Educação Ambiental para além do capital: um desafio do século XXI

Autores

  • Elza Neffa Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Elmo Rodrigues da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Krishna Neffa Vieira de Castro Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10839

Palavras-chave:

Educação Ambiental; Sustentabilidade socioambiental; Processos formativos.

Resumo

A crise social, ambiental e econômica no mundo atual, agravada pela pandemia da COVID-19, aponta para os limites do modelo de desenvolvimento capitalista. No equacionamento de tal questão, a inclusão da teoria da complexidade no método científico e a educação ambiental para além do capital apresentam-se como potenciais ações transformadoras rumo a uma sociedade efetiva e substancialmente sustentável. Este artigo analisa a relação da ciência contemporânea com as transformações antrópicas na natureza, a fim de subsidiar a produção de múltiplos saberes para a educação ambiental no século XXI, exigindo mudanças profundas no curso do atual modelo de sociedade evitando-se, assim, o risco de extinção da vida planetária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elza Neffa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pelo Curso de Pós Graduação em Desenvolvimento e Agricultura da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro CPDA/UFRRJ, Mestra em Filosofia da Educação pelo Instituto de Estudos Avançados em Educação da Fundação Getúlio Vargas IESAE/FGV e Pedagoga pelo Centro de Ensino Superior de Valença da Fundação D. André Arcoverde CESVA/FAA. É professora titular na Graduação em Educação e no Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente da (PPGMA) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Coordena o Grupo de Pesquisa do CNPq Epistemologia e racionalidade ambiental: uma construção social. Coordena o Núcleo de Referência em Educação Ambiental da UERJ. Temas de pesquisa: Transdisciplinaridade, Pensamento Complexo, Educação e História Ambiental, Tecnologia Social e Desenvolvimento Local.

Elmo Rodrigues da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduado em Engenharia Civil pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, em 1979, Mestre em Engenharia Ambiental pela Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (Suiça), e DSc. Pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, na área de saneamento. Professor associado da Faculdade de Engenharia, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, atuando na graduação do Departamento de Engenharia Sanitária e do Meio Ambiente e nos Cursos de Pós-graduação em Engenharia Ambiental (Mestrado Profissional - PEAMB e Doutorado - DEAMB) e no Doutorado Multidisciplinar em Meio Ambiente (PPGMA). É pesquisador Procientista, com bolsa de produtividade. Atua nas áreas de gestão ambiental, gestão de resíduos  e educação ambiental.

Krishna Neffa Vieira de Castro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pós-Doutor em Ciências Ambientais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro PPG-MA/UERJ, Doutor em Políticas Públicas e Formação Humana pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - PPFH/UERJ, Mestre em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - CPDA/UFRRJ, possui pós-graduação Lato-sensu em Direito Processual pelo Centro de Ensino Superior de Valença - CESVA, graduação em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro em conjunto com a Faculdade de Direito de Valença. Trabalhou como supervisor jurídico-administrativo na empresa M.I. Montreal Informática LTDA até o ano de 2013. Atualmente é diretor da Vortex Consultoria. Tem experiência na área de Ensino e pesquisa em Ciências Sociais e Ciências Ambientais. Atua principalmente nos seguintes temas: Metodologia Científica, Sociologia, Sociologia do Direito, Filosofia, Filosofia do Direito, Direito Ambiental, Políticas Públicas, Socioeconomia e Meio Ambiente. Desenvolve estudos nas áreas de Ciências Sociais, Economia Política, Sustentabilidade, Desenvolvimento Sustentável e metodologias científicas de pesquisa.

Referências

ACSERALD, H.; LEROY, J. P. Novas premissas da sustentabilidade democrática. Projeto Brasil Sustentável e Democrático. Rio de Janeiro: Fase, Série Cadernos de Debate, n. 1, 2. ed., 2003.

ADORNO, T. L. W. Educação e emancipação. São Paulo. Paz e Terra, 2000.

ALIER, J. M. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto, 2007.

ALIMONDA, H. Introducción: Política, Utopía, Naturaleza. In: ALIMONDA, H. Ecología Política. Naturaleza, sociedad y utopía. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p.1-7, 2003.

ALIMONDA, H. Una nueva herencia em Comala: apuntes sobre la ecología política latinoamericana y La tradición marxista. In: ALIMONDA, Héctor. Los tormentos de La materia. Aportes para una ecología política latinoamericana. São Paulo: Ambiente & Sociedade, Ano IV, n. 9, p. 93-112. 2o Semestre de 2001.

ANTUNES, P. B. Direito ambiental. Rio de Janeiro: Lúmen Júris. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2006.

ARAÚJO, H. Tsunami de lama tóxica: o maior desastre ambiental do Brasil. Jornal El País, Brasil. Publicado em: 31 Dez. 2015. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/30/politica/1451479172_309602.html>. Acesso em: 3 jun. 2020.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense, 1983.

ARRUDA, M. Humanizar o infra-humano: a formação do ser humano integral: homo evolutivo, práxis e economia solidária. Petrópolis/RJ: Vozes, 2003.

ARRUDA, M. Tornar real o possível: a formação do ser humano integral, economia solidária, desenvolvimento e o futuro do trabalho. Petrópolis/RJ: Vozes, 2006.

BARBOSA, V. Os 10 maiores acidentes petrolíferos da história. São Paulo. Revista Exame, São Paulo. Publicado em 10 out. 2010. Disponível em <https://exame.com/mundo/10-maiores-acidentes-petroliferos-historia-556774/>. Acesso em: 1 mai. 2020.

BOHR, N. Física atômica e conhecimento humano: ensaios 1932-1957/Niels Bohr; tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

BURSZTYN, M.; PERSEGONA, M. A grande transformação ambiental: uma cronologia da dialética do homem-natureza. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CASTRO, R. P. Globalização. Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2020. [Online]. Disponível em: <http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/glo.html#:~:text=Ram%C3%B3n%20Pe%C3%B1a%20Castro,%E2%80%9D%20(Hobsbawn%2C%201995)>. Acesso em: 19 jun. 2020.

CHÂTELET, F. Uma história da razão: Entrevistas com Emile Noël. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

COSTA, D. T. et al. Grandes Impactos Ambientais no Mundo. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade. Curitiba, v.1, n.1, 2012.

COSTA, W. M. Bases epistemológicas da questão ambiental: determinações, mediações e contradições. Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos. Anais... Brasília: IBAMA, p. 99-105, 1989.

CUNHA, S. B. da. GUERRA, A. J. T. (orgs.). A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

DESCARTES, R. Discours de la Méthode. Paris: Garnier-Flammarion, 1966.

DIAMOND, J. Colapso: como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso. São Paulo: Record, 2005.

EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO (EBC). Desastres ambientais no Brasil. 2015. [Online]. Disponível em:<http://www.ebc.com.br/noticias/meio-ambiente/2015/11/conheca-os-principais-desastres-ambientais-ocorridos-no-brasil>. Acesso em: 1 jun. 2020.

EHRLICH, P. R.; EHRLICH, A. H. The Population Bomb. Rev. ed. New York: Random House, 1986.

FREITAS, C. M. et al. Desastres naturais e saúde: uma análise da situação do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva (Impresso), Fiocruz, v.19, n.9, p. 3645-3656, 2014..

GOSWAMI, A. Criatividade quântica: despertar o nosso potencial criativo. São Paulo: Aleph, 2008.

GREENPEACE BRASIL. Desastre no Golfo do México completa cinco anos. 2015. Disponível em: <https://www.greenpeace.org/brasil/blog/desastre-no-golfo-do-mexico-completa-cinco-anos/>. Acesso em: 10 mai. 2020.

HARVEY, D. Política anticapitalista em tempos de COVID-19. In: DAVIS, Mike, et al: Coronavírus e a luta de classes. Terra sem Amos: Brasil, p.13-24, 2020.

INSTITUTO ETHOS. Retrospectiva de 2019 e perspectivas para 2020 na área ambiental. São Paulo, 2020. Disponível em: <https://www.ethos.org.br/cedoc/retrospectiva-de-2019-e-perspectivas-para-2020-na-area-ambiental/>. Acesso em: 18 Jun. 2020.

KRISHNAMURTI, J. Comentários sobre o viver. São Paulo: Cultrix, 1992.

LAYRARGUES, P. P. Educação para a gestão ambiental: a cidadania no enfrentamento político dos conflitos socioambientais. In: LOUREIRO, C. F. B., LAYRARGUES, P. P., CASTRO, R. S. de (orgs.). Sociedade e meio ambiente: a Educação Ambiental em debate. São Paulo: Cortez, p. 1-34, 2000.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

LIPIETZ, A. A ecologia política, solução para a crise da instância política? In: ALIMONDA, H. (org.). Ecología Política. Naturaleza, sociedad y utopía. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p.8-15, 2002.

LOUREIRO, C. F. B. Teoria social e questão ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em Educação Ambiental. In: LOUREIRO, C. F. B., LAYRARGUES, P. P., CASTRO, R. S. de (orgs.). Sociedade e meio ambiente: a Educação Ambiental em debate. São Paulo: Cortez, p.13-51, 2000.

LOUREIRO, C. F. B.. Trajetórias e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

MARX, Kl. Manuscritos econômico-filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1963/64.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

MILANI, C. O Meio Ambiente e a Regulação da Ordem Mundial. Contexto Internacional. Rio de Janeiro: Puc Rio, v. 20, n. 2, jul/dez. 1998, p. 303-347.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Protocolo de Quioto. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/protocolo-de-quioto.html>. Acesso em: 25 mai. 2020.

MORIN, E. Entrevista. França: Jornal CNRS, 09 abril 2020.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2002.

MORIN, E.; CIURANA, E. R.; MOTTA, R. D. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2007.

MORIN, E.; LE MOIGNE, J. L. A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis, 2000.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Trion, 1999.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). População mundial atingiu 7,6 bilhões de habitantes. ONU News. Publicado em 21 Jun. 2017. Disponível em: <https://news.un.org/pt/story/2017/06/1589091-populacao-mundial-atingiu-76-bilhoes-de-habitantes>. Acesso em: 21 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU BRASIL). Brasil está entre os 10 países com maior número de afetados por desastres nos últimos 20 anos. Publicado em: 24 nov. 2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/onu-brasil-esta-entre-os-10-paises-com-maior-numero-de-afetados-por-desastres-nos-ultimos-20-anos/>. Acesso em: 18 mai. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU BRASIL). A ONU e o Meio Ambiente. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/acao/meio-ambiente/>. Acesso em: 25 mai. 2020.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE (OPAS); ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Folha informativa: COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Atualizada em: 17 jun. 2020. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875>. Acesso em:18 jun. 2020.

PORTO-GONÇALVES, C. V. O desafio ambiental. Rio de Janeiro, Distribuidora Record de Serviços de Imprensa S/A, 2004.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de Educação Ambiental transformadora e emancipatória. In: LAYRARGUES, P. P. (coord.). Identidades da Educação Ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 86-113, 2004.

RATIER, R. Quais foram os maiores desastres ecológicos no mundo? Revista Super Interessante. Atualizado em 4 jun. 2018. Disponível em:<https://mundoestranho.abril.com.br/ambiente/quais-foram-os-maiores-desastres-ecologicos-do-mundo/>. Acesso em: 3 jun. 2020.

ROSSET, C. A Anti-Natureza: elementos para uma Filosofia Trágica. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989.

SANTOS, B. de S. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo: Cortez, 2000. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência.

SILVA, E. R. da; SCHRAMM, R. F. A questão ecológica: entre a ciência e a ideologia/utopia de uma época. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.13, n.3. p. 355-382, jul-set, 1997.

SILVA, E. R. 212 f. O curso da água na história: simbologia, moralidade e a gestão de recursos hídricos. Tese (Doutorado em Saúde Pública). Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública. Fundação Oswaldo Cruz, 1998.

SIMÃO FILHO, M. Crise e Sustentabilidade no uso dos Recursos Pesqueiros. Brasília: Ibama, 2003.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION (UNESCO). The precautionary principle. Paris: Unesco, 2005. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139578>. Acesso em: 5 mai. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Coronavirus disease (COVID-19). Situation Report – 149. Disponível em: <https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200617-COVID-19-sitrep-149.pdf?sfvrsn=3b3137b0_8>.Acesso em: 18 mai 2020.

Downloads

Publicado

06-08-2020

Como Citar

Castro, E. M. N. V. de, Silva, E. R. da, & Castro, K. N. V. de. (2020). Educação Ambiental para além do capital: um desafio do século XXI. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(4), 507–527. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10839

Edição

Seção

Edição Especial
Recebido: 2020-06-29
Aceito: 2020-07-26
Publicado: 2020-08-06

Artigos Semelhantes

<< < 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.