Sabão artesanal no espaço escolar como ferramenta de sensibilização ambiental

  • Marília de Oliveira Lopes Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Daniel Sales Pimenta Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Bruno Esteves Conde Centro Universitário Estácio de Juiz de Fora
Palavras-chave: Meio Ambiente, Educação Ambiental, Ensino de Biologia, Reciclagem.

Resumo

Problemas ambientais e suas consequências estão interligados e influenciam todas as esferas do meio biológico e do nosso cotidiano, sendo um dos assuntos mais abordados dentro da disciplina de Biologia em que o uso de novas abordagem na maneira de trabalhar Educação Ambiental é justificável, pois é assunto urgente e necessário devido a degradação ambiental que o planeta vem sofrendo. Muito mais do que ensinar conceitos, é preciso tornar o aluno um participante efetivo e ativo na prática de conservação do meio ambiente. Diante do exposto, o presente estudo avaliou o engajamento de alunos do Ensino Médio, de uma escola pública no interior do estado do Rio de Janeiro, sobre a problemática ambiental, a partir da vivência prática na produção de sabão reciclado de óleo de cozinha usado, em que os alunos foram os protagonistas de cada etapa da sequência didática, inclusive na coleta do óleo, que rendeu uma enorme quantidade de produto arrecadado. A metodologia contou com uma sequência didática desenvolvida no decorrer do ano letivo, contando ainda com palestras, pesquisas, produção de material expositivo e aplicação de questionário. Este último, sendo aplicado antes e após as intervenções, permitindo verificação quantitativa com respostas comparadas através de análise estatística. Foi possível constatar como positiva a participação dos alunos, observando-se uma postura diferenciada destes diante do objeto de estudo, interesse durante palestras de sensibilização e pensamento crítico perante as descobertas dos impactos negativos do homem no ambiente natural, reforçando a potencialidade desse método para aumentar a sensibilização ambiental nos adolescentes, bem como reforçar o propósito da escola de educar para a cidadania.  A proposta mostrou-se uma alternativa viável, adaptável ao cronograma escolar e de amplo alcance. Concluindo-se, ainda, que a sequência didática utilizada é passível de ser replicada em outras escolas.

Referências

BAPTISTA, V. F. A relação entre o consumo e a escassez dos recursos naturais: uma abordagem histórica. Saúde & Ambiente em Revista, v. 5, n. 1, p. 8-14, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular –Apresentação. Brasília: MEC. 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 02 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: Ministério da Educação, 2012. Disponível em: <http://conferenciainfanto.mec.gov.br/images/conteudo/iv-cnijma/diretrizes.pdf>. Acesso em: 02 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Programa Nacional de Educação Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

BUNGE. Notícias: Soya Expande Programa de Reciclagem de Resíduo do Óleo de Cozinha. São Paulo, Janeiro de 2009. Disponível em: <http://www.bunge.com.br/Imprensa/Noticia.aspx?id=149> Acesso em: 6 ago. 2019.

BZUNECK, J. A.; GUIMARÃES, S. E. R.. A promoção da autonomia como estratégia motivacional na escola. In: BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A.; GUIMARÃES S. E. R. (Orgs.), Motivação para aprender: aplicações no contexto educativo. Vozes. Petrópolis-RJ: p. 41-70. 2010.

CARVALHO, A. N. P. (cord.) Termodinâmica: um ensino por investigação. São Paulo: Feusp, 1999.

COLESANTI, M. Paisagem e Educação Ambiental. In: Encontro Interdisciplinar sobre o Estudo da paisagem. Rio Claro: UNESP, 1996.

COSTA, D. A.; LOPES, G. R.; LOPES, J. R. Reutilização do óleo de fritura como uma alternativa de amenizar a poluição do solo. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas. Santa Maria. v. 14, p. 243-253, 2015.

COSTA, F. J. C.; DOS SANTOS, M. W. G.; LOPES, A. R. Uma Aplicação Mobile para Mediação de Aulas de Educação Ambiental e Biologia. Anais do IV Congresso sobre Tecnologias na Educação. SBC, p. 537-543. 2019.

DA CRUZ, A. A. P. et al. A logística reversa do óleo de cozinha como ferramenta de sustentabilidade. Anais Sintagro, v. 11, n. 1, 2019.

DEMOLY, K. R. A.; SANTOS, J. S. B. Aprendizagem, Educação Ambiental e Escola: Modos de En-Agir na Experiência de Estudantes e Professores. Rev. Ambiente & Sociedade, v. 21. São Paulo, 2018.

DE LUCENA, K. P.; DE ALBUQUERQUE, W. G.; MOURA, E. F. Alternativas ambientais: reciclagem do óleo de cozinha na fabricação de sabão. Revista INTESA, v. 8, n. 2, p. 08-14, dez., 2014.

DEMOLY, K. R. A.; SANTOS, J. S. B. Aprendizagem, Educação Ambiental e Escola: Modos de En-Agir na Experiência de Estudantes e Professores. Rev. Ambiente & Sociedade, v. 21. São Paulo, 2018.

FILHO, S, T. SANTOS, A. As. da S.. ALMEIDA, T. M. de. S., E.. Tecnologia ambiental aplicada ao gerenciamento e processamento do óleo vegetal residual no estado do Rio de Janeiro. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental – REGET/UFSM, Santa Maria - RS, v. 15 n. 15, p. 3026- 3035, out. 2013.

GODOY, A. S. Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Gestão.Org, v. 3, n. 2, mai./ago. 2005.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e estados. Local de publicação. 2018. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/rj/valenca.html>. Acesso em 8 out. 2020.

KRÜGER, Eduardo L. Uma abordagem sistêmica da atual crise ambiental. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 4, p. 37-43, jul./dez. Editora da UFPR, 2001.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade e poder. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

LIMA, D. L. A importância da sequência didática como metodologia no ensino da disciplina de física moderna no ensino médio. Revista triângulo, v. 11, n. 1, p. 151-162, 2018.

LOUREIRO, C. F. B.. Educação Ambiental crítica: contribuições e desafios. In: MELLO, S.; TRAJBER, R.. (Org.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em Educação Ambiental. 1ed. Brasília: MEC/UNESCO, 2007, v. 1, p. 65-73.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M.. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório. Publicações e trabalhos científicos, v. 7, p. 225, 2001.

MENEZES, I. M. S. Escola e Meio ambiente: Análise das Ações do Projeto em Educação Ambiental Desenvolvidas na Escola Estadual Integral do Ensino Médio Ginásio Pernambuco do Recife–PE-Brasil. Tese. Repositório de Tesis y Trabajos Finales UAA, 2019.

NOVICKI, V.; DE SOUZA, D. B. Políticas Públicas de Educação Ambiental e a atuação dos Conselhos de Meio Ambiente no Brasil: perspectivas e desafios. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, v. 18, n. 69, p. 711-736, 2010.

PINHO, M. J. S.; SANTOS, J. L. Reciclagem de óleos residuais de estabelecimentos gastronômicos na cidade de Jaguarari (BA) por meio da Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 12, n. 2, p. 102-113, 2017.

REIS, M. F. P.; ELLWANGER, R. M.; FLECK, E. Destinação de óleos de fritura. Anais do 24º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Belo Horizonte. 2007.

SABESP. Pesquisa Sabesp: Reciclagem de óleo. 2011. Disponível em: <http://site.sabesp.com.br/site/interna/Default.aspx?secaoId=82>. Acesso em 05 ago. 2020.

SANTOS, W. S.; DOS SANTOS G., E. A.; CARVALHO, J. N. As Contribuições do Estudo Extra Classe nas Notas Escolares dos Alunos de uma Escola da Cidade de Barra do Bugres – Mato Grosso. Ciência e Natura, v. 39, n. 1, p. 127-132, 2017.

SILVA, M. de O. Palestras para a Educação Ambiental com proposta de tipo ideal na Serra do Periperi em Vitória da Conquista, Bahia, nordeste do Brasil. Educação Ambiental em Ação, n. 71, 2020.

SCHWANTZ, P. I. et al. Reciclagem de Resíduos Oleosos: Ação De Sensibilização Ambiental Com Alternativas de Reciclagem pela Produção Artesanal de Sabão. Revista Estudo & Debate, v. 26, n. 1, p. 39-55, 2019.

SILVA, L. F.; CARVALHO, L. M. A temática ambiental e as diferentes compreensões dos professores de física em formação inicial. Ciência & Educação. v. 18, n. 2, p. 369-383, 2012.

TALAMONI, A. C. B.; PERES, W. C.; PINHEIRO, H. M. S. & PINHEIRO, M. A. A. Histórico da Educação Ambiental e sua relevância à preservação dos manguezais brasileiros. Cap. 2: p. 57-73. In: PINHEIRO, M. A. A.; TALAMONI, A. C. B. (Org.). Educação Ambiental sobre Manguezais. São Vicente: UNESP, Instituto de Biociências, Campus do Litoral Paulista, 165 p. 2018.

TOZONI-REIS, M. F. C. Educação Ambiental: natureza, razão e história. 2. ed., Autores Associado, Campinas, 174 pp, 2008.

VIRGENS, R. de A. A Educação Ambiental no ambiente escolar. xi, 17 f., il. Consórcio Setentrional de Educação a Distância, Universidade de Brasília, Universidade Estadual de Goiás, Brasília, 2011.

VIZÚ, J. A.; MACHADO, G. C.; SILVA, B. C.; MACHADO, J. C. V.; SILVA, M. A.; MARQUES, M. J. Reciclagem de óleo utilizado em frituras através da fabricação de sabão elaborado com óleo essencial de Piper calossum extraído por arraste a vapor. Cadernos de Agroecologia. v. 13, n 1, p. 1-05, jul, 2018.

Publicado
2021-02-07
Como Citar
Lopes, M. de O., Pimenta, D. S., & Conde, B. E. (2021). Sabão artesanal no espaço escolar como ferramenta de sensibilização ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 16(1), 450-471. https://doi.org/10.34024/revbea.2021.v16.11040
Seção
Relatos de Experiências