Prefácio de Alexander Pope à sua tradução da Ilíada de Homero (1715-1720)

  • Camila Aline Zanon Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Homero, Ilíada, Alexander Pope, tradução, poética

Resumo

A tradução que o poeta inglês Alexander Pope fez da Ilíada é um marco para a história dos épicos homéricos no mundo anglófono. A qualidade poética da tradução associada ao pioneirismo comercial da publicação por assinatura possibilitou ao jovem de 27 anos viver de seu próprio ofício como poeta, contribuindo para que ele se tornasse um dos mais proeminentes de sua época. O prefácio que acompanha o primeiro volume de sua tradução faz uma apologia de Homero, comparando-o com Virgílio quanto aos recursos poéticos e à capacidade de invenção e de julgamento. Nele, é possível observar os critérios poéticos que pautam o juízo de valor que Pope faz de um e de outro poeta antigo.

Biografia do Autor

Camila Aline Zanon, Universidade de São Paulo
Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo, sob supervisão do Prof. Dr. Christian Werner. Bolsista CAPES de doutorado sanduíche (PDSE) executado na University of Oxford sob supervisão do Prof. Dr. Adrian Kelly. Research Associate no centro de pós-gradução do Balliol College (setembro/2015-março/2016) e Academic Visitor na Faculty of Classics (novembro/2015-março-2016). Mestre em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (2009), sob a supervisão da Profa. Dra. Haiganuch Sarian. Bacharel em Grego pela Universidade de São Paulo (2004). Atuante na área editorial de material didático para ensino fundamental e médio, livros paradidáticos, literatura infantojuvenil. Também tradutora de obras em língua inglesa.
Publicado
2017-06-09
Como Citar
Zanon, C. A. (2017). Prefácio de Alexander Pope à sua tradução da Ilíada de Homero (1715-1720). Heródoto: Revista Do Grupo De Estudos E Pesquisas Sobre a Antiguidade Clássica E Suas Conexões Afro-asiáticas, 2(1), 384-407. https://doi.org/10.31669/herodoto.v2i1.197