Educação Ambiental com enfoque na preservação da Reserva Biológica Estadual do Aguaí (SC)

Autores

  • Miram da Conceição Martins Universidade do Extremo Sul Catarinense https://orcid.org/0000-0003-0548-8204
  • Lia Cristiam Nascimento dos Santos Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Carlos Henrique Devilla Marcello Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Marta Valéria Guimarães de Souza Hoffmann Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Paula Tramontim Pavei Universidade do Extremo Sul Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11701

Palavras-chave:

Educação Ambiental; Reserva Biológica; Ensino Médio.

Resumo

A Educação Ambiental (EA) é um processo permanente, no qual os indivíduos e a sociedade se conscientizam da condição do seu ambiente e adquirem os conhecimentos que os tornam aptos a agirem individual e coletivamente. Na região sul de Santa Catarina, temos a Reserva Biológica Estadual do Aguaí (REBIO), Unidade de Conservação (UC) de proteção integral, fundamental para o abastecimento humano e função ecológica. O estudo objetivou possibilitar o envolvimento da comunidade escolar em ações de integração da Reserva Biológica Estadual do Aguaí no contexto educacional, desenvolvendo atividades pedagógicas com estudantes de ensino médio dos municípios de Nova Veneza, Siderópolis e Treviso (SC). Os estudantes mostraram seu protagonismo durante a participação no projeto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZINIAN, H. Integración de las tecnologías de la información y la comunicación em las práticas pedagógicas. Revista Novedades Educativas, Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico S.R.L, Buenos Aires, v. 16, n. 168, 2004.

BORGES, G. L. A. Material didático no ensino de ciências. São Paulo: UNIVESP, 2012. Disponível em http://acervodigital.unesp.br/handle/123456789/47362. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Formando Com-Vida. Comissão do Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola: Construindo Agenda 21 na Escola. Brasília, 2004.

BREDA, T. V.; PICANÇO, J. L. A Educação Ambiental a partir de jogos: aprendendo de forma prazerosa e espontânea. In: II SIMPÓSIO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E TRANSDISCIPLINARIDADE, 2011, Goiânia. Anais... NUPEAT, 2011. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/52/o/2_EDUCACAO_AMBIENTAL_com_JOG > Acesso em: 27 jun. 2020.

CALISTO, A.; BARBOSA, D.; SILVA, C. Uma análise comparativa entre jogos educativos visando a criação de um jogo para Educação Ambiental. In: BRAZILIAN SYMPOSIUM ON COMPUTERS IN EDUCATION (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação – SBIE), out. 2012. Anais eletrônicos... Disponível em: https://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/1439. Acesso em: 27 jun. 2020.

CANTANHEDE, A. M. et al. Análise da percepção ambiental, por meio de desenhos, de alunos do ensino fundamental numa escola da zona rural, Chapadinha (MA). Revista da SBEnBio, Niterói, n. 9, 2016.

CARDOSO, K. M. M. Educação Ambiental nas escolas. 2011. 27 f. TCC (Licenciatura em Ciências Biológicas) – Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: https://bdm.unb.br/handle/10483/1892. Acesso em 25 de agosto de 2020.

CARVALHO, I. C. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CUBA, M. A. Educação Ambiental nas escolas. ECCOM, v.1, n. 2, 2010. Disponível:

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. Informe mineral: Desenvolvimento & Economia Mineral. Brasília, DF: Publicações DNPM, 2008.

DIAS, M.S.S.; SILVEIRA, E.S.M. Educação Ambiental e a construção de percursos didáticos dialógicos no ensino médio. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v15, n. 7, p.46-58, 2020.

DUBOW, M. et al. Material didático para o ensino das relações solo – água – contaminação do ambiente. In: 31º ENCONTRO DE DEBATES SOBRE O ENSINO DE QUÍMICA, 31., 2001, Rio Grande. Anais... Rio Grande: FURG, 2011. Disponível em: https://edeq.furg.br/noticias-e-avisos/24-31-edeq-anais. Acesso em 02 set. 2020.

FATMA. Reserva Biológica Estadual do Aguaí. Florianópolis: Fatma Disponível em: http://www.fatma.sc.gov.br/conteudo/reserva-biologica-estadual-do-aguai. Acesso em: 06 jun. 2020.

FATMA. Reserva Biológica Estadual do Aguaí: plano de manejo. Florianópolis: Fatma, 2009. 174 p.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 41. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREITAS, A. C. O. Utilização de recursos visuais e audiovisuais como estratégia no ensino da biologia. 2013. 50 f. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual do Ceará, 2013. Disponível em: http://www.uece.br/sate/dmdocuments/bio_bbrbe_o_freitas.pdf. Acesso out.2020.

GOULARTE, M. L. M. A busca da compreensão do ambiente e de suas relações: um desafio para a educação. 2000. 90 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Curso de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, 2000.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental: da forma à ação. Campinas, SP: Papirus, 2006.

GUMES, S. M. L. Construção da conscientização sócio-ambiental: formulações teóricas para o desenvolvimento de modelos de trabalho. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 15, n. 32, 2005.

HORBACH, R. et al. Geologia. In: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Levantamento de recursos naturais. 33. ed. Rio de Janeiro: IBGE; 1986.

INSTITUTO FELINOS DO AGUAÍ. Reserva Biológica Estadual do Aguaí. Disponível em: https://www.felinosdoaguai.com/unidade.htm. Acesso em 13 jul. 2020.

LAFETÁ, F. Escala Ringelmann ou Opacímetro: qual método devo utilizar? Ius Natura [On-line], 29 jan. 2019. Disponível em: https://iusnatura.com.br/escala-ringelmann-ou-opacimetro/. Acesso em: 15 Ago. 2020.

LOPES, F. M.; NUNES, A. N. Reutilização de materiais recicláveis para incentivo à Educação Ambiental e auxílio ao ensino didático de ciências em um colégio estadual de Anápolis-GO. Revista de Educação, v. 13, n. 15, 2010.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LUIZ, E. J. et al. Sentindo a cidade: biomonitoramento da qualidade do ar de Santo André com plantas da espécie Tradescantia pallida e a Educação Ambiental. Secretaria Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André. São Paulo: Semasa, 2005.

MARCOMIN, F. E. et al. A Educação Ambiental e a percepção da paisagem. In: GIASSI, M. G., MARTINS, M. C.; SILVEIRA, Z. M. (orgs.). Práticas de ensino de ciências e Educação Ambiental. Curitiba: Multidiéia, 2017.

MARTINS, M. C.; NASPOLINI, N.; BIZ, L.; A Educação Ambiental. In: SANTOS, R. et al. (orgs.). Biodiversidade em Santa Catarina: Parque Estadual da Serra Furada. Criciúma, SC: Ediunesc, 2016.

MARTINS, M. C. Avaliação genotóxica em hortaliças cultivadas em áreas de exploração de carvão: potencial mutagênico e riscos à saúde humana. 2014. 119 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2014.

MEDINA, N. M.; SANTOS, E. C. Educação Ambiental: uma metodologia participativa de formação. Petrópolis: Vozes, 2000. 231 p.

MITTERMEIER, R. A. et al. Hotspots revisited: earth’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. Washington, DC: Cemex, 2004.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 11. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2006.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403, p. 853-858, 2000.

OLIVEIRA, G. C. S; TONIOSSO, J. P. Educação Ambiental: práticas pedagógicas na educação infantil. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro, SP, v. 1, n. 1, 2014.

PEREIRA, B.; FREITAS, M. O uso das tecnologias da informação e comunicação na prática pedagógica da escola. Dia a Dia Educação [Portal], 2000. Disponível em:http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1381-8.pdf. Acesso em: 15 jul de 2020.

PHILIPPI, J. A.; PELICIONI, M. C. F. Educação Ambiental: desenvolvimento de cursos e projetos. São Paulo: Signus, 2000.

REIS-JÚNIOR, A. M. A formação do professor e a Educação Ambiental. 2003. 194 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Curso de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2003.

Disponível em: http://www.conexaoambiental.pr.gov.br/sites/conexao-ambiental/arquivos_restr. Acesso em: 10 ago. 2020.

RIBEIRO, M. C. et al. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v. 142, n. 6, 2009.

SANTA CATARINA. Decreto nº 19.635, de 01 de julho de 1983. Cria a Reserva Biológica Estadual do Aguaí, e dá outras providências. Diário Oficial de Santa Catarina: seção 1, Florianópolis, 4 jul. 1983. Disponível em: https://bit.ly/39rQ6lA. Acesso em: 28 out. 2020.

SANTA CATARINA. Proposta Curricular de Santa Catarina: educação infantil, ensino fundamental e médio: disciplinas curriculares. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Florianópolis: COGEN, 1998.

SANTOS, S. C. A importância do lúdico no processo ensino aprendizagem. 2010. 50 f. Monografia (Especialização em Gestão Educacional) – Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, 2010.

SEGURA, D. S. B. Educação Ambiental na escola pública: da curiosidade ingênua à consciência crítica. Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2001.

SILVA, A. C.; MESQUITA, G. M.; SOUZA, M. A. P. Educação Ambiental como paradigma para a construção da sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v. 19, n. 2, maio/ago. 2015.

SILVA, M. O. Refletindo a pesquisa participante. São Paulo: Cortez. 1986.

SIMÕES, L. L. Unidades de conservação: conservando a vida, os bens e os serviços ambientais. São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/pda/_arquivos/prj_mc_061_pub_car_001_uc.pdf. Acesso em 12 jul. 2020.

SNYDERS, G. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

SOBRAL, M.; STEHMANN, J. R. An analysis of new angiosperm species discoveries in Brazil (1990-2006). Taxon, v. 58, p. 227-232, 2009.

SOUZA, I. M. A; SOUZA, L. V. A. O uso da tecnologia como facilitadora da aprendizagem do aluno na escola. Revista Fórum Identidade Itabaiana: Gepiadde, a. 4, v. 8, jul./dez. 2010.

TELLES, M. Q. et al. Vivências integradas com o meio ambiente: práticas de Educação Ambiental para escolas, parques, praças e zoológicos. São Paulo: Sá, 2002.

TOZONI-REIS, M. F. C. Pesquisa em Educação Ambiental na universidade: produção de conhecimento e ação educativa. In: TALAMONI, J. L. B.; SAMPAIO, A. C. (orgs.). Educação Ambiental: da prática pedagógica à cidadania. São Paulo: Escrituras, 2003.

TUAN, Y.-F. Topofilia: um estudo de percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DlFEL, 1980.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Martins, M. da C., Santos, L. C. N. dos, Marcello, C. H. D., Hoffmann, M. V. G. de S., & Pavei, P. T. (2021). Educação Ambiental com enfoque na preservação da Reserva Biológica Estadual do Aguaí (SC). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(5), 547–565. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11701

Edição

Seção

Artigos
Recebido em 2021-01-29
Aceito em 2021-09-09
Publicado em 2021-10-01