Esperança e Resignação

Interpretação de uma sentença de O caso Wagner, de Nietzsche

  • Márcio Benchimol Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Wagner, Nietzsche, Schopenhauer, música, revolução

Resumo

Esse trabalho é uma tentativa de interpretar uma afirmação feita por Nietzsche em seu livro O caso Wagner, na qual ele sugere que Schopenhauer, como o filósofo da décadence, revelou Wagner, como o artista da décadence, a si mesmo. A tentativa passa por uma comparação entre dois momentos do pensamento de Wagner sobre a música, e, em particular, sobre sua própria música. O primeiro momento é representado por seu texto A arte e a revolução, de 1849, enquanto que o segundo é representado por seu Festschrift Beethoven, de 1871.

Referências

NIETZSCHE, F., Kritische Studienausgabe (KSA), Berlin, de Gruyter, 1980.

___________, O nascimento da Tragédia, São Paulo, Cia das Letras, 1999, trad. de Jacó Guinsburg.
__________, Sobre a utilidade e desvantagem da História para a vida, São Paulo, Hedra, 2017, trad. de André Itaparica.
__________, O Caso Wagner, São Paulo, Cia das Letras, trad. de Paulo César souza 1999
SCHILLER, A educação estética do homem numa série de cartas, São Paulo, ed. Iluminuras, 2002, tradução de Roberto Schwarz e Márcio Suzuki,
WAGNER, R., Sämtliche Schriften und Dichtungen, Leipzig: Breitkopf & Härtel, 1911.
__________, Beethoven, Rio de Janeiro, Zahar, 2010, trad. de Anna Hartmann Cavalcanti,
Publicado
2020-10-08
Como Citar
Benchimol, M. (2020). Esperança e Resignação. Revista Limiar, 7(13), 89-107. https://doi.org/10.34024/limiar.2020.v7.10928