Lesões em músicos: quando a dor supera a arte

Autores

  • Thaís Branquinho Oliveira Fragelli Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia Neurofuncional, Mestre em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, Universidade de Brasília.
  • Gustavo Azevedo Carvalho Fisioterapeuta, Doutor em Ciências da Saúde, Docente da Universidade Católica de Brasília, Fisioterapeuta da Câmara dos Deputados.
  • Diana Lúcia Moura Pinho Enfermeira, Doutora em Psicologia, Docente do Programa de Pós- Graduação em Ciências da Saúde da Universidade de Brasília.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8621

Palavras-chave:

Distonia, Transtornos Traumáticos Cumulativos, Doenças Ocupacionais

Resumo

A performance musical é uma atividade de alta habilidade neuromuscular que requer velocidade, precisão e resistência podendo ocasionar uma variedade de problemas médicos. O objetivo deste trabalho é apresentar as patologias, através de uma revisão bibliográfica, que podem afetar a classe profissional dos músicos. É possível concluir através dos estudos demonstrados neste trabalho que a intensa atividade exercida pelo músico pode levar este profissional a desenvolver lesões que comprometem significativamente a atividade profissional do artista. Estas lesões podem ser causadas por diversos fatores que, na literatura são  grupados
em três categorias: as afecções músculo-esqueléticas, as síndromes compressivas dos nervos periféricos e as distonias focais.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira JRG. DORT/LER (Causas e Conseqüências). In: Oliveira JRG. A Prática da Ginástica Laboral. Rio de Janeiro: Sprint, 2003, pp. 13-30.

Zaza C. Playing-related musculoskeletal disorders in musicians: a systematic review of incidence and prevalence. CMAJ 1998;158(8):1019-25.

Costa CP. Quando tocar dói: Análise ergonômica do trabalho de violistas de orquestra. Brasília (Dissertação). Brasília: Universidade de Brasília, 2003, 134p.

Tubiana R. Functional Disorders in Musicians. Eur Orthop Bul Effort 2000;13:9-12.

Finkel N. Neurologia das artes performáticas. Rio de Janeiro: Oficina do Livro, 1996, 212p.

Andrade EQ , Fonseca JGM. Artista-atleta: reflexões sobre a utilização do corpo na performance dos instrumentos de cordas. Per Mus 2000;2:118-28.

Brito AC, Orso MB, Gomes E, Mühlen CAV. Lesões por esforços repetitivos e outros acometimentos reumáticos em músicos profissionais. Rev Bras Reumatol 1992;32(2):79-83.

Fonseca, JGM. Freqüência dos problemas neuromusculares ocupacionais de pianistas e sua relação com a técnica pianística - uma leitura transdisciplinar da medicina do músico (Tese). Belo Horizonte: Universidade

Federal de Minas Gerais, 2007,174p.

Costa C, Abrahão J. Músico: profissão de risco? Anais do 7º Congresso Latino-Americano de Ergonomia, 11º Congresso Brasileiro de Ergonomia 2002;1:20-35.

Tubiana R. The surgeon and the hand of the musician. Hand Sci Tod 1991;1:44-55.

Zaza C, Charles C, Muszynski A. The Meaning Of Playing-Related Musculoskeletal Disorders to Classical Musicians. Soc Sci Med 1998;47(12):2013-23.

Trelha CS, Carvalho RP, Franco SS, Nakaoski T, Broza TP, Fábio TL, et al. Arte e Saúde: Frequência de Sintomas Músculo-Esqueléticos em Músicos da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina. Sem Ciênc Biol Saúde 2004;25:65-72.

Kaneko Y, Lianza S, Dawson WJ. Pain as an Incapacitating Factor in Symphony Orchestra Musicians in São Paulo, Brazil. Med Probl Perf Art 2005;20(4):168-74.

Frank A, Mühlen CA. Queixas musculoesqueléticas em músicos: prevalência e fatores de risco. Rev Bras Reumatol 2007;47(3):188-96.

Póvoas MBC, Figueiredo CF, Amaral GF. O espaço para o estudo do movimento e da música brasileira na formação do instrumentista. Anais do 12o Encontro Anual da Abem, 1º Colóquio do Nem 2003;1:18.

Moura RCR, Fontes SV, Fukujima MM. Doenças Ocupacionais em Músicos: uma Abordagem Fisioterapêutica. Rev Neurocienc 2000;8(3):103-7.

Norris R. The musician’s survival manual: a guide to preventing and treating injuries in instrumentalists. Saint Louis: MMB Music, 1997, 134p.

Manchester, RA. Toward Better Prevention of Injuries Among Performing Artists. Med Probl Perf Art 2006;21(1):1-2.

Lederman RJ. Muscle Pain Syndromes In Performing Artists: Medical Evaluation Of The Performer With Pain. In: Spintge R, Droh R (Eds). Music Medicine. 2nd ed. St. Louis: MMB Music ICN, 1996, pp. 298-303.

Gonik R. Afecções neurológicas ocupacionais dos músicos. Rev Bras Neurol 1991;27(1-4):9-91.

Kisner C, Colby LA. Exercícios Terapêuticos. São Paulo: Manole, 2004, 864p.

Egri D. LER (DORT). Rev Bras Reumatol 1999;39(2):98-106.

Whiting WC, Zernicke RF. Biomecânica da Lesão Músculo esquelética. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, 272p.

Nicolleti S, Couto H. Lesões por Sobrecarga Funcional dos Membros Superiores: Aspectos da Fisiopatologia. In: Couto H, Nicoletti SJ, Lech O. Como Gerenciar a Questão das LER/ DORT. Belo Horizonte: Ergo, 1998, pp. 113-20.

Lech O, Hoefel MG, Severo A. Visão geral das lesões de membros superiores, especialmente as ligadas a sobrecarga funcional. In: Couto H, Nicoletti SJ, Lech O. Como Gerenciar a Questão das LER/ DORT. Belo Horizonte: Ergo, 1998, pp. 123-54.

Logue EJ, Bluhm S, Johnson MC, Mazer R, Halle JS, Greathouse DG. Median and Ulnar Neuropathies in University Cellists. Med Probl Perf Art 2005;20(2):70-6.

Limongi JCP. Distonias: conceitos, classificação e fisiopatologia. Arq Neuropsiquiatr 1996;54(1):136-46.

Fahn S, Bressman SB, Brin MF. Distonia. In: Rowland LP. Merrit tratado de neurologia. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, pp. 557-62.

Melo-Souza SE. Doenças do sistema nervoso. In: Porto CC. Semiologia Médica. 3a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, pp. 984-1062.

Lisle R, Speedy DB, Thompson JMD, Maurice DG. Effects of Pianism Retraining on Three Pianists with Focal Dystonia. Med Probl Perf Art 2006;21(3):105-11.

Seth L, Pullman SL, Hristova AH. Musician’s dystonia. Neurology 2005;64:186-7.

Edwards S. Tônus e movimentos anormais como conseqüência do dano neurológico: considerações para a realização do tratamento. In: Edwards S. Fisioterapia neurológica uma abordagem centrada na resolução

de problemas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999, pp. 85-8.

Cambier J, Masson M, Dehen H. Semiologia da motilidade. In: Cambier J, Masson M, Dehen H. Manual de neurologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 1999, 538p.

Rosset-Llobet J, Candia V, Fàbregas S, Ray W, Pascual-Leone A. Secondary motor disturbances in 101 patients with musician’s dystonia. J Neurol Neurosurg Psychiatr 2007;78:949-53.

Pujol J, Roset-Llobet J, Rosine’s-Cubells D, Deus J, Narberhaus B, Valls-Sole J, et al. Brain Cortical Activation During Guitar-Induced Hand Dystonia Studied by Functional MRI. Neuroimage 2000;12(3):257-67.

Chesky KS, Dawson WJ, Manchester R. Health Promotion in Schools of Music: Initial Recommendations for Schools of Music. Med Probl Perf Art 2006;21(3):142-4.

Harper BS. Workplace and Health: A Survey of Classical Orchestral Musicians in the United Kingdom and Germany. Med Probl Perf Art 2002;17(2):83-92.

Costa CP, Abrahão JI. Quando o tocar dói: um olhar ergonômico sobre o fazer musical. Per Musi 2004;10:60-79.

Downloads

Publicado

2008-12-31

Como Citar

Fragelli, T. B. O., Carvalho, G. A., & Pinho, D. L. M. (2008). Lesões em músicos: quando a dor supera a arte. Revista Neurociências, 16(4), 303–309. https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8621

Edição

Seção

Revisão de Literatura

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.