Os efeitos da hidroterapia na hipertensão arterial e freqüência cardíaca em pacientes com AVC

Autores

  • Maryana Therumy Kabuki
  • Tatiana Sacchelli de Sá

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2007.v15.10292

Palavras-chave:

Acidente Cerebrovascular, Pressão Arterial, Freqüência Cardíaca, Hidroterapia

Resumo

A hipertensão arterial sistêmica é uma das causas relacionadas ao surgimento dos acidentes cerebrovasculares. A hidroterapia, em água aquecida associada com a atividade física atua na pressão arterial e na freqüência cardíaca, alterando seus valores. Objetivo. Verificar os efeitos da hidroterapia na pressão arterial e na freqüência cardíaca, em pacientes portadores de acidente cerebrovascular. Método. Participaram dessa pesquisa dois pacientes, sendo um sexo feminino e outro do sexo masculino, ambos com 65 anos de idade, com diagnóstico de acidente cerebrovascular há um ano, e que nunca haviam realizado qualquer tipo de tratamento fisioterapêutico. Foram realizadas 24 sessões de hidroterapia, em água aquecida a 34 graus centígrados, no qual foram analisadas a freqüência cardíaca e a pressão arterial antes e após cada sessão. A terapia foi baseada em exercícios de alongamento global, exercícios ativo-livres, exercícios passivos e de condicionamento cárdio-respiratório. Resultados. Os pacientes apresentaram pressão alta antes do início de cada sessão e após o término de cada terapia, apresentaram diminuição tanto na pressão sistólica, quanto na diastólica. A freqüência cardíaca teve seu valor aumentado após as sessões, porém durante os treinos cárdio-respiratorios com a imersão de face, houve uma diminuição da freqüência cardíaca. Discussão. Os pacientes avaliados apresentaram uma diminuição da pressão sistólica em 4,1% e da pressão diastólica em 10,1%, após as terapias. A freqüência cardíaca teve um aumento de 15,3% após as sessões, e durante uma queda de 1%. Conclusão. Verificou-se que a hidroterapia e a atividade física, quando associadas, atuam tanto na pressão arterial , quanto na freqüência cardíaca.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Lewis RM. Tratado de Neurologia. 10º edição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 460p.
2. Greenberg DA, Michael JA, Simon RP. Neurologia Clínica. 5º edição, São Paulo: Artmed, 2005,170 p.
3. Foss ML, Keteyian SJ. Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6º edição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 460p.
4. Ruoti RG, Morris DM, Cole AJ. Reabilitação Aquática. São Paulo: Manole, 2000, 463p.
5. Souza SEM. Tratamento das doenças neurológicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 960p.
6. Ekman LL. Neurociência fundamentos para a reabilitação. 2º edição. Rio de Janeiro: 2004, 477p.
7. Skinner AT, Thomson AM. Duffiled: Exercícios na água. São Paulo: Manole, 1985, 210p.
8. Campane RZ, Gonçalves A. Atividade física no controle da hipertensão arterial.Rev bras med 2002;59(8):561-567.
9. Guyton AC, Hall JE. Tratado de Fisiologia Médica. 100 edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 973p.
10. Campion MR Hidroterapia princípios e prática. São Paulo: Manole, 2000, 332p.
11. Klemm M, Alvarenga J, Fantoni DT, Silva LCLC, Auler JO. Estudo comparativo dos efeitos da ventilação mecânica controlada (VMC) com ou sem o emprego da pressão positiva no final da expiração (PEEP) sobre variação da pressão interpleural em anestesia eqüina. Braz J Vet Res Anim Sci 1998;35(6):260-265.

Downloads

Publicado

2007-06-30

Como Citar

Kabuki, M. T., & Sá, T. S. de. (2007). Os efeitos da hidroterapia na hipertensão arterial e freqüência cardíaca em pacientes com AVC. Revista Neurociências, 15(2), 131–134. https://doi.org/10.34024/rnc.2007.v15.10292

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

<< < 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.