Espaços Livres em Áreas Urbanas

  • Gislaine Cristina Villela Araujo Garcia Prefeitura de Guarulhos – Secretaria do Meio Ambiente
  • Gisele Nepomuceno Ferreira Universidade de Taubaté – UNITAU

Resumo

Resumo: As cidades no Brasil estão com acentuada urbanização, e uma das consequências do crescimento não planejado é o impacto negativo na qualidade de vida de seus moradores. Nesse contexto florescem as discussões sobre a relação do homem com a natureza onde espaços livres como parques, praças e até mesmo as ruas podem proporcionar melhor qualidade de vida, além de contribuírem para a caracterização dos lugares onde as pessoas querem viver, trabalhar e visitar. O planejamento de políticas para o espaço aberto tem como fundamentos a inclusão social, a coesão da comunidade, saúde e bem-estar. Este artigo registra uma pesquisa exploratória, tem como objetivo apresentar questões relacionadas aos espaços livres em áreas urbanizada, por meio de pesquisa bibliográfica e documental e consulta a sítios oficiais. Os resultados encontrados mostram ainda um descompasso entre a prática - pulverização e a desarticulação de órgãos responsáveis por praças e parques e ausência de espaços livres públicos devidamente qualificados que possam atender de fato as demandas sociais dentro de uma visão do todo urbano e o previsto no “Estatuto da Cidade” que existe desde 2001. Observou-se que a precária manutenção dos espaços livres públicos urbanos ocorre de forma generalizada, mas é acentuada em muitas cidades nos bairros mais pobres. Autores mostram exemplos de ações para promover a mudança através de boas práticas e partilha de conhecimentos em um ambiente seguro e agradável. Um destes, o projeto bairros verde destaca a importância dos espaços livres para os residentes de habitação social, propondo melhorar projetos, sua gestão e a utilização segura, estabelecendo algumas ações para alcançar seus objetivos. Destaca-se também a parceria entre estado e cidadãos para auxiliar na conservação de áreas livres. Conclui-se que devido à necessidade do contato do homem com a natureza os espaços livres urbanos devem ser ampliados em número e qualidade contribuindo para proporcionar bem-estar e melhoria na saúde do homem urbano.

 

Palavras-chave: Planejamento urbano, Qualidade de vida na cidade; Espaços livres; Cidadania; Gestão municipal.

 

Abstract: Cities in Brazil have a marked urbanization, and one of the consequences of unplanned growth is the negative impact on the quality of life of its residents. In this context, discussions about the relationship between man and nature where free spaces such as parks, squares and even the streets can provide a better quality of life, and contribute to the characteristics of places where people want to live, work and visit. Policy planning for open space is based on social inclusion, community cohesion, health and well-being. This article records an exploratory research, aiming to present issues related to free spaces in urbanized areas, through bibliographical and documentary research and consultation to official sites. The results show a mismatch between practice - spraying and disarticulation of bodies responsible for squares and parks and the absence of public spaces properly qualified that can actually meet the social demands within a vision of the urban whole, and the situation predicted in the "Statute of the City "that has existed since 2001. It has been observed that the precarious maintenance of urban public spaces is widespread, but it is accentuated in many cities in the poorest neighborhoods. Authors show examples of actions to promote change through good practice and knowledge sharing in a safe and enjoyable environment. One of these, the green neighborhoods highlights the importance of free spaces for residents of social housing, proposing to improve projects, their management and safe use, establishing some actions to reach their goals. Also worthy of note is the partnership between state and citizens to assist in the conservation of free areas. It was concluded that due to the necessity of man's contact with nature, urban spaces should be expanded in number and quality in order to contribute to the well-being of the citizens and improvement of urban man's health.

 

Keywords: Urban Planning, Quality of life in the City; Free Spaces; Citizenship; Municipal Management.

Referências

ALVES, P.T.R. (2005). Áreas livres em conjuntos habitacionais na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado), Universidade de São Paulo - USP/SP, São Paulo.

ARAUJO, G.C.V. (2013). Espaços livres e coletivos em condomínios habitacionais verticalizados: o centro de Guarulhos - SP. 212 p. Dissertação (Mestrado), Universidade de Capinas, Unicamp, Campinas, SP.

CABE - Commission for Architecture and the Built Environment (n. d.). The building for life questions. Arquivo on-line. Recuperado em 14 janeiro de 2015, de http://www.cabe.org.uk/publications.

CABE (n.d.). Open space strategies: Best practice guidance (2009). 13/maio. Arquivo on-line. Recuperado em 14 janeiro de 2015, de http://www.cabe.org.uk/publications/open-space-strategies.

CABE (2006). Decent homes need decent spaces: An action plan to improve open spaces in social housing áreas (n. d.). Arquivo on-line. Recuperado em 14 janeiro de 2015, de http://www.communityplanning.net/pub-film/pdf/DecentHomesNeedDecentSpaces.pdf.

CUSTÓDIO, V.; MACEDO, S.S.; et al. (2009). Os sistemas de espaços livres da cidade contemporânea brasileira e a esfera de vida pública: considerações preliminares. In: Encúentro de Geógrafos de América Latina, 12º., Montevideo. Anais... do XII EGAL, 3-7 abril. Montevideo: Universidad de la República, 2009.

GIL, A.C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas.

MACEDO, S.S. (1987). Higienópolis e Arredores: processo de mutação de paisagem urbana. São Paulo: Pini Editora da Universidade de São Paulo.


MACEDO, S.S. (1991). O processo de verticalização e a paisagem da cidade (1991). Revista Sinopse, São Paulo, 15, 68-76.

MACEDO, S.S. (1995). Espaços livres. Paisagem ambiente, São Paulo, 7, 15-56.

MACEDO, S.S. (1997). Paisagem, lotes e tecidos urbanos. Paisagem ambiente, São Paulo, 10, 13-50.

MACEDO, S.S. (1998). Paisagem, modelos urbanísticos e as áreas habitacionais de primeira e segunda residência. Paisagem ambiente, São Paulo, 11, 131-202.

MACEDO, S.S. (2001). Produção da paisagem urbana contemporânea brasileira no final do século 20. Paisagem ambiente, São Paulo, 14, 143-170.

MACEDO, S.S. et al. (2009). Oficinas de trabalho como instrumento de pesquisa e aprendizado. Paisagem ambiente, São Paulo, 26, 165 - 196.

MACEDO, S.S. et al. (2011). Sistema de espaços livres privados, o outro lado dos sistemas de espaços livres urbanos. In: Campos, A.; Queiroga, E.; Galender, F.; Degreas, H.; Akamine, R.; Macedo, S.; Custódio, V. (Org.). Sistemas de espaços livres: conceitos, conflitos e paisagens. 1ed. São Paulo: FAUUSP, p. 33-53.

MAGNOLI, M.M. (2006). O parque no desenho urbano. Paisagem ambiente, São Paulo, 21, p. 199-212. (2008). Em busca de outros espaços livres de edificação. Paisagem ambiente, São Paulo, 21, 141-173.

MENDONÇA, E.M.S. (2007). Apropriações do espaço público: alguns conceitos. Estud. pesqui. psicol., UERJ, Rio de Janeiro, 7(2), 296-306, ago. 2007. Recuperado em 20 junho de 2015, de http://www.revispsi.uerj.br/v7n2/artigos/pdf/v7n2a13.pdf

MONTEIRO, E.Z. (2007). Verdes-dentro e verdes-fora: visões prospectivas para espaços abertos urbanos privados e públicos em área habitacional de interesse social. Tese (Doutorado) Universidade de Campinas – Unicamp, Campinas/SP.

NBR-14724 (2011): Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos - Apresentação. Rio de Janeiro.

QUEIROGA, E.F. et al. (2011) Espaços livres públicos nas cidades brasileiras. Revista Geográfica de América Central, Número Especial EGAL, 1-31. Recuperado em 6 novembro de 2015, de http://revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/viewFile/2201/209.

SAUAIA, A. C. A. (1996) Monografia Racional. Anais... 1 o . SEMEAD – Seminários em Administração. Volume 01, Setembro, p. 276-294. PPGA/FEA/USP/SP

SILVA, S.T. (2003). Políticas Públicas e Estratégias de Sustentabilidade Urbana. Hiléia, Manaus (on line). 1(1), 121-137, 2003. Recuperado em 20 junho de 2015, de http://www3.esmpu.gov.br/linhaeditorial/outras-publicacoes/serie-grandes-eventos-meioambiente/Solange_Teles_Politicas_publicas_e_sustentabilidade.pdf
Publicado
2018-11-01
Como Citar
Garcia, G. C. V. A., & Ferreira, G. N. (2018). Espaços Livres em Áreas Urbanas. Revista Internacional De Debates Da Administração & Pública - RIDAP, 3(1), 73-87. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/RIDAP/article/view/1291