Características das afasias no Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Maligno

Autores

  • Raíssa Caroline Sales Costa
  • Yoná Silva Rabelo UFMG
  • Naiany Nascimento da Silva Figueiredo
  • Romeu Vale Sant ́Anna
  • Aline Mansueto Mourão

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.15216

Palavras-chave:

AVC Isquêmico, Afasia, Craniectomia Descompressiva, Fonoaudiologia, Neurologia, Disfagia

Resumo

Objetivo. Investigar os fatores clínico-neurológicos e a afasia em pacientes com AVCi maligno no hemisfério cerebral esquerdo, submetidos ou não a craniectomia descompressiva durante a internação hospitalar. Método. Estudo descritivo, retrospectivo, com base em análise de prontuário, de uma série de casos, de pacientes internados na Unidade de Acidente Vascular Cerebral (U-AVC), do Hospital Risoleta Tolentino Neves (HRTN), no período de janeiro de 2019 a dezembro de 2021. Os critérios de inclusão foram pacientes acima de 18 anos, de ambos os sexos, que receberam o diagnóstico de AVCi maligno pela Neurologia, e que passaram pela avaliação Fonoaudiológica, onde verificou-se a descrição das características da afasia dos pacientes, com foco nas sintomatologias linguísticas apresentadas, seguido pela intervenção fonoaudiológica na unidade. Resultados. Cinco pacientes foram selecionados e classificados com quadros afásicos não fluentes, porém com gravidades e características diferentes. Três dos participantes realizaram craniectomia descompressiva e todos os cinco participantes apresentaram quadro de disfagia. O tempo, em média, para início da abordagem dos aspectos de linguagem foram 10 dias, e os cinco pacientes apresentaram melhora da linguagem à alta hospitalar. Conclusão. Os pacientes apresentaram quadros afásicos não fluentes com melhora linguística após intervenção Fonoaudiológica, sendo a compreensão e a presença de expressões orais, as principais características evolutivas observadas entre os participantes.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santana MT, Chun RY. Linguagem e funcionalidade de adultos pós-Acidente Vascular Encefálico (AVE): avaliação baseada na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Codas 2017;29:e20150284. https://doi.org/10.1590/2317-1782/20172015284

Arruda JS, Reis FP, Fonseca V. Avaliação da linguagem após acidente vascular cerebral em adultos no estado de Sergipe. Rev Cefac 2014;16:853-62. http://doi.org/10.1590/1982-021620142613

Couto PB, Neves VD, Barreto SD. Frequência de afasia e perfil de usuários em hospital público municipal de referência. Audiol Comm Res 2020;25:e2288. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2020-2288

Verly YO, Barreto SD. Adesão ao tratamento fonoaudiológico por pessoas com afasia encaminhadas após alta hospitalar: estudo de dois casos. Audiol Comm Res 2020;25:e2289. https://doi.org/10.1590/2317-6431-2020-2289

Guimarães CS. Craniectomia de descompressão no AVC. Uma série de casos. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universidade do Porto. 2019; 68p. https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/121376/2/343947.pdf

Nobre MC, Monteiro M, Albuquerque AC, Veloso AT, Mendes VA, Silveira MF, et al. Craniectomia descompressiva para tratamento de hipertensão intracraniana secundária a infarto encefálico isquêmico extenso: análise de 34 casos. Arq Neuropsiquiatr 2007;65:107-13. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2007000100022

Júnior MA, Fernandes CM, Naves ÉA, Costa GA. Craniotomia descompressiva: análise crítica baseada em relatos de caso. Arq Bras Neurocirur Braz Neurosurg 2013;32:250-4. https://doi,org/10.1055/s-0038-1626024

Sousa CDD, Jacinto ABG, Silva VC. Desfechos funcionais após craniectomia descompressiva secundária à acidente vascular encefálico. Fisioter Bras 2020;21:39. https://doi.org/10.33233/fb.v21i1.3260

Sampaio GR, Moreira E. Caracterização dos distúrbios comunicativos em indivíduos pós AVCI por meio da aplicação adaptada da bateria MAC. Dist Com 201619;28:452-61. https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/26751/20851

Benson DF. Aphasia and the Lateralization of Language. Cortex 1986;22:71-86. https://doi.org/10.1016/S0010-9452(86)80033-8

Vieira AC, Roazzi A, Queiroga BM, Asfora R, Valença MM. Afasias e áreas cerebrais: argumentos prós e contras à perspectiva localizacionista. Psicol Refl Crít 2011;24:588-96. https://doi.org/10.1590/S0102-79722011000300020

Dronkers N, Ogar J. Brain areas involved i speech production. Brain 2004;127:1461-2. https://doi.org/10.1093/brain/awh233

Guanci MM. Management of the Patient with Malignant Hemispheric Stroke. Crit Care Nurs Clin North Am 2020;32:51-66. https://doi.org/10.1016/j.cnc.2019.11.003

Adams HP, Davis PH, Leira EC, Chang KC, Bendixen BH, Clarke WR, et al. Baseline NIH Stroke Scale score strongly predicts outcome after stroke: a report of the Trial of Org 10172 in Acute Stroke Treatment (TOAST). Neurology 1999;53:126. https://doi.org/10.1212/WNL.53.1.126

Rubiera AB, Plasencia LMM, Martínez YA. Disfagia en paciente con enfermedad cerebrovascular. Actualización. Medisur 2009;7:36-44. http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1727-897X2009000100007&lng=es

Hongo T, Yamamoto R, Liu K, Yaguchi T, Dote H, Saito R, et al. Association between timing of speech and language therapy initiation and outcomes among post-extubation dysphagia patients: a multicenter retrospective cohort study. Critical Care 2022;26:98. https://doi.org/10.1186/s13054-022-03974-6

Andrade JS, Souza WWOJ, Paranhos LR, Domenis DR, César CPHAR. Efeitos da Terapia da Fala em Pacientes Internados com Disfagia Pós-Acidente Cerebrovascular: Revisão Sistemática de Estudos Observacionais. Acta Med Port 2017;30:870-81. https://doi.org/10.20344/amp.9183

Jacques A, Cardoso MC. Acidente Vascular Cerebral e sequelas fonoaudiológicas: atuação em área hospitalar. Rev Neurocienc 2011;19:229-36. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8371

Rosendo BV, Gonçalves LF, Mituuti CT, Haas P. Fatores associados à disfagia em pacientes com AVC: uma revisão sistemática. Rev Neurocienc 2021;29:1-24. https://doi.org/10.34024/rnc.2021.v29.11940

Goulart BN, Almeida CP, Silva MW, Oenning NS, Lagni VB. Caracterização de acidente vascular cerebral com enfoque em distúrbios da comunicação oral em pacientes de um hospital regional. Audiol Comm Res 2016;21:e1603. http://doi.org/10.1590/2317-6431-2015-1603

Glize B, Villain M, Richert L, Vellay M, Gabory I, Mazaux JM, et al. Language features in the acute phase of poststroke severe aphasia could predict the outcome. Eur J Phys Rehabil Med 2017;53:249-55. https://doi.org/10.23736/S1973-9087.16.04255-6

Kastrau F, Wolter M, Huber W, Block F. Recovery from aphasia after hemicraniectomy for infarction of the speech-dominant hemisphere. Stroke 2005;36:825-9. https://doi.org/10.1161/01.STR.0000157595.93115.70

Wijdicks EF, Sheth KN, Carter BS, Greer DM, Kasner SE, Kimberly WT, et al. American Heart Association Stroke Council. Recommendations for the management of cerebral and cerebellar infarction with swelling: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke 2014;45:1222-38. https://doi.org/10.1161/01.str.0000441965.15164.d6

Downloads

Publicado

2023-10-25

Como Citar

Sales Costa , R. C. ., Silva Rabelo, Y., Nascimento da Silva Figueiredo, N. ., Vale Sant ́Anna R. ., & Mansueto Mourão, A. . (2023). Características das afasias no Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Maligno. Revista Neurociências, 31, 1–21. https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.15216

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2023-06-19
Aceito: 2023-09-21
Publicado: 2023-10-25

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.