Arqueologia histórica na Magna Grécia: de uma perspectiva americana à colonização grega no sul da Itália

  • Airton Pollini Université de Haute-Alsace
Palavras-chave: Pós-colonialismo, Arqueologia histórica, Palmares, Presidio San Francisco na Califórnia, Magna Grécia, Síbaris, Amendolara.

Resumo

A abordagem da Arqueologia histórica foi forjada para o estudo da sociedade americana após a conquista europeia das terras coloniais no novo mundo. Interessada na comparação entre cultura material e registros escritos, opôs-se à Prehistória e à Antropologia e aos métodos de pesquisa dessas disciplinas. Sua principal proposta é usar todos os dados disponíveis, materiais e escritos, independentemente, sem qualquer hierarquia, mas em estreita comparação. Como tal, esta perspectiva estuda a arqueologia dos indivíduos “sem história”, como indígenas, escravos, mulheres, ou mesmo as diásporas africanas na América, em antagonismo com o colonizador masculino e branco. Proposta a partir de um contexto pós-colonial explícito, esta abordagem pode dar um importante contributo para o estudo de outras sociedades antigas para as quais as interpretações se baseiam em discussões entre restos arqueológicos e textos, como as comunidades coloniais gregas na Magna Grécia.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Airton Pollini, Université de Haute-Alsace

Maître de conférences d’histoire grecque à l’université de Haute Alsace, Mulhouse


Domaines de recherche

Histoire et archéologie du monde grec archaïque et classique.

Colonisation grecque archaïque ; organisation du territoire d’une cité grecque ; problèmes de la frontière ; questions d’appartenance et d’identité (ethnique et sociale) ; histoire économique ; historiographie.

 
Publicado
2018-03-23
Como Citar
Pollini, A. (2018). Arqueologia histórica na Magna Grécia: de uma perspectiva americana à colonização grega no sul da Itália. Heródoto: Revista Do Grupo De Estudos E Pesquisas Sobre a Antiguidade Clássica E Suas Conexões Afro-asiáticas, 2(2), 252-274. https://doi.org/10.31669/herodoto.v2i2.280