Derivas parisienses em negativo: revelações de um espaço-tempo perdido reencontrado

  • Aléxia Bretas Professora doutora adjunta da Universidade Federal do ABC.
Palavras-chave: Walter Benjamin, Fotografia, Surrealismo, Aura, Reprodução

Resumo

Chamada por Walter Benjamin de capital do século XIX, a cidade de Paris é retratada por Eugène Atget (1857-1927) como uma metrópole em constante movimento construída sobre as ruínas da antiga Lutécia. A missão do fotógrafo é precisamente registrar os vestígios da Velha Paris fadada a desaparecer sob os auspícios da reforma urbana capitaneada pelo barão Haussmann. Segundo Benjamin, suas fotografias prenunciam o surrealismo, já que tornam possível a exploração das energias revolucionárias que transparecem no antiquado, nos objetos abandonados pela moda, nas profissões tornadas obsoletas e/ou nos becos e vielas tortuosas que fazem de seus enquadramentos o cenário perfeito de um crime. Na condição de último refúgio da aura, seus retratos marcam o período mesmo em que o valor de culto começa a ser superado pelo valor de exibição, o que confere aos dias atuais o desafio de ler suas imagens – a um só tempo, mágicas e técnicas – como o próprio epitáfio de uma época.

Referências

ADAM, Hans Christian (org). Paris: Eugène Atget. Colônia: Taschen, 2008.
BAUDELAIRE, Charles. “Salão de 1859”, in: LICHTENSTEIN, Jacqueline (org). O mito da pintura. São Paulo: Ed. 34, 1999.
BRETAS, Aléxia. Fantasmagorias da modernidade: ensaios benjaminianos. São Paulo: Ed. UNIFESP, 2017.
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas – Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura, Volume 1. Trad.: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1986.
_______. Passagens. Tradução do alemão: Irene Aron. Tradução do francês: Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
DALÍ, Salvador. La vita secreta de Salvador Dalí. Barcelona: Dasa Edicions, 2001.
FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Annablume, 2011.
FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. Trad.: Salma Tannus Muchail. São Paulo: n-1, 2013.
HARVEY, David. Paris, capital da modernidade. Trad.: Magda Lopes. São Paulo: Boitempo, 2015.
PINHEIRO MACHADO, Francisco. Imagem e consciência da história: pensamento figurativo em Walter Benjamin. São Paulo: Loyola, 2013.
MACHADO, Carlos Eduardo J. e VEDDA, Miguel (orgs). Experiência história e imagens dialéticas. São Paulo: Ed. UNESP, 2015.
MATOS, Olgária. Benjaminianas: cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: Ed. UNESP, 2010.
_______. Discretas esperanças: reflexões filosóficas sobre o mundo contemporâneo. São Paulo: Nova Alexandria, 2006.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. “O fecundo poder da reprodução como arte de testemunhar”. Disponível em: https://www.goethe.de/ins/br/pt/kul/sup/art/esy/21341891.html. Acesso em: 30/10/2018.
Publicado
2018-12-20
Como Citar
Bretas, A. (2018). Derivas parisienses em negativo: revelações de um espaço-tempo perdido reencontrado. Revista Limiar, 5(10), 150-165. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/limiar/article/view/9496