Olgária Matos: uma filosofia da philia em tempos de exceção

  • Michel Amary Mestrando em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).
Palavras-chave: Olgária Matos, Benjamin, Estado de Exceção, Philia, Modernidade

Resumo

Esse ensaio se propõe a apresentar o conceito de “estado de exceção” em Walter Benjamin tal como interpretado por Olgária Matos. Em primeiro lugar, apresentamos Olgária como historiadora da filosofia captando Benjamin em aproximações com seu tempo. Depois, recorremos para sua análise a respeito do estado de exceção como história natural a partir da compreensão da técnica e da racionalidade moderna. Em seguida, passamos para o estado de exceção na Alemanha, vislumbrando com ela a contradição entre o teológico e o político nas repúblicas modernas e na própria noção de modernidade. Por fim, apresentamos Olgária como filósofa a partir do conceito de philia, mediante o qual procura secularizar a modernidade para conceber o histórico.

Referências

ADORNO, Theodor. Caracterización de Walter Benjamin. In: Prismas. Barcelona: Ariel,1962.
AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.
_________. Homo Sacer: poder soberano e vida nua. Belo Horizonte: UFMG, 2010.
ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.
AUERBACH, Erich; BENJAMIN, Walter. Correspondência 1935-1937. Buenos Aires: Godot Ediciones, 2015.
BENJAMIN, Walter. As armas do futuro. In: Capitalismo como religião e outros textos. São Paulo: Boitempo, 2014.
_________. Capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2014.
_________. Experiência e pobreza. In: Documento de cultura, documento de barbárie. São Paulo: Cultrix, 1986.
_________. Gesammelte Schriften. Bände I-VII. Frankfurt, Suhrkamp, 1974-1989.
_________. Origem do drama trágico alemão. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
_________. Para o planetário. In Rua de mão única. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
_________. Sobre o conceito de história. São Paulo: Boitempo, 2005.
CARDOSO, Irene. A Universidade da comunhão paulista: o projeto de criação da Universidade de São Paulo. São Paulo: Editora Autores Associados/Cortez, 1982.
CARNEIRO, Silvio. Olgária Matos, uma biografia comentada. In. Revoluções. São Paulo: Sesc, 2011.
COETZEE, John Maxwell. As maravilhas de Walter Benjamin. In; Revista Novos Estudos CEBRAP. São Paulo nº70, novembro de 2004, pp. 99-113.
FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.
MATOS, Olgária. C.F. Benjaminianas: cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: Unesp, 2010.
_________. Da dor do pensar. Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 de agosto de 2012. Caderno Aliás, p.155.
_________. Ethos e a amizade: a morada do homem. In Revista Ide. psicanálise e cultura. vol.31, no.46 São Paulo, 2008, p.75.
_________. Modernidade: república em estado de exceção. In. REVISTA USP, São Paulo, n.59, setembro/novembro 2003, p.51.
_________. Os arcanos do inteiramente outro: a Escola de Frankfurt, a melancolia, a revolução. São Paulo: Brasiliense, 1984.
_________. O iluminismo visionário: W. Benjamin, leitor de Descartes e Kant. São Paulo: Brasiliense, 1993.
_________. Paris, 1968: as barricadas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1981.
MERLEAU-PONTY, Maurice. Notas sobre Maquiavel, In Signos. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
SALINAS FORTES, Luiz Roberto. Retrato Calado. São Paulo: Cosac Naify, 2012.
TIEDEMANN, Rolf; SCHWEPPENHÄUSER, Hermann. O fracasso da dissertação. In: BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
WITTE, Bernd, Walter Benjamin: uma biografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
Publicado
2018-12-20
Como Citar
Amary, M. (2018). Olgária Matos: uma filosofia da philia em tempos de exceção. Revista Limiar, 5(10), 225-244. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/limiar/article/view/9501