Beethoven na filosofia da arte hegeliana

  • Reginaldo Rodrigues Raposo Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Hegel. Beethoven. Dahlhaus. Filosofia da música. Estética musical clássica e romântica.

Resumo

O artigo tece considerações sobre a relação filosófico-musical de Hegel com as transformações promovidas pela contribuição de Beethoven, através dos documentos históricos que compõem o que se toma pela Estética hegeliana. A partir das observações feitas pelo musicólogo alemão do século XX, Carl Dahlhaus, acerca desta mesma articulação, buscamos identificar e analisar a leitura que enxerga na crítica hegeliana à música de seu tempo sutilezas que apontam para além da percepção de uma mera “indisposição” de tendência classicista por parte do filósofo. Demonstramos ainda como essas observações conduzem a sentidos que, por sua vez, reafirmam o lugar específico da música enquanto arte particular e a característica de seu movimento no todo da Estética e da filosofia hegeliana.

Referências

ADORNO, T. Hegel: Three Studies. Tradução de Shierry Weber Nicholson, Cambridge, Massachussets.: MIT Press, 1993.
BATTEUX, C. As belas artes reduzidas a um mesmo princípio. Tradução de Natalia Maruyama. São Paulo: Humanitas, 2009.
DAHLHAUS, C. Estética musical. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2003
____. Klassische und romantische Musikästhetik. Laaber: Laaber-Verlag, 1988.
ESPIÑA, Y. La razón musical en Hegel. Navarra: EUNSA, 1996.
FUBINI, E. “Beethoven tra Kant e Hegel”. In.: Die Klage des Ideellen. Beethoven e la filosofia hegeliana. Trieste: EUT, 2018.
GOETHE, J. W. Escritos sobre arte. Tradução de Marco Aurélio WerSão Paulo: Humanitas, 2008.
____. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Tradução de Nicolino Simone Neto. São Paulo: Editora 34, 2006.
____. Sämtliche Werke. Briefe, Tagebücher und Gespräche (1828-1832). Volume 11 (38). Frankfurt am Main: Deutscher Klassiker Verlag, 1993.
GOETHE, J. W.; ZELTER, C. F. Letter from Goethe to Zelter with extracts of those from Zelter to Goethe. Seleção, tradução e anotações de A. D. Coleridge. Londres: George Bell and sons, 1892.
HANSLICK, E. Do belo musical: um contributo para a revisão da estética da arte dos sons. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2002.
HEGEL, G. W. F. Vorlesungen über Ästhetik III. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1993.
____. Cursos de estética. Tradução de Marco Aurélio Werle e Oliver Tolle. v. 3. São Paulo: Edusp, 2014.
____. Enzyklopädie der philosophischen Wissenschaften III. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2003.
____. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio. v. 3. Tradução de Paulo Menezes. São Paulo: Loyola, 2011.
____. Fenomenologia do espírito. Tradução de Paulo Meneses. São Paulo: Vozes, 2014.
____. Philosophie der Kunst. Vorlesung von 1826. Edição de Annemarie Gehtmann-Siefert, Jeong-Im Kwon und Karsten Berr. Frankfurt-am-Main: Suhrkamp, 2005.
____. Princípios da filosofia do direito. Tradução de Orlando Vitorino. São Paulo: Martins Fontes, 2009.
____. Vorlesungen: ausgewählte Nachschriften und Manuskripte Band 2. Edição de Annemarie Gethmann-Siefert. Hamburg: Felix Meiner, 1998.
____. Vorlesungen über die Philosophie der Kunst. Edição de Niklas Hebing. Cadernos dos cursos de 1820-21 e 1823. Hamburg: Felix Meiner, 2015.
____. Vorlesungen zur Ästhetik: Vorlesungsmitschrift Adolf Heimann (1828/29). Edição de Alain Patrick Olivier e Annemarie Gethmann-Siefert. Munique: Wilhelm Fink, 2017.
____. Werke (20 volumes). Frankfurt am Main: Suhrkamp.
HOFFMANN, E. T. A. Hoffmann’s musical writings. Cambridge: CUP, 2004.
KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de A. Marques e V. Rohden. São Paulo: Forense Universitária, 1993.
LOESSER, Arthur. Men, women and pianos: a social history. New York: Simon and Schuster, 1954.
OLIVIER, J. P. Das Musikkapitel aus Hegels Ästhetikvorlesung von 1826. In.: Hegel-Studien, caderno 33. Hamburg: Felix Meiner, 1998.
PAETZOLD, H. Hegels Philosophie der Musik. In.: Ästhetik des deutschen Idealismus. Zur Idee ästhetischer Rationalität bei Baumgarten, Kant, Schelling, Hegel und Schopenhauer. Wiesbaden: Franz Steiner Verlag, 1983.
ROUSSEAU, J. J. Dictionnaire de musique. Paris: chez la veuve Duchesne libraire, 1775.
SCHELLING, F. W. J. Filosofia da arte. Tradução e notas de Márcio Susuki. São Paulo: Edusp, 2010.
SCHMALFELDT, J. In the process of becoming: analytic and philosophical perspectives on form in early nineteeth-century music. Nova York: OUP, 2011.
VIDEIRA JR, M. R. A linguagem do inefável: música e autonomia estética no romantismo alemão. Tese de doutorado defendida no ano de 2009 na Universidade de São Paulo.
Publicado
2020-10-09
Como Citar
Rodrigues Raposo, R. (2020). Beethoven na filosofia da arte hegeliana. Revista Limiar, 7(13), 144-162. https://doi.org/10.34024/limiar.2020.v7.10668