POUPANÇA INDIVIDUAL DE APOSENTADORIA

PIÁ

  • Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub Professor de Economia e Finanças da UNIFESP e pesquisador do CES
  • Arthur Bragança de Vasconcellos Weintraub Professor de Direito Atuarial e Previdenciário da UNIFESP e pesquisador do CES
  • Onyx Lorenzoni Deputado Federal
  • Giuseppe Ludovico Professor de Direito Previdenciário e Trabalhista da Universidade de Milão e pesquisador do CES
Palavras-chave: poupança, individual, aposentadoria, justiça social, eficiência financeira, transparência

Resumo

Este artigo apresenta o conceito da poupança individual de aposentadoria – PIÁ – adaptado à realidade brasileira. Dentro de uma estrutura atuarial, a plataforma do Tesouro Direto é utilizada como fundamento para a implementação de um sistema apto a proteger os valores dos participantes, evitando-se os históricos de má-gestão, corrupção, falta de transparência ou altas taxas de administração inerentes ao sistema de previdência privada brasileiro ou mundial. Outro aspecto é a isenção tributária, hoje existente para grandes investidores, que seria estendida para esta plataforma, estimulando a elevação da taxa de poupança nacional e diminuindo a dependência do país do capital estrangeiro.

Referências

ALVAREZ VILELLA, P.; LEAL, R. P. C. O desempenho de fundos de renda fixa e o índice de renda de mercado (IRF-M). RAE eletrônica, São Paulo, v. 7, n.1, Junho de 2008. Disponível em< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-56482008000100003&lng=en&nrm=iso> Acesso em 23 de maio de 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1676-56482008000100003.

AMARAL, Tânia Raquel dos Santos.Análise de performance de fundos de investimento em previdência. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, 2013.

ANDERSON, S.; BORN, J. A.; SCHNUSENBERG, O. Closed-End Funds, Exchange-Traded Funds and Hedge Funds: Origins, Functions and Literature. 1st edition. New York: Springer Science. 2010. 127 p. (Innovations in Financial Markets and Institutions, volume 18).

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DOS MERCADOS FINANCEIROS E DE CAPITAIS – ANBIMA. 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento, São Paulo, 18 e 19 de maio de 2012. Divulgação da pesquisa Radiografia do Investidor, realizada pelo Ibope Inteligência. Disponível em http://www.anbima.com.br/eventos/evt/fundo_investimento/noticias/005.asp. Acesso em 20 de abril de 2013.

BAIMA, F. R. Análise de desempenho dos investimentos dos fundos de pensão no Brasil. Santa Catarina, 1998. Dissertação (Mestrado) – Programa de pós-graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 1998.

BOGLE, J. C. Common Sense on Mutual Funds: Fully Updated 10th Anniversary Edition. New Jersey: John Wiley & Sons. 2010. 613 p.

BRASIL, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/pib/pib-vol-val_201203_9.shtm> acesso em 02/03/2013.

BRASIL, MINISTÉRIO DA FAZENDA. Balanço do Tesouro Direto. Maio de 2017.

CUTHBERTSON, K.; NITZSCHE, D.; O’SULLIVAN, N. Mutual Fund Performance: Measurement and Evidence. In: Financial Markets, Institutions & Instruments. New York, v. 19, n. 2, p. 95-187. Maio 2010.

DINIZ JÚNIOR, A. A. Análise de desempenho de fundos mútuos de ações. São Paulo, 1997. 141p. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – EAESP – FVG. São Paulo. 1997.

GIL-BAZO, J.; RUIZ-VERDÚ, P. The relation between price and performance in the mutual fund industry. Journal of Finance. V. 64, n. 5, p. 2153-2183. Outubro 2009.

GRANT, T. Mutual fund churns can damage investments. Pittsburgh Post-Gazette (PA). Pittsburgh, August, 6, 2012.

GRIFFITHS, A. Fees can destroy mutual fund returns. Toronto Star. Toronto, January, 23, 2012.

HAO, G. Q.; YAN, X. S. The performance of investment bank-affiliated mutual funds: conflicts of interest or informational advantage? Journal of Financial & Quantitative Analysis. New York, v. 47, n3, p. 537-565. September 2012.

HASLEM, J.; BAKER, K.; SMITH, D. Identification and Performance of equity mutual funds with excessive management fees and expense ratios. Journal of Investing. New York, v. 16, n. 2, p. 1-20. Summer 2007.

INFOMONEY, Não compensa”, diz especialista sobre previdência privada. Disponível em: http://www.infomoney.com.br/onde-investir/previdencia/noticia/3925236/nao-compensadiz-especialista-sobre-previdencia-privada-veja-opcoes

LUDOVICO G., Mudanças demográficas e reformas da aposentadoria na Itália, in Revista Brasileira de Previdência, 2017,6ª edição – Novembro de 2017, http://revbprev.unifesp.br

MATALLIN-SAEZ, J. C.; SOLER-DOMINGUEZ, A.; TORTOSA-AUSINA, E. Mutual fund performance: banking versus independent managers. Applied Economic Letters. Abingon: Routledge. Vol 19, n. 7, p. 755-758. Maio de 2012.

MITCHELL, O. S.; USEEM, M. Holders of the public pension strings: governance and performance of public retirement systems. Wharton School Pension Research Council, University of Pennsylvania, Pension Research Council Working Papers, edição 97, parte 5. 32 p. 1997.

NANIGIAN, D. Advice on mutual fund selection. Journal of Financial Service Professionals. Vol. 66, n. 5, p. 72. Setembro de 2012.

PERSIANI M., Diritto della previdenza sociale, Cedam, Padova 2014

RABELO, F. M. Gestão e Desempenho dos Fundos de Pensão; Management and Performance of Pension Funds. Paper do Núcleo de Pesquisas e Publicações da EAESP/FVG. 58 p. 2005.

RAO, S. P. U.; DAS, P.; BOUDREAUX, D. Fees for shareholders of international mutual funds. International Research Journal of Finance and Economics, n. 89, p. 102-107. Abril de 2012. RETAIL mutual funds are gaining rapid popularity in emerging markets to Brazil, China and India.

MARKET WATCH. Caderno de Financial Services. Abril de 2012.RIFKIN, J. The Age of Access – the new culture of hypercapitalism where all of life is a paid-for experience. New York: Jeremy P. Tarcher/Putnam (a member of Penguin Putnam Inc). 312 p. 2001.

SILVA, D. R. G. da. As filosofias de investimento e o desempenho dos fundos abertos de previdência complementar: um estudo descritivo. Curitiba, 2011. 103 p. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – PUC-Paraná. Curitiba, 2011.

WEINTRAUB, A. B. de V. Previdência Privada – Atual Conjuntura e sua Função Complementar ao Regime Geral da Previdência Social. 2ª edição. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira. 2003.

WEINTRAUB, A. B. de V. The Performance of Open -end Brazilian Fixed Income Mutual Funds for Retail Clients. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – EAESP – FGV. São Paulo.

WEINTRAUB, A. B. V. The Good, the Bad and the Ugly: Mutual Funds and Private Pension Funds industry, who gets the Lion?s Share: Government, Asset Managers or Clients? Revista Brasileira de Previdência, v. 1, p. 2, 2012.

WEINTRAUB, A. B. V.. Previdência Privada ? Doutrina e Jurisprudência. 1. ed. São Paulo: Quartier Latin, 2005.

WEINTRAUB, A. B. V.. Private pension law in Brazil and private pension systems in South America. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

WEINTRAUB, A. B. V.;WEINTRAUB, A. B. V.. Reforma da previdência no Brasil: aposentadoria pública fásica ou gradual. Revista Brasileira de Previdência, 5ª edição – Novembro de 2016, p. 11 e Revista Chilena de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social, v. 7, p. 85, 2016

WORLD ECONOMIC FORUM, Case Studies in Retirement System Reform. White paper, 2017,www.weforum.org

Publicado
2019-03-22
Como Citar
Weintraub, A. B. de V., Weintraub, A. B. de V., Lorenzoni, O., & Ludovico, G. (2019). POUPANÇA INDIVIDUAL DE APOSENTADORIA. Revista Brasileira De Previdência, 6, x. Recuperado de https://periodicos.unifesp.br/index.php/previdencia/article/view/9311
Edição
Seção
Artigos