Power in Ptolemaic Egypt: a magical-religious approach to legitimacy

  • Julio Gralha

Resumo

Special issue in honour to Professor Pedro Paulo Abreu Funari

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Julio Gralha
Professor Adjunto de História Antiga, Medieval da UFF Polo Universitário de Campo dos Goytacazes/ Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional (ESR), Pós-doutorando (2011) em História na área de Usos do Passado (apropriação do Mundo Antigo na Arquitetura e na Iconografia de monumentos públicos e cemitérios como forma de legitimação do poder) Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Gama Filho (1988), graduação em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1993), mestrado em História Social pela Universidade Federal Fluminense (2000) trabalhando na área de História Antiga - Egiptologia. Doutorado em História Cultural pela UNICAMP (2009) pesquisando o Egito greco-romano se utilizando da Arqueologia e da Arquitetura como base para a pesquisa. Professor colaborador do Núcleo de Estudos da Antiguidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (NEA-UERJ). Coordenador do curso de História da UFF - Campos dos Goytacazes desde 03/2013. Coordenador do Núcleo de Estudos em História Medieval, Antiga e Arqueologia Transdisciplinar (NEHMAAT-UFF). Editor da Revista Mundo Antigo. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Antiga, História Medieval e História do Rio de Janeiro, atuando principalmente nas seguintes áreas: Egito antigo, Egiptologia, Egiptosofia, Egiptomania, Egito Ptolomaico e Romano, História Antiga, Arqueologia Cognitiva, religião, poder, legitmidade, iconografia, práticas culturais na Antiguidade e no Rio de Janeiro. Usos do Passado na Modernidade e no Contemporâneo
Publicado
2018-03-24
Como Citar
Gralha, J. (2018). Power in Ptolemaic Egypt: a magical-religious approach to legitimacy. Heródoto: Revista Do Grupo De Estudos E Pesquisas Sobre a Antiguidade Clássica E Suas Conexões Afro-asiáticas, 3(1), 100-118. https://doi.org/10.31669/herodoto.v3i1.342