Beethoven para Adorno: ideal envelhecido ou "envelhecimento" ideal

  • Bruna Batalhão UNICAMP
Palavras-chave: Beethoven, Adorno, Essência dialética, estilo tardio, nova música

Resumo

Em sua crítica, na década de 1950, à música serialista, o filósofo Theodor Adorno evoca Beethoven como o ideal de uma música dinâmica de essência dialética. Quando apontada a limitação da estética adorniana para a compreensão da arte que lhe era contemporânea, é justamente o ideal beethoveniano vinculado à tradição musical austro-germânica que se tem em vista, como se esse houvesse envelhecido. A análise de Adorno da transformação desse ideal no Beethoven tardio poderia apontar para formas de construção de qualidade não dinâmica sem, contudo, serem tomadas simplesmente como regressivas, em uma concepção de estilo tardio não envelhecido.

Referências

Adorno, Theodor. “Alienated Masterpiece: The Missa Solemnis”. In: R. Leppert (edt.). Essays on Music. Trad. de Susan H. Gillespie. Berkeley: University of California Press, 2002.
_____________. “Arnold Schoenberg (1847-1951). In: Prismas: Critica cultural e sociedade. Trad. A. Wernet; J. de Almeida. São Paulo: Ática, 1998 [1953].
_____________. “Appendix III – Text 9: Beethoven’s Late Style”. In: R. Tiedemann (ed.) Beethoven – The philosophy of music. Trad. de Edmund Jephcott. Cambridge: Polity Press, 2007, e-book.
_____________. Beethoven – The Philosophy of Music (edt. Rolf Tiedemann). Trad. de Edmund Jephcott. Cambridge: Polity Press, 2007, e-book.
_____________. Filosofia da Nova Música. Trad. de Magda França. São Paulo: Editora Perspectiva, 2011 [1949].
_____________. “Late Style in Beethoven”. In: R. Leppert (edt.). Essays on Music. Trad. de Susan H. Gillespie. Berkeley: University of California Press, 2002.
_____________. “Mediação”. In: Introdução à sociologia da música. Trad. Fernando R. de Moraes Barros. São Paulo: Editora Unesp, 2017.
_____________. “On Some Relationships between Music and Painting”. Trad. de Susan Gillespie. 79 (1) (Spring 1995 [1965]), pp. 66-79.
_____________. “Stravinsky – uma imagem dialética”. In: Quasi una fantasia. Trad. de Eduardo Socha. São Paulo: Editora Unesp, 2018 [1962].
_____________. “The Aging of the New Music”. Trad. de Robert Hullot-Kentor. Telos 77 (Fall 1988) [1955], pp. 95-116.
_____________. Três estudos sobre Hegel. Trad. de Ulisses Razzante Vaccari. São Paulo: Editora Unesp, 2013
_____________. “Vers une musique informelle”. In: Quasi una fantasia. Trad. de Eduardo Socha. São Paulo: Editora Unesp, 2018 [1961].
Almeida, Jorge. Crítica dialética em Theodor W. Adorno: Música e Verdade nos anos 20. Cotia, Sp: Ateliê Editorial, 2007.
Bürger, Peter. “Adorno’s anti-avant-gardism”. Telos 86, (Winter 1990/91), pp. 49-60.
Jay, Martin. As ideias de Adorno. Trad. A. U. Sobral. São Paulo: Cultrix, 1995.
Paddison, Max. Adorno’s aesthetic of music. New York: Cambridge University Press, 1993.
Safatle, Vladimir. “Sublime por Atrofia”. In: Adauto Novaes (org.). Mutações – O silêncio e a prosa do mundo. São Paulo: Edições Sesc, 2014.
Said, Edward. Estilo Tardio. Trad. de Samuel Titan Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, e-book.
Sample, Colin. “Adorno on the Musical Language of Beethoven – A review by Colin Sample”. The Musical Quartely 78 (2), 1994, pp. 378-394.
Socha, Eduardo. Tempo Musical em Theodor Adorno. São Paulo: USP. Tese (Doutorado em Filosofia), São Paulo, 2011.
Subotnik, Rose. “Adorno’s Diagnosis of Beethoven’s Late Style: Early Symptom of a Fatal Condition”. Journal of the American Musicological Society 29 (2) (Summer, 1976), pp. 242-275.
Swinkin, Jeffrey. “Style Dialectic: Problematizing Adorno’s Theory of Beethoven” 30 (3), 2013, pp. 287-329.
Wisnik, José Miguel. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das letras, 1989.
Publicado
2020-10-09
Como Citar
Batalhão, B. (2020). Beethoven para Adorno: ideal envelhecido ou "envelhecimento" ideal. Revista Limiar, 7(13), 66-88. https://doi.org/10.34024/limiar.2020.v7.10705