Projeto Oceamo: uma aplicação da Educação Ambiental costeira e oceânica na Baixada Santista (SP)

Autores

  • Marina Carrato Galuzzi da Silva Instituto de Pesca de São Paulo (Santos)
  • Marina Bettim
  • Juliana Bertolazzi Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.16090

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Sustentabilidade, Baixada Santista, Socioambiental

Resumo

A interação do ser humano com o ambiente marinho é constatada desde os tempos primórdios. O Projeto Oceamo revela uma tenra contribuição à construção de um perfil ambientalmente consciente de alunos da Unidade Municipal de Educação Florestan Fernandes, do município portuário de Santos (SP/Brasil), abordando a interdisciplinaridade da oceanografia em consonância aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e ao escopo da Agenda 2030. A metodologia envolve métodos qualitativos e quantitativos que abrangem os ideais construtivistas e progressistas da educação, apresentação de aulas e práticas socioambientais e aplicação de método avaliativo por meio de entrevistas semiestruturadas. O produto do projeto revelou evolução e amplitude da absorção de conceitos e vocabulários, maior sensibilização e conscientização às questões ambientais locais e regionais que impulsionam a mudança do comportamento e disseminação das experiências adquiridas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Claudia Barcelos de Moura; LANDINI, Sonia Regina. Trabalho Docente: A Dinâmica Entre Formação, Profissionalização e Proletarização na Constituição da Identidade. Revista Diálogo Educacional, [S. l.], v. 4, n. 8, p. 33, 2017. DOI: 10.7213/RDE.V4I8.6560.

ALBA, Alicia De; GAUDIANO, Édgar González. Evaluación de Programas de Educación Ambiental. Experiencias en América Latina y el Caribe. 1a ed. [s.l.] : Universidad Nacional Autónoma de México, 1997.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. Filosofia da educação. Moderna, 2007.

BEHREND, Danielle Monteiro; COUSIN, Cláudia da Silva; GALIAZZI, Maria do Carmo. Base Nacional Comum Curricular: o que se mostra de referência à Educação Ambiental? Ambiente & Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 74–89, 2018. DOI: 10.14295/AMBEDUC.V23I2.8425.

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. A pesquisa qualitativa fenomenológica: interrogação, descrição e modalidades de análise. Em: Maria Aparecida Viggiani Bicudo. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo, SP, Brasil.: Cortez, 2011. p. 41–74.

BIZERRIL, Marcelo; FARIA, Dóris S. Percepção de professores sobre a Educação Ambiental no ensino fundamental. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, [S. l.], v. 82, n. 200- 01–02, 2001. DOI: 10.24109/2176-6681.RBEP.82I200-01-02.917.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 68–80, 2005.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz ed. Rio de Janeiro, RJ, Brasil: Bertrand Brasil S.A., 1989.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável: Pesquisa nacional de opinião: principais resultados / Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental – Rio de Janeiro: Overview, 2012. 82 p.

BREMER, Scott; GLAVOVIC, Bruce. Exploring the science–policy interface for Integrated Coastal Management in New Zealand. Ocean & Coastal Management, [S. l.], v. 84, p. 107–118, 2013. DOI: 10.1016/J.OCECOAMAN.2013.08.008.

BUSKEY, Edward J.; WHITE, Helen K.; ESBAUGH, Andrew J. Impact of oil spills on marine life in the Gulf of Mexico: Effects on plankton, nekton, and deep-sea benthos. Oceanography, [S. l.], v. 29, n. 3, p. 174–181, 2016. DOI: 10.5670/oceanog.2016.81.

CANEPA, Carla. Educação Ambiental: ferramenta para a criação de uma nova consciência planetária. Revista de Direito Constitucional e Internacional., [S. l.], v. 12, n. 48, p. 158–166, 2004.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental Crítica: nomes e endereçamentos da educação. Em: LAYRARGUES, P. P. (Org.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. [s.l: s.n.]. p. 13–24.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura; MHULE, Rita Paradeda. Intenção e atenção nos processos de aprendizagem. Por uma Educação Ambiental “fora da caixa”. Ambiente & Educação, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 26–40, 2016.

CAVALARI, Rosa Maria Feiteiro; TREIN, Eunice Schilling. Pesquisa em Educação Ambiental e Questões Epistemológicas: Enfrentamentos Contemporâneos. Pesquisa em Educação Ambiental, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 82–99, 2018. DOI: 10.18675/2177-580X.VOL13.N1.P82-99.

CAVALCANTE, Márcio Balbino. Reflexões sobre a importância do lugar nas interações socioambientais. Caminhos de Geografia, [S. l.], v. 15, n. 45, p. 30–35, 2013. DOI: 10.14393/RCG144517874.

CHEONG, So Min. A new direction in coastal management. Marine Policy, [S. l.], v. 32, n. 6, p. 1090–1093, 2008. DOI: 10.1016/J.MARPOL.2008.03.004.

CLARK, Peter U. et al. Consequences of twenty-first-century policy for multi-millennial climate and sea-level change. Nature Climate Change 2016 6:4, [S. l.], v. 6, n. 4, p. 360–369, 2016. DOI: 10.1038/nclimate2923.

COSTA, Maria Clélia Lustosa. Arranjo Familiar e a Vulnerabilidade na Região Metropolitana de Fortaleza. Em: COSTA, M. C. L.; DANTAS, E. W. C. (Orgs.) Vulnerabilidade Socioambiental na Região Metropolitana de Fortaleza. Fortaleza, CE,Brasil: UFC, 2009. p. 139–163.

DA COSTA LIMA, Gustavo Ferreira. Educação Ambiental crítica: Do socioambientalismo às sociedades sustentáveis. Educacao e Pesquisa, [S. l.], v. 35, n. 1, p. 145–163, 2009. DOI: 10.1590/S1517-97022009000100010.

DA SILVA SANTOS, Ademir; FLORES, Barbara Nascimento; AMORIM, Celeste Dias; COSTA, Pollyanna Alves Dias; DA SILVA JUNIOR, Milton Ferreira; VICENTE DA SILVA, Edson. O Saber E A Intencionalidade Científica Ambientalista. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, SP, Brasil, v. 11, n. 5, p. 184–196, 2016. DOI: https://doi.org/10.34024/revbea.2016.v11.1993.

DALY, Herman E. Sustentabilidade em um mundo lotado. Scientific American. Edição especial n. 41, Brasil. , São Paulo, p. 92–99, 2005.

DIAS, Tatiane Lebre; ENUMO, Sônia Regina Fiorim; TURINI, Flávia Almeida. Avaliação do desempenho acadêmico de alunos do ensino fundamental em Vitória, Espírito Santo. Estudos de Psicologia, [S. l.], v. 23, n. 4, p. 381–390, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2006000400006.

DIEGUES, Antônio Carlos. Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. 2a ed. São Paulo: Hucitec/Annablume , 2000.

ESPINOZA-TENORIO, Alejandro et al. The marine spatial planning in Mexico: challenge and invitation to the scientific work. Latin American Journal of Aquatic Research, [S. l.], v. 42, n. 3, p. 386–400, 2014. DOI: 10.3856/VOL42-ISSUE3-FULLTEXT-1.

FREDERICO, Carlos; LOUREIRO, B. Educação Ambiental e Epistemologia Crítica. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 159–176, 2015. DOI: 10.14295/remea.v32i2.5536.

FREIRE, Paulo. A Pedagogia Do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Paz e Terra, 1970.

FREY, Márcia Rosane; CAMARGO, Maria Emilia. Análise dos indutores da evolução da consciência ambiental. Revista Qualitas, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–15, 2003.

GADOTTI, Moacir. Educar Para A Sustentabilidade. São Paulo.

GALUZZI SILVA, M. C.; MATA-LIMA, H. Oil spill risk mana gement in the coastal zone: The case of Port of Santos. Finisterra, [S. l.], v. 54, n. 111, p. 61–80, 2019. DOI: 10.18055/finis17216.

GALUZZI-SILVA, Marina C.; MATA-LIMA, Herlander. Risk assessment of accidental oil release in a coastal region: the são paulo case study. Maritime Policy & Management, [S. l.], v. 49, n. 3, p. 347–361, 2021. DOI: 10.1080/03088839.2021.1968057.

GARRISON, T. Fundamentos de oceanografia. Cengage Le ed. [s.l: s.n.].

GOMES, Daniela Vasconcellos. Educação para o consumo ético e sustentável. Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, [S. l.], v. 16, p. 18–31, 2012. DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v16i0.2778.

GONZAGA, Magnus José Barros. O naturalismo presente na visão de professores sobre meio ambiente e as marcas da Educação Ambiental conservadora. Revista Brasileira de Educação Ambiental, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 54–65, 2016. DOI: 10.34024/revbea.2016.v11.1903.

GUERRA, Miguel A. Santos. La evaluación un proceso de diálogo,comprensión y mejora. Em: INVESTIGÁCION EN LA ESCUELA 1993, Anais [...]. : Universidad de Malaga, 1993. p. 23–36.

GUIMARÃES, Mauro; SOARES, Ana Maria Dantas; CARVALHO, Néri Andréia Olabarriaga; BARRETO, Marcos Pinheiro. Educadores Ambientais Nas Escolas: As Redes Como Estratégia. Cad. Cedes, Campinas, v. 29, n. 77, p. 49–62, 2009.

JAVAID, Aneeque; JANSSEN, Marco A.; REUTER, Hauke; SCHLÜTER, Achim. When Patience Leads to Destruction: The Curious Case of Individual Time Preferences and the Adoption of Destructive Fishing Gears. Ecological Economics, [S. l.], v. 142, p. 91–103, 2017. DOI: 10.1016/J.ECOLECON.2017.06.007.

KATO, Danilo Seithi; KAWASAKI, Clarice Sumi. As concepções de contextualização do ensino em documentos curriculares oficiais e de professores de ciências. Ciência & Educação (Bauru), [S. l.], v. 17, n. 1, p. 35–50, 2011. DOI: 10.1590/S1516-73132011000100003.

KAUARK, Fabiana da Silva; MANHÃES, Fernanda Castro; MEDEIROS, Carlos Henrique. Metodologia de Pesquisa: um guia prático. Itabuna, Bahia, Brasil: Via Litterarum, 2010.

KRONEMBERGER, Denise Maria Penna. Os desafios da construção dos indicadores ODS globais. Ciência e Cultura, v. 71, n.1 São Paulo, 2019.

LAMPERT, Ernâni. Pós-Modernidade e a Educação. Revista Linhas, [S. l.], v. 8, n. 2, 2007.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental: Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 11a ed. [s.l.] : Vozes, 2014.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. [s.l.] : Cortez, 2012.

MACHADO, Phillipe Mota; SUCIU, Marjorie Cremonez; COSTA, Leonardo Lopes; TAVARES, Davi Castro; ZALMON, Ilana Rosental. Tourism impacts on benthic communities of sandy beaches. Marine Ecology, [S. l.], v. 38, n. 4, p. e12440, 2017. DOI: 10.1111/MAEC.12440.

MALAQUIAS, Januária da Fonseca; VASCONCELOS, Fernanda Carla Wasner; SILVA, Cristina de Souza; DINIZ, Heloísa Damasceno; SANTIAGO, Maria Cristina. O lúdico como promoção do aprendizado através dos jogos socioambientais, integrando a Educação Ambiental formal e não formal. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, [S. l.], v. 29, n. 0, 2012. DOI: 10.14295/remea.v29i0.2943

MANZINI, Eduardo José. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. Em: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE A PESQUISA E ESTUDOS QUALITATIVOS 2004, Bauru, SP, Brasil. Anais [...]. Bauru, SP, Brasil p. 1–10.

MARANDINO, Martha. Educação em museus: a mediação em foco. [s.l.] : Geenf/FEUSP, 2008.

MARQUES, José G. W. O papel do interdisciplinar e do qualitativo na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Em: M. C. L Amoroso, L. C. Ming, S. P. Silva (eds.). Método de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinascorrelatas. Rio Claro: Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia-Unesp/CNPq. [s.n.]. p. 31–46.

MARTINELLI, Núbia Rosa Baquini da Silva. Educação Ambiental no Ensino Fundamental: discussão de possibilidades. Ambiente & Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 214–230, 2018. DOI: 10.14295/AMBEDUC.V23I2.8435

MASCIA, Michael B.; BROSIUS, J. Peter; DOBSON, Tracy A.; FORBES, Bruce C.; HOROWITZ, Leah; MCKEAN, Margaret A.; TURNER, Nancy J. Conservation and the Social Sciences. Conservation Biology, [S. l.], v. 17, n. 3, p. 649–650, 2003. DOI: 10.1046/J.1523-1739.2003.01738.X.

MINAYO, Maria Cecília De Souza; ASSIS, Simone Gonçalves De; SOUZA, Edinilsa Ramos De. Avaliação por Triangulação de Métodos. [s.l: s.n.]. Acesso em: 9 jul. 2023.

MINC, Carlos. Ecologia e cidadania. [s.l.]: Moderna, 2005. Disponível em: https://www.moderna.com.br/literatura/livro/ecologia-e-cidadania-1. Acesso em: 9 jul. 2023.

MORAES, Maria Cândida. O Paradigma Educacional Emergente PUC/SP/Brasil. 10a ed. [s.l.] : Papirus, 1997.

MORIN, Edgar. La epistemología de la complejidad. Gazeta de Antropología, [S. l.], 2020. DOI: 10.30827/DIGIBUG.7253.

MOURA, Gustavo Goulart Moureira. Introdução. In: MOURA, Gustavo Goulart Moureira. Avanços em Oceanografia Humana e o socioambientalismo nas ciências do mar. [S. l.], p. 7–48, 2017.

MOUSINHO, Patrícia. Glossário. Em: TRIGUEIRO, André (Coord.). Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. . [s.l.] : Sextante, 2003. p. 350.

NARCHI, Nemer E.; CORNIER, Samuel; CANU, Donata Melaku; AGUILAR-ROSAS, Luis E.; BENDER, Mariana G.; JACQUELIN, Christian; THIBA, Marion; MOURA, Gustavo G. M.; DE WIT, Rutger. Marine ethnobiology a rather neglected area, which can provide an important contribution to ocean and coastal management. Ocean & Coastal Management, [S. l.], v. 89, p. 117–126, 2014. DOI: 10.1016/J.OCECOAMAN.2013.09.014.

NEPOMUCENO, Aline Lima Oliveira; GUIMARÃES, Mauro. Caminhos da práxis participativa à construção da cidadania socioambiental. Ambiente & Educação, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 59–74, 2016.

NOBILE, Gislaine Gasparin; BARRERA, Sylvia Domingos. Análise de erros ortográficos em alunos do ensino público fundamental que apresentam dificuldades na escrita. Psicologia em Revista, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 36–55, 2009. DOI: 10.5752/P.1678-9563.2009V15N2P36.

ORACION, Enrique G.; MILLER, Marc L.; CHRISTIE, Patrick. Marine protected areas for whom? Fisheries, tourism, and solidarity in a Philippine community. Ocean and Coastal Management, [S. l.], v. 48, n. 3- 6 SPEC. ISS., p. 393–410, 2005. DOI: 10.1016/J.OCECOAMAN.2005.04.013.

PEÇA, Célia Maria Karpinski. Análise e Interpretação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Utilizando Dados Interdisciplinares. [s.l: s.n.].

PELACANI, Bárbara; MUNIZ, Tiago Silva Alves; PEREIRA, Celso Sánchez. Educação Ambiental crítica e estudos de patrimônio crítico: intersecções e virada para pedagogias decoloniais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 133–151, 2019. DOI: 10.34024/revbea.2019.v14.2632.

POTT, Crisla Maciel; ESTRELA, Carina Costa. Histórico ambiental: desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. Estudos Avançados, [S. l.], v. 31, n. 89, p. 271–283, 2017. DOI: 10.1590/S0103-40142017.31890021.

QUINTAS, José Silva. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de Educação Ambiental transformadora e emancipatória. Em: DEA/MMA (org.). LAYRARGUES, P. P. (Org.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Brasília. p. 113–140.

REHITHA, T. V.; ULLAS, N.; VINEETHA, G.; BENNY, P. Y.; MADHU, N. V.; REVICHANDRAN, C. Impact of maintenance dredging on macrobenthic community structure of a tropical estuary. Ocean & Coastal Management, [S. l.], v. 144, p. 71–82, 2017. DOI: 10.1016/J.OCECOAMAN.2017.04.020.

REIGOTA, Marcos. O que é Educação Ambiental. 1a reimpressão ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

RIBEIRO, Helena. Saúde Pública e meio ambiente: evolução do conhecimento e da prática, alguns aspectos éticos. Saúde e Sociedade, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 70–80, 2004. DOI: 10.1590/S0104-12902004000100008.

RUSCHEINSKY, Aloísio. As rimas da ecopedagogia: uma perspectiva ambientalista. Porto Alegre, RS, Brasil.

SORRENTINO, Marcos; TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia; FERRARO JUNIOR, Luiz Antonio. Educação Ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 31, 2005.

SPÍNOLA, Ana Luíza. Consumo sustentável: o alto custo dos produtos que consumimos. Revista de Direito Ambiental, [S. l.], v. 6, n. 24, p. 209–216, 2001.

STEEL, Brent S.; SMITH, Court; OPSOMMER, Laura; CURIEL, Sara; WARNER-STEEL, Ryan. Public ocean literacy in the United States. Ocean & Coastal Management, [S. l.], v. 48, n. 2, p. 97–114, 2005. DOI: 10.1016/J.OCECOAMAN.2005.01.002.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ, Brasil: Vozes, 2002.

TOMAZELLO, Maria Giomar Carneiro; FERREIRA, Tereza Raquel das Chagas. Educação Ambiental: que critérios adotar para avaliar a adequação pedagógica de seus projetos? Ciência & Educação, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 199–207, 2001.

TOURINHO, C. Refletindo sobre a Dificuldade de Leitura em Alunos do Ensino Superior: “Deficiência” ou Simples Falta de Hábito? Revista Lugares de Educação, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 325–346, 2011. DOI: 10.18788/2237-1451/RLE.V1N2P325-346

TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia Ramos. O que Fazem as Escolas que Dizem que Fazem Educação Ambiental? - Coleção Educação Para Todos. Brasília, DF, Brasil.

TRAN, Lynn Uyen; PAYNE, Diana L.; WHITLEY, Lynn. NMEA Special Report #3: Research on learning and teaching ocean and aquatic sciences. [s.l: s.n.].

TRISTÃO, Martha. Saberes e fazeres da Educação Ambiental no cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), [S. l.], v. 1, n. 0, p. 47–55, 2004.

UHMANN, Rosângela Inês Matos; VORPAGEL, Fernanda Seidel. Pesquisa em Educação Ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 53–68, 2018. DOI: 10.18675/2177-580X.VOL13.N2.P53-68.

VALIENTE, Carmina; CARIÑO OLVERA, Micheline; CORONA MORALES, Néstor; NARCHI, Nemer. Despojo, riesgo y vulnerabilidad: Consecuencias (no) deseadas del desarrollo inmobiliario en Baja California Sur, México. Ecología política, [S. l.], n. 51, p. 79–83, 2016.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. Ridendo C. Mores ed. [s.l: s.n.].

WILLIAMS, Allan Thomas; RANGEL-BUITRAGO, Nelson Guillermo; ANFUSO, Giorgio; CERVANTES, Omar; BOTERO, Camilo Mateo. Litter impacts on scenery and tourism on the Colombian north Caribbean coast. Tourism Management, [S. l.], v. 55, p. 209–224, 2016. DOI: 10.1016/J.TOURMAN.2016.02.008.

ZITKOSKI, Jaime José. Ser Mais. Em: STRECK, D.R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J.J (Orgs). Dicionário Paulo Freire. 2a ed. Belo Horizonte, MG, Brasil: Autêntica, 2010. p. 369–371.

Downloads

Publicado

01-02-2024

Como Citar

Silva, M. C. G. da, Bettim, M., & Fernandes, J. B. (2024). Projeto Oceamo: uma aplicação da Educação Ambiental costeira e oceânica na Baixada Santista (SP). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 19(1), 398–416. https://doi.org/10.34024/revbea.2024.v19.16090

Edição

Seção

Artigos em Anais de Evento
Recebido: 2024-01-05
Publicado: 2024-02-01