Novos olhares para as plantas do cotidiano de alunos do ensino fundamental em Campo Grande (MS)

Autores

  • Flávio Henrique de Souza Rodrigues Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Adriana Takahasi Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14132

Palavras-chave:

cegueira botânica, educação ambiental, arborização urbana

Resumo

E

trabalho desenvolvido com estudantes da 5ª. série do Ensino Fundamental do Colégio Nova Dimensão, em Campo Grande (MS). O objetivo foi despertar a consciência ambiental utilizando as plantas presentes no cotidiano dos alunos. Foram realizadas aulas teóricas e práticas buscando reduzir a “cegueira botânica” reforçando a concepção de que as plantas são seres vivos e necessitam de espaço e manejo adequados para se desenvolver. Utilizamos as plantas existentes em suas residências e da arborização urbana para refletir sobre a relação homem e natureza. Concluímos que, ao utilizar esta estratégia pedagógica, os estudantes poderiam assumir uma relação homem-natureza mais harmônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Henrique de Souza Rodrigues, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Licenciatura em Geografia pela UEMS, Bacharelando em Geografia pela UFMS/FAENG, Professor de Geografia do Ensino Fundamental II e Médio.

Adriana Takahasi, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Docente da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia (FAENG)/UFMS. Doutora em Ecologia (USP), Mestre em Biologia Vegetal (UNESP) e Bacharel em Ecologia (UNESP). Atua na área de Ecologia e Meio Ambiente com pesquisa sobre Ecologia de Ecossistemas e Florestas Urbanas. 

Referências

ALMEIDA, L. F. R.; BICUDO, L. R. H.; BORGES, G. L. A. Educação Ambiental em praça pública: relato de experiência com oficinas pedagógicas. Ciência & Educação, v. 10, n. 1, 2004, p. 121 - 132.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 562 p. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 4 jun. 2022.

FÉLIX, L. M.; PEREIRA, P. N. Nutrição Mineral. In: LOPEZ, A. M. (Org.) et al. Botânica no Inverno. São Paulo: IB/USP, 2013, p. 84 – 88. Disponível em: <https://botanicanoinverno.ib.usp.br/material-didatico.html?download=2:apostila-botanica-no-inverno-2013>. Acesso em: 5 jun. 2022.

FONTANELLA, A.; SOUZA, C. R. A Educação Ambiental como instrumento de Gestão Ambiental em parques urbanos. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 8, n. 5, 2016, p. 55 - 70.

FRAGOSO, E.; NASCIMENTO, E. C. M. A Educação Ambiental no ensino e na prática escolar da Escola Estadual Cândido Mariano - Aquidauana/MS. Revista de Educação Ambiental. v. 23, n. 1, 2018, p. 161 - 184.

GRZEBIELUKA, D.; KUBIAK, I.; SCHILLER, A. M. Educação Ambiental: A importância deste debate na Educação Infantil. Revista Monografias Ambientais - REMOA, v. 13, n. 5. 2014, p. 3881-3906.

KATON, G. F.; TOWATA, N.; SAITO, L. C. A Cegueira Botânica e o uso de estratégias para o ensino de Botânica. In: LOPEZ, A. M. (Org.) et al. Botânica no Inverno. São Paulo: IB/USP, 2013, p. 179 – 182. Disponível em: <https://botanicanoinverno.ib.usp.br/material-didatico.html?download=2:apostila-botanica-no-inverno-2013>. Acesso em: 5 jun. 2022.

MAFRA, A.I.; BONASSINA, A.L.B. Análises práticas de Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v.17, n.3, p.294-304, 2022.

MARCATTO, C. Educação Ambiental: conceitos e princípios. Belo Horizonte: FEAM, 2002. 64 p. Disponível em: <https://www.mpap.mp.br/images/CAOP-meio-ambiente/Educacao_Ambiental_Conceitos_Principios.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2022.

MEDEIROS, A. B.; et al. A importância da Educação Ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, 2011, p. 1 - 17.

MIRANDA, F. H. F.; MIRANDA, J. A.; RAVAGLIA, R. Abordagem Interdisciplinar na Educação Ambiental. Revista Práxis, n. 4, ano. 2, 2010, p. 11 - 16.

MONTEIRO, J. A. V. Benefícios da compostagem domésticas de resíduos orgânicos. Educação Ambiental em Ação, Novo Hamburgo, n. 56, ano. 15, jun./ago. 2016. p. 1 – 7.

MOREIRA, L. H. L.; FEITOSA, A. A. F. M. A.; QUEIROZ, R. T. Estratégias para o ensino de botânica na educação básica. Experiência em Ensino de Ciências, Cuiabá: UFMT, v. 14, n. 2, 2019, p. 368 – 384. Disponível em: <https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID618/v14_n2_a2019.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2022.

NAGAI, A.; PIMENTEL, B. S. Como as plantas se defendem frente à infecção por patógenos? In: LOPEZ, A. M. (Org.) et al. Botânica no Inverno. São Paulo: IB/USP, 2013, p. 9 – 11. Disponível em: <https://botanicanoinverno.ib.usp.br/material-didatico.html?download=2:apostila-botanica-no-inverno-2013>. Acesso em: 5 jun. 2022.

PANY, P. Student’s interest in useful plants: A potential key to counteract plant blindness. Plant Science Bulletin, St. Louis, v. 60, n. 1, 2014, p. 18 – 27.

PERTICARRARI, A.; TRIGO, F. R.; BARBIERI, M. R. A contribuição de atividades em espaços não formais para a aprendizagem de botânica de alunos do Ensino Básico. Ciência em Tela, v. 4, n. 1. 2011. p. 1 – 12.

REIGADA, C.; TOZONI-REIS, M. F. C. Educação Ambiental para crianças no ambiente urbano: uma proposta de pesquisa-ação. Ciência & Educação, v. 10, n.2, 2004, p. 149 - 159.

RIGHI, A. B.; PIMENTEL, B. S.; RAVANELLI, N. Plantas e Sociedade. In: LOPEZ, A. M. (Org.) et al. Botânica no Inverno. São Paulo: IB/USP, 2013, p. 171 – 177. Disponível em: <https://botanicanoinverno.ib.usp.br/material-didatico.html?download=2:apostila-botanica-no-inverno-2013>. Acesso em: 5 jun. 2022.

ROSSO, P.; BENINCÁ, E.M.; FRAGA, F.B.F.F.; TONETTO, G. Áreas verdes urbanas e trilhas ecológicas como locais e instrumentos de Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v.16, n.4, p. 536-553, 2021.

SALATINO, A.; BUCKERIDGE, M. “Mas de que te serve saber botânica?” Estudos Avançados, v. 30, n. 87, 2016, p. 177 – 196.

SANTOS, C. D.; KLEIN, T. A. S. Implementação de atividades de Educação Ambiental entre jovens e adultos, a partir da metodologia da problematização. Cadernos PDE, v. 1, 2014, p. 1 - 19.

SANTOS, P. P.; ALVES, G. L. Educação Ambiental nas escolas da rede municipal de ensino de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Ciência & Educação, Bauru: UNESP, v. 27, 2021, 1 – 15.

SÃO PAULO. Manual técnico de poda de árvores. São Paulo, 2016. 65 p. Disponível em: <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/manaualtecnico_poda_v11_150_1354216796.pdf >. Acesso em: 23 jun. 2022.

SATO, M. Formação em Educação Ambiental – da escola à comunidade. In: MEC. Panorama da Educação Ambiental no Ensino Fundamental. Brasília: MEC, SEF, 2001, p. 7 - 15. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/panorama.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2022.

SILVA, J. O. R.; OLIVEIRA, M. S. Arborização Urbana e a Educação Ambiental como fator conscientizador. Scientia Generalis, v. 1, n. 2, 2020, p. 1 – 10.

URSI, S.; et al. Ensino de Botânica: conhecimento e encantamento na educação científica. Estudos Avançados, v. 32, n. 94, 2018, p. 7 – 24.

Downloads

Publicado

01-04-2023

Como Citar

Rodrigues, F. H. de S., & Takahasi, A. (2023). Novos olhares para as plantas do cotidiano de alunos do ensino fundamental em Campo Grande (MS). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 18(3), 92–103. https://doi.org/10.34024/revbea.2023.v18.14132

Edição

Seção

Relatos de Experiências
Recebido: 2022-08-01
Aceito: 2022-12-13
Publicado: 2023-04-01

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.