Caracterização das infecções primárias de corrente sanguínea em um hospital público de ensino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14968

Palavras-chave:

Infecção hospitalar, Serviço de controle de infecção hospitalar, Vigilância em Saúde, Educação continuada

Resumo

Objetivo. Caracterizar as Infecções Primárias de Corrente Sanguínea (IPCS) em um hospital universitário do interior do Paraná. Método. Trata-se de estudo documental, longitudinal, retrospectivo e quantitativo, realizado através da análise dos registros das notificações das Infecções Primárias de Corrente Sanguínea ocorridas entre janeiro e dezembro de 2020. Resultados. Identificou-se 452 (100%) Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS), das quais 117 (26%) eram relativas à corrente sanguínea. A ocorrência foi maior em pacientes do sexo masculino (60%), internados na pediatria (23%) e neurologia (21%). A faixa etária com menor frequência de infecção foi de 20 e 40 anos. Detectou-se 20 tipos de microrganismos nas hemoculturas, sendo Staphylococcus spp. (44%) e o Acinetobacter baumannii (15%) os mais frequentes. 43% dos microrganismos apresentaram resistência a algum tipo de antimicrobiano. Conclusão. A identificação do perfil das IPCS possibilita instituir medidas baseadas em evidências, entretanto, no estudo observamos que apesar das medidas estabelecidas pelo SCIH ainda existe uma lacuna entre as recomendações para controle de IRAS e a prática assistencial. Reconhece-se que quando os serviços de saúde e suas equipes estão cientes da magnitude do problema e aderem as medidas preconizadas é possível minimizar consideravelmente o impacto das IRAS. À vista disso, salienta-se a importância de realizar estudos sobre essa problemática. Nessa perspectiva, a educação continuada tem papel relevante na sensibilização dos profissionais para adoção de práticas assistenciais seguras. Como limitação do estudo, apesar de o referido serviço realizar busca ativa rigorosa dos casos de IRAS, reconhecemos a possibilidade de substantificação de casos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Miranda VB, Campos ACV, Vieira ABR. Infecções relacionadas à assistência à saúde nos hospitais de Belém, Pará, Brasil. Rev Saúde Ciênc 2020;9:53-63. https://doi.org/10.35572/rsc.v9i2.426

Araújo CLFP, Cavalcante EFO. Prevenção da infecção primária da corrente sanguínea. Rev Enferm UFPE 2019;13:743-51. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i03a235099p743-742-2019

Tauffer J, Carmello SKM, Berticelli M, Zack BT, Kassim MJN, Alves DCI, et al. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em um hospital público de ensino. Rev Epidemiol Controle Infec 2019;9:248-53. https://doi.org/10.17058/reci.v9i3.12976

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Critérios diagnósticos de infecção relacionada à assistência à saúde. Brasília: ANVISA; 2017. http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2019/06/Crit%C3%A9rios-Diagnosticos-IRAS-vers%C3%A3o-2017.pdf

Damasco BM. Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea e a construção de um Guia de Boas Práticas (Dissertação). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2017. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/185433/PGCF0083-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y

Danski MTR, Pedrolo E, Boostel R, Wiens A, Felix JVC. Custos da infecção relacionada a cateter venoso central em adultos: revisão integrativa. Rev Baiana Enferm 2017;31:e22079. http://doi.org/10.18471/rbe.v31i3.18394

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Programa Nacional de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (PNPCIRAS) 2021 a 2025. Brasília: ANVISA; 2021. https://www.gov.br/anvisa/pt-br/centraisdeconteudo/publicacoes/servicosdesaude/publicacoes/pnpciras_2021_2025.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.616, de 12 de maio de 1998. Dispõe sobre diretrizes e normas para a prevenção e o controle das infecções hospitalares (internet). Brasília: Diário Oficial União, 1998 (acessado 15/05/2021). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt2616_12_05_1998.html

Pinto DS, Silva BAA, Koeppe GBO, Pereira LS, Teixeira PC, Cerqueira LCN. Descrição clínica e sociodemográfica de pacientes internados em uma unidade de pacientes graves. Revista Nursing 2019;22:3431-5. http://doi.org/10.36489/nursing.2019v22i259p3431-3435

Silva LS, Leite CA, Simões MRL, Azevedo DSS. Perfil das infecções relacionadas à assistência à saúde em um centro de terapia intensiva de Minas Gerais. Rev Epidemiol Controle Infec 2020;9:2238-3360. http://doi.org/10.17058/.v9i4.12370

Ciello G, Araújo MC. Perfil epidemiológico do Acinetobacter baumanni resistente a carbapenes num hospital do interior mineiro. Rev Fam Ciclos Vida Saúde Cont Soc 2016;4:2-9. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=497950400005

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA. Manual de prevenção de Infecção relacionada à saúde. Brasília: ANVISA; 2013. http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/li vros/Livro4-MedidasPrevencaoIRASaude.pdf

Ferreira LL, Azevedo LMN, Salvador PTCO, Morais SHM, Paiva RM, Santos VEP. Cuidado de enfermagem nas infecções relacionadas à assistência à saúde: Scoping review. Rev Bras Enferm 2019;72:498-505. http://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0418

Barros MMA, Pereira ED, Cardoso FN, Silva RA. O enfermeiro na prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde. Universitas Cienc Saúde 2016;14:15-21. https://doi.org/10.5102/ucs.v14i1.3411

Downloads

Publicado

2023-06-22

Como Citar

Faruch, S. B. ., Bogo, P. C. ., Campos, T. A., Matos, F. G. de O. A. ., & Alves, D. C. I. (2023). Caracterização das infecções primárias de corrente sanguínea em um hospital público de ensino. Revista Neurociências, 31, 1–15. https://doi.org/10.34024/rnc.2023.v31.14968

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido: 2023-03-30
Aceito: 2023-06-07
Publicado: 2023-06-22

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.