Figuras benjaminianas no fluxo e contrafluxo da história do poder: do sacrifício à sonolência prandial

  • Tereza de Castro Callado Pós-doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), Professora da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
Palavras-chave: Poder, Flâneur, Caráter destrutivo, Monarca do século XVII, Contrafluxo

Resumo

Equiparar as figuras benjaminianas entre si, apontando nelas o fluxo e o contrafluxo da história da civilização, investigada por Benjamin, durante o estudo filológico do Trauerspiel – dramaturgia luterana alemã do século XVII – quando e onde ele descobre, na representação da corte barroca, a noção de uma facies hipocrática da história e, ao mesmo tempo, a face de Janus do monarca absolutista que se projeta, como pós-história, na Modernidade.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.
BENJAMIN, Walter. Ursprung des deutschen Trauerspiels. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1993.
______. Origem do drama barroco alemão. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.
______. Magia e Técnica, Arte e Política. Obras Escolhidas I, Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.
______. Rua de mão única. Obras Escolhidas II, Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1987.
______. Escritos sobre mito e linguagem. São Paulo: Editora 34, 2011.
______. Charles Baudelaire Um lírico no auge do capitalismo. Obras Escolhidas III, Tradução de José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.
______. Illuminationen Ausgewählte Schriften, (ausgewählt von Siegfried Unseld). Frankfurt am Main: Suhrkamp Taschenbuch, 1999.
______. Passagens. Tradução de Irene Aron, Cleonice Paes e Patrícia de Freitas. Belo Horizonte: Humanitas, 2006.
CALLADO, Tereza de Castro. Walter Benjamin – A Experiência da Origem. Fortaleza: Eduece, 2006.
______. “O comportamento ex-officio do estadista na teoria da soberania em Origem do drama barroco alemão”. In: Ética e Metafísica, Coleção Argentum Nostrum, Fortaleza: Eduece, 2007, pp 109-140.
HEIL, Susanne, “Gefährliche Beziehungen”. Walter Benjamin und Carl Schmitt. Stuttgart: Metzler, 1996.
KANTOROWICZ, Ernst, Os dois corpos do rei – Um estudo sobre teologia política medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
LENHARO, Alcir. Nazismo “O triunfo da vontade”. São Paulo: Ática, 2006.
MENDES DE ALMEIDA, Ângela. A República de Weimar e a ascensão do Nazismo. São Paulo: Brasiliense, 1990.
MOLDER, Maria Filomena, Semear na Neve. Lisboa: Relógio D`Água Editores, 1999.
______. “Um enigma apolíneo em Walter Benjamin: o carácter destrutivo” In:_Telhados de Vidro, Publicação não periódica, N. 4, Lisboa: AVERNO, 2005.
MONTAIGNE, Michel de, Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1987-88.
OPITZ, Michael; WIZISLA, Erdmut. Benjamins Begriffe. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 2000.
REIJEN, Willem; VAN, und ;BOLZ, Norbert. Walter Benjamin. Frankfurt/Main, New York: Campus Verlag, 1991.
WITTE, Bernd. Walter BENJAMIN uma biografia, Tradução de Romero Freitas. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2017.
Publicado
2018-12-20
Como Citar
Callado, T. de C. (2018). Figuras benjaminianas no fluxo e contrafluxo da história do poder: do sacrifício à sonolência prandial. Revista Limiar, 5(10), 183-201. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/limiar/article/view/9498