter Gropius, e a produção dos alunos da escola durante o curso preliminar – Vorkurs –, fundado por Johannes Itten e, depois, legado a Laszlo Moholy-Nagy e Josef Albers.

Referências

ARGAN, G. C. Walter Gropius e a Bauhaus. Tradução de Joana D’Avila Melo. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2005.

___________. A Arte Moderna na Europa. Tradução Lorenzo Mammí. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

DROSTE, M. Bauhaus 1919-1933. Berlim: Taschen,1991.

FIEDLER, K. Sobre el Origen de la Actividad Artística. in: Escritos Sobre Arte. Madrid: Visor. 1988.

__________. De la Essencia de la Arte. Buenos Aires: Nueva Visión,1958.

__________. L’attivita Artistica. Veneza: N. Pozza. 1963.

__________. On Judging Works on Visual Arts.Tradução de Henry Schaefer-Simmern e Fulmer Mood. Berkeley: Universidade da Califórnia,1957.

__________. Schriften zur Kunst II. Wilhelm Fink Verlag. Munique,1991.

FUSCO, R. Idéia de Arquitetura. São Paulo: Maritns Fontes, 1984.

GIEDION, S. Space, Time and Architecture. Cambridge: Harvard University Press, 1941.

GROPIUS, W. Manifest und Programm des Staatlichen Bauhauses in Weimar. Weimar,1919.

___________. The New Architecture and The Bauhaus. Londres: Faber and Faber,1935.

___________. Bauhaus Novarquitetura. Traduçnao José Guinsburg e Ingrid Dormien. São Paulo: Perspectiva, 1997.

___________. Conferências. São Paulo: GFAU, 1954.

___________. The Idea of The Bauhaus. Munique: Bauhaus Verlag,1923.

HILDEBRAND, A. El Problema de la Forma en la Obra de Arte. Madrid: Visor,1988.

KANT, I. Crítica da Faculdade do Juízo. Tradução Valério Rohden e António Marques. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2005.

___________. Crítica da Razão Pura. Tradução Valério Rohden e Udo Baldur Moosburgeur.São Paulo: Nova Cultural, 1996.

RIEGL, A. Arte Tardoromana. Turim: Giulio Einaudi, 1959.

_______. Problemas de Estilo. Barcelona Gustavo Gilli, 1980.

SEMPER, G. The four elements of Architecture and Other Writings. Tadução de Harry Francis Malgrave. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

WICK, R. Pedagogia da Bauhaus. Tradução de João Azenha Jr..São Paulo: Martins Fontes, 1989.

WÖLFFLIN, H. Conceitos Fundamentais da História da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Publicado
2019-11-26
Como Citar
de Souza, R. M. (2019). Bauhaus e a puravisualidade. Revista Limiar, 6(12), 156-195. https://doi.org/10.34024/limiar.2019.v6.9586