O Orçamento Participativo de Porto Alegre (RS) Como Política de Governo: Uma Reflexão Acerca de Suas Mudanças e Continuidades

  • GIANLUCCA VERGIAN DALENOGARE Universidade de São Paulo - USP (Brasil)
  • PABLO OLLER MONT SERRATH Universidade de São Paulo - USP (Brasil).

Resumo

O presente trabalho trata da experiência do Orçamento Participativo de Porto Alegre (RS), sua permanência e suas transformações, buscando compreender sua relação com as mudanças de gestão ocorridas no município. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório, a partir de pesquisas na base de dados SciELO e no portal de buscas Google Acadêmico. Das 1041 publicações disponibilizadas por essas fontes, foram selecionadas 14 para análise. Os resultados permitiram apreender repercussões na literatura relativas aos fatores relativos às mudanças e continuidades do Orçamento Participativo de Porto Alegre em relação a sua baixa institucionalização. Concluiu-se que a política analisada possui forte resiliência decorrente de sua legitimidade popular, mas é, ao mesmo tempo, vulnerável às mudanças de conjuntura política e na atitude da gestão municipal.

Palavras-chave: Orçamento Participativo; Instituições Participativas; Porto Alegre.

Biografia do Autor

GIANLUCCA VERGIAN DALENOGARE, Universidade de São Paulo - USP (Brasil)

Graduação em Psicologia pela Universidade de São Paulo - USP (Brasil). Membro do Núcleo de Ações em Saúde do Trabalhador - NAST (Brasil)

PABLO OLLER MONT SERRATH, Universidade de São Paulo - USP (Brasil).

Doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo - USP (Brasil).
Pesquisador da Biblioteca Nacional e da Cátedra Jayme Cortesão - Universidade de São Paulo - USP (Brasil).

Publicado
2019-12-02
Como Citar
DALENOGARE, G. V., & SERRATH, P. O. M. (2019). O Orçamento Participativo de Porto Alegre (RS) Como Política de Governo: Uma Reflexão Acerca de Suas Mudanças e Continuidades. Revista Internacional De Debates Da Administração & Públicas - RIDAP, 4(1), 74-98. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/RIDAP/article/view/11364