O papel de Beethoven no pensamento estético-musical decorrente da relação Nietzsche-Wagner

  • Micael Rosa Silva Aplicação-UEL
Palavras-chave: Beethoven, Cultura, Nietzsche, Filosofia da música, Richard Wagner

Resumo

Nenhum filósofo pensou a música de forma tão intensa e profusa como Nietzsche. Interpretar as diferentes formas de manifestação musical na história, assim como desvendar os seus significados mais secretos, foi a estratégia encontrada para avaliar os movimentos da cultura ocidental. Nesta empreita, o contato com as obras de Beethoven e Richard Wagner foram decisivos. Não há exagero em afirmar que toda filosofia nietzschiana é marcada pela presença de Wagner, primeiro na forma de uma forte influência, depois como objeto de severa crítica. Entretanto, para uma ampla compreensão dos frutos filosóficos decorrentes da relação Nietzsche-Wagner é fundamental situar o papel que Beethoven nela desempenha. Pensando nisso, o objetivo do presente trabalho é apresentar diferentes abordagens de Nietzsche sobre a música beethoveniana, destacando que tais abordagens seguem as mesmas acepções feitas sobre a obra de Wagner.

 

Referências

BAUDELAIRE. Richard Wagner e Tannhäuser em Paris. Trad. Plínio Augusto Coelho. São Paulo: Primeira linha, 1999.
CAZNOK, Yara Borges; NETO, Alfredo Naffah. Ouvir Wagner, ecos nietzschianos. São Paulo: Musa Editora, 2000.
DIAS, Rosa Maria. Nietzsche e a Música. São Paulo: Discurso editorial, 2005.
MILLINGTON, Barry (org.). Wagner: um compêndio. Trad. SAMPAIO, Luiz Paulo; ALVES, Eduardo Francisco. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.
NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
________. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
________. A Visão dionisíaca do mundo e outros textos de juventude. Trad. Marcos Sinesio Pereira Fernandes, Marica Cristina dos Santos Souza. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
________. Ecce homo: Como alguém se torna o que é. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
________. Escritos sobre Educação (Sobre o futuro dos nossos estabelecimentos de ensino / III Consideração Intempestiva – Schopenhauer como Educador). Trad. Noéli Correia de Melo Sobrinho, 2ª Ed. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2004
________. Fragmentos póstumos. (4 volumes) Edición española dirigida por Diego Sánchez Meca Trad. Juan Luis Vermal e Joan B. Llinares. Madrid: Tecnos, 2006-2010.
________. Genealogia da moral: uma Polêmica. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2008.
________. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
________. Humano, demasiado humano II. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo, Companhia das Letras: 2008.
________. O Caso Wagner: Um problema para Músicos & Nietzsche contra Wagner: Dossiê de um Psicólogo. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras 1999.
________. O Nascimento da tragédia. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras 1992.
________. Richard Wagner em Bayreuth. Trad. Anna Hartmann Cavalcanti. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.
________. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe. (15 volume) Org. Giorgio Colli e Mazzimo Montinari. Gruyter & Co.: Berlin; New Yorke, 1967-77.
SCHOPENHAUER, Arthur. O Mundo como vontade e representação. Trad. M. F. Sá Correia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.
WAGNER, Richard. Beethoven. Trad. Anna Hartmann Cavalcanti. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
__________. My life, Vol I. New York: Dodd, Mead and Company, 1911.
__________. Opera and drama. Trad. William Ashton Ellis. Lincoln: University of Nebraska, 1995.
Publicado
2020-10-09
Como Citar
Rosa Silva, M. (2020). O papel de Beethoven no pensamento estético-musical decorrente da relação Nietzsche-Wagner. Revista Limiar, 7(13), 108-143. https://doi.org/10.34024/limiar.2020.v7.10850