A experiência literária em O caminhão, de Marguerite Duras: questões sobre a cultura e a arte

  • Lara Rodrigues Silva Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Escrita – Experiência Literária – Desobramento – Cultura – Arte

Resumo

Segundo Maurice Blanchot, as conjunturas históricas influenciam os movimentos artísticos e acabam por lhes darem forma. O autor observa que a literatura (as artes em geral) caminha rumo ao seu desaparecimento. Segundo o escritor, o que verdadeiramente importa na arte é a experiência: o exercício de buscar a obra e, por esse meio, torná-la possível como uma paixão inútil fora da excelência de um poder e de um objeto de uso, numa contemplação que se basta, direcionada, unicamente, ao seu próprio fim. À vista disso, Marguerite Duras escreve, produz e dirige, em 1977, a obra, livro e filme (ou livro/filme) O caminhão, que atravessa a experiência noturna própria da arte, possibilitando, desse modo, pensar em questões pertinentes às relações entre a cultura e a arte.

Referências

ANDRADE, Paulo de. O cinema sem imagens. In.: Aletria, Revista de Estudos de Literatura, Belo Horizonte, n.8, dez. 2001. (Literatura e cinema). p. 109-115.

ARAÚJO, Cinara de. Biografia como método: a escrita da fuga em Maria Gabriela Llansol. 2008. 229f. Tese (Doutorado em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

BLANCHOT, Maurice. A escrita do desastre: fragmentos caídos de um texto ardente. Trad. João Rocha. In.: Revista Em Tese, v. 21, n. 2. Belo Horizonte: UFMG, Mai. – Ago./2015, p. 147, 151.

______. O espaço literário. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

______. O livro por vir. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

­­BRANCO, Lucia Castello. A Traição de Penélope. São Paulo: Annablume, 1994.

______. Chão de letras: as literatura e a experiência da escrita. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

BRANDÃO, Ruth Silviano. A vida escrita. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2011.

DURAS, Marguerite. Le Camion. Paris: Les Éditions de Minuit, 2017.

­­­______. Escrever. Trad. Rubens Figueiredo. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

______. Nathalie Granger suivi de La femme du Gange. Paris: Gallimard, 1993.

______. Os olhos verdes. Crônicas publicadas em Cahiers du Cinéma. Trad. Heloisa Jahn. Rio de Janeiro: O Globo, 1988.

______. O caminhão. Rio de Janeiro: Editora Record, 1977.

______. O caminhão. [Filme-vídeo]. Produção e direção de Marguerite Duras. França, 1977. DVD, 76 min. Vídeo.

DURAS, Marguerite, GAUTHIER, Xavière. Boas falas: Conversas sem compromissos. Rio de Janeiro: Editora Record, 1974.

GREENAWAY, Peter. Cinema: 105 anos de texto ilustrado. In.: O cinema encilopédico de Peter Greenaway. São Paulo: Unimarco editora, 2004, p. 11-16.

LLANSOL, Gabriela. Um beijo dado mais tarde. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

LOPES, Silvina Rodrigues. Literatura, defesa do atrito. In.: A literatura como experiência. Belo Horizonte, Chão da Feira, 2012. p. 137-39.

MOISÉS, Leyla Perrone-. A criação do texto literário. In: Flores da Escrivaninha. Companhia das Letras, 2016. p. 100-110.

Publicado
2019-11-25
Como Citar
Silva, L. R. (2019). A experiência literária em O caminhão, de Marguerite Duras: questões sobre a cultura e a arte. Revista Limiar, 6(12), 196-218. https://doi.org/10.34024/limiar.2019.v6.9562