O Egito como limiar e o heroi em xeque em Helena de Eurípedes

  • Lorena Lopes da Costa Universidade Federal do Oeste do Pará
Palavras-chave: Egito, Esquéria, Herói, Guerra, Limiar.

Resumo

O presente artigo tem como objeto a peça Helena de Eurípides, datada de 412 a. C., e busca apreender de que forma o Egito, terra onde se desenvolve a versão do mito narrada pelo poeta, atualiza a Esquéria, ilha em que Odisseu redefine seu retorno ao narrar suas aventuras na Odisseia. Para estabelecer as afinidades com a terra dos feácios, o poeta trágico apropria-se da visão grega do Egito, em que a admiração e o mistério são os aspectos principais, e incorpora elementos odisseicos ao enredo, o que lhe permite recriar uma história em que o herói e a guerra são postos em xeque.

Biografia do Autor

Lorena Lopes da Costa, Universidade Federal do Oeste do Pará
Professora Adjunta de Teoria da História na Universidade Federal do Oeste do Pará. Doutora (2016), mestre (2012) e graduada (2009) em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Realizou o doutorado sob orientação do Prof. José Antonio Dabdab Trabulsi e período de doutorado-sanduíche de um ano (2015) sob a orientação do Prof. François Hartog, na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS - Paris), bem como um ano (2013-2014) de estágio doutoral sob a orientação do Prof. Pierre Ellinger, na Université Paris VII - Denis Diderot. Realizou o mestrado sob orientação da Profa. Heloísa Starling. Possui experiência na área de História, atuando em Teoria da História e História Antiga, especialmente nas relações entre Historiografia e Ficção, Usos do Passado, Recepção da Cultura Clássica na França e no Brasil.
Publicado
2017-06-09
Como Citar
da Costa, L. L. (2017). O Egito como limiar e o heroi em xeque em Helena de Eurípedes. Heródoto: Revista Do Grupo De Estudos E Pesquisas Sobre a Antiguidade Clássica E Suas Conexões Afro-asiáticas, 2(1), 261-281. https://doi.org/10.31669/herodoto.v2i1.184