No alvorecer, a partida: a complexidade do exílio em “Bem longe de Marienbad”, de Caio Fernando Abreu

Conteúdo do artigo principal

Ana Lúcia Teixeira
https://orcid.org/0000-0003-2547-9938

Resumo

O tema da condição estrangeira atravessa os 4 textos coligidos na obra Estranhos estrangeiros, de Caio Fernando Abreu. Dentre eles, o conto “Bem longe de Marienbad” será recuperado a partir da construção do personagem-narrador cuja interação com a ausência/presença de outra personagem, K, opera como motor de uma busca amorosa em princípio fracassada que pode ser lida também como uma espécie de extração das próprias raízes, de adoção do exílio como estado voluntariamente permanente. A perspectiva do exílio, assim, se entrelaça à toda narrativa e será tomada a partir de uma sugestiva sinonímia com a dificuldade de leitura dos vestígios da presença provocadora da pessoa amada. Por outro lado, a narrativa permite também tomar a condição de exílio não apenas em sua dimensão negativa e opressiva, mas destaca o espaço de liberdade que ela resguarda. A travessia do conto, portanto, permitirá uma tomada do exílio tanto como subtração das possibilidades de leitura do mundo por parte de quem se vê em condição de desterro quanto como espaço de liberdade para construção da própria experiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
TEIXEIRA, A. L. No alvorecer, a partida: a complexidade do exílio em “Bem longe de Marienbad”, de Caio Fernando Abreu. EXILIUM Revista de Estudos da Contemporaneidade, [S. l.], v. 3, n. 4, p. 161–182, 2022. DOI: 10.34024/exilium.v3i4.13310. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/exilium/article/view/13310. Acesso em: 28 jun. 2022.
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

Ana Lúcia Teixeira, Unifesp

Professora associada de sociologia do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).