O Nietzsche aristofanesco de O nascimento da tragédia

  • Wander de Paula Professor Adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
Palavras-chave: Nietzsche, Aristófanes, Tragédia Grega, Sócrates, Socratismo

Resumo

O presente artigo analisa aspectos essenciais da influência exercida pela leitura de Aristófanes, especialmente as obras As rãs e As nuvens, na elaboração de O nascimento da tragédia, primeira obra publicada por Friedrich Nietzsche. A partir disso, pretende-se demarcar em que medida Nietzsche adota a postura crítica do comediógrafo grego na sua interpretação dos antigos, especialmente Eurípides e Sócrates, e em que medida o filósofo traz novos elementos para a sua abordagem, tornando-a original não apenas em relação ao autor grego em questão, mas também aos seus contemporâneos.

Referências

ARISTÓFANES. As nuvens. Tradução de Mario da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

______________. As nuvens. Tradução de Gilda Maria Reale Starzynsky. São Paulo: Abril Cultural, 1972.

______________. As rãs. Tradução de Mario da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BOLZANI FILHO, Roberto. Imagens de Sócrates. Kléos: Revista de Filosofia Antiga, Rio de Janeiro, n. 18, p. 11-31, 2014.

CAMPIONI, Giuliano; et. all. (Hrsg.) Nietzsches persönliche Bibliothek. Berlin / New York: Walter de Gruyter, 2003.

DE PAULA, Wander Andrade. O(s) Sócrates de Nietzsche: uma leitura d’O nascimento da tragédia. Dissertação de Mestrado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2009.

DORION, Louis-André. Compreender Sócrates. Tradução de Lúcia M. Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

JANZ, Curt Paul. Friedrich Nietzsche. Biographie.München/Wien, Alemanha/Áustria: Carl Hanser Verlag, 1978.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão et. al. Campinas: UNICAMP, 2003.

LÓPEZ, Héctor Julio Pérez. Hacia el Nacimiento de la Tragedia: un ensayo sobre la metafísica del artista en el joven Nietzsche.Res Publica, 2001.

MACHADO, Roberto (org). Nietzsche e a polêmica sobre O nascimento da tragédia. Tradução de Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. A visão dionisíaca de mundo, e outros textos de juventude. Tradução de Marcos Sinésio Pereira Fernandes e Maria Cristina dos Santos de Souza. São Paulo, Martins Fontes, 2005.

___________________. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe (KSA: 15 vols.).

Hrsg. von G. Colli und M. Montinari. Berlin/New York: de Gruyter, 1988.

___________________. Sämtliche Briefe. Kritische Studienausgabe (KSB: 08 vols.).

Hrsg. von G. Colli und M. Montinari. Berlin/New York: de Gruyter, 1986.

___________________. Introdução à tragédia de Sófocles. Tradução de Ernani Chaves. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

___________________. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo.

Tradução de Jacó Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

REIBNITZ, Barbara von. Ein Kommentar zu Friedrich Nietzsche “Die Geburt der Tragödie aus dem Geiste der Musik” (Kapitel 1-12). Stuttgart, Alemanha: J. B. Meltzer, 1992.

REIS, Ronney Alano Pinto dos. O lugar de Eurípides na primeira estética de Nietzsche: tensões e ambiguidades na recepção da tragédia grega. Dissertação de Mestrado. Belém: Universidade Federal do Pará, 2017.

WAGNER, Richard. A arte e a revolução. Tradução de José M. Justo. Lisboa, Portugal: Edições Antígona, 2000.

________________. Beethoven. Tradução de Anna Hartmann Cavalcanti. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Publicado
2019-06-17
Como Citar
de Paula, W. (2019). O Nietzsche aristofanesco de O nascimento da tragédia. Revista Limiar, 4(8), 4-23. https://doi.org/10.34024/limiar.2017.v4.9481