Arquivo Figura

Arquivo Figura: Estudos sobre a tradição Clássica

Figura: Estudos sobre a Tradição Clássica foi fundada em 2013 pelo prof. Dr. Luiz Marques com objetivo de ser um espaço para a difusão de estudos sobre a tradição clássica. Vinculada à Sociedade Brasileira de Estudos do Renascimento (SBER), sua publicação foi levada adiante por pesquisadores e professores da UNICAMP, UERJ e UNIFESP. A revista logo se tornou um espaço vivaz, abrigando estudos de várias temporalidades, disciplinas e geografias. Sua publicação contribuiu enormemente para consolidar, no Brasil, os estudos medievais e do Renascimento no campo da História da Arte.

Em 2023, após completar 10 anos, a revista entra em um hiato. Nesta fase, seus arquivos passam a ser disponibilizados na plataforma eletrônica da UNIFESP, gentilmente hospedada pela Imagem: Revista de História da Arte.  Garantimos, assim, o publico acesso às pesquisas publicadas, de acordo com a filosofia original da revista, bem como preservamos sua memória, na esperança de que este projeto tão importante possa ser retomado no futuro.

 

Foco e escopo

Figura: Estudos sobre a Tradição Clássica é uma revista internacional a ser publicada on-line e com acesso irrestrito, a fim de disseminar pesquisas e redações atuais sobre o repertório da tradição clássica. A revista abrange estudos da cultura visual e textual da Antiguidade, bem como apropriações e transfigurações desse legado no mundo antigo e pós-antigo. A pós-antiguidade pode ser considerada para incluir o período contemporâneo; portanto, o ponto de corte usado como quadro de referência para o conteúdo proposto por Figura é conceitual e não temporal, o que exige uma distinção a esse respeito.

 

Tradição Clássica

É útil observar a multidimensionalidade da noção de “clássico” adotando uma abordagem anteriormente vista como negativa. O clássico aqui não se refere a um estilo codificado nos vários classicismos históricos cujas características compartilhadas, por assim dizer, eram a preferência por um repertório elevado, um senso de centralidade, unidade, transparência estrutural, um ideal de simplicidade, um gosto pelo jogo disciplinado entre regra e variedade. Em segundo lugar, o clássico aqui não tem relação com uma psicologia da percepção que veria nele uma constante do espírito. Em terceiro lugar, o clássico aqui não estaria associado a nenhum resíduo julgador, no âmbito de uma antítese clássica / anticlássica, na qual o segundo termo seria reservado a impulsos ou impulsos de natureza criativa, inovadora, experimental ou subjetiva.

Uma vez liberada desses três sentidos “clássicos” envolvidos em perspectivas excessivamente específicas, a noção de tradição clássica pode ser definida de maneira mais objetiva. Refere-se ao processo histórico pelo qual as culturas surgidas da Antiguidade mediterrânea estruturaram suas coordenadas mentais, tópicos e procedimentos argumentativos para constituir um repertório de formas (visual, literária, retórica, mitológica, filosófica, religiosa, científica, musical, etc.) em um movimento incessante de cristalização, transmissão e transformação dos significados dos modelos antigos.

 

Objetivo

Nesta perspectiva conceitual, o objetivo da Figura é estimular estudos acadêmicos de fenômenos e questões específicas claramente delimitados, mas com o espírito de incentivar o diálogo entre diferentes campos do conhecimento e ampliar o debate, atendendo ao autônomo – e ao mesmo tempo interconectado – caráter das esferas da cultura visual e textual.

Em suma, incentiva pesquisas que não perdem de vista os vários aspectos do termo para o qual o periódico foi nomeado – Figura – divulgado pelo ensaio infalivelmente contemporâneo de Erich Auerbach de 1938 [1]. Do exílio em Istambul, Auerbach teve um alcance muito maior ao narrar o gesto de uma palavra europeia cuja plasticidade está inscrita em sua própria história. Seu sentido original era concreto e visual – “objeto modelado em argila” por um oleiro (figulus [2]), mas mais camadas de significado foram gradualmente adicionadas, abrangendo aparência sensível e formas relacionadas à gramática, retórica, lógica, matemática e depois até música e dança.

 

Utque Novis facilis signatur cera figuris

Nec manet ut fuerat Formas ne SERVAT easdem,

Sed tamen ipsa eadem est ... [3]

 

Estrutura Editorial

Figura espera publicar estudos em arqueologia e história da arte, permanecendo aberto a estética e história da literatura, música, retórica, filosofia e religião, priorizando abordagens que não percam de vista a Antiguidade como o quadro de referência em que os fenômenos estudados estão situados.

Essa estrutura editorial visa oferecer uma gama de textos em que os estudos e textos atuais do repertório são equilibrados e correspondem entre si, sejam fontes ou marcadores significativos na história da reflexão sobre a tradição clássica.

 

Sempre que possível, portanto, cada edição da Figura conterá:

  1. um dossiê temático;
  2. estudos ocasionais;
  3. um comentário sobre uma exposição ou uma iniciativa museológica;
  4. uma revisão de um ensaio ou nova publicação;
  5. uma fonte ou texto do repertório, precedido por uma introdução contextualizando-o e justificando sua relevância.

 

Figura aceitará contribuições em inglês, francês, italiano, espanhol e português.

*A Revista não cobra nenhum tipo de taxa para submissão ou edição de propostas e seu acesso é livre.

* The Journal dos not charge for submissions or processing. Figura is an open access journal.

_________________________________________________________________ 
[1] Cf. Erich Auerbach, “Figura”. Archivium Romanicum, 22, 1938, pp. 436-489, republicado em Neue Dantestudien, Istambul: I. Horoz, 1944.

[2] Cf. A. Ernout, A. Millet, Dictionnaire étymologique de la langue latine (1932), Paris: Klincksieck, 2001, p. 235: “fingo, -is, finxi, fictum, -gere: propriedade ‘modeler dans l'argile’, cf. figulus, «potier» (…); fictício ‘pâtissier’ e ‘sculptpteur’; (…) Varr., LL 7: fictor cum dicit fingo, figuram imponit [“O criador de imagens (fictor), quando diz fingo (eu formo), coloca uma figura na coisa”]. Puis par extension: “façonner” (de um modo geral, sentido físico e moral)”.

[3] Ovídio, Met., XV, 169-171, ed. G. Lafaye, Paris: Les Belles Lettres, 1962, vol. III, p. 126. (“E como a cera macia é carimbada com novas figuras e não permanece como era, nem mantém as mesmas formas, embora permaneça a mesma ...”).

 

Histórico de Editores

2013 – 2014

Luiz Marques

Luciano Migliaccio

 

2015 – 2016

Alexandre Ragazzi

 

2017 – 2020

Alexandre Ragazzi

Patricia Meneses

Cassio Fernandes

 

2020 – 2022

Fernanda Marinho

Evelyne Azevedo

 

Editorial Board

Cássio Fernandes - Universidade Federal de São Paulo, Brazil

Alexandre Ragazzi - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brazil

Maria Berbara - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brazil

Luiz Marques - Universidade Estadual de Campinas, Brazil

Tamara Quírico - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brazil

 

International Advisory Board

Juliana Barone - Birkbeck University of London, United Kingdom

Jens Baumgarten - Universidade Federal de São Paulo, Brazil

José Emilio Burucúa - Universidad Nacional de San Martín, Argentina

Liana de Girolami Cheney - SIELAE, Universidad de Coruña, Spain

Gerardo de Simone - Accademia di Belle Arti di Carrara, Italy

Maurizio Ghelardi - Scuola Normale Superiore di Pisa, Italy

Juan Luis González García - Universidad Autónoma de Madrid, Spain

Alessandro Nova - Kunsthistorisches Institut in Florenz, Italy

Carlo Rescigno - Seconda Università degli Studi di Napoli, Italy

Neville Rowley - Staatliche Museen zu Berlin, Germany

Claudia Valladão de Mattos - Universidade Estadual de Campinas, Brazil

 

Catalogação na Publicação elaborada por: Gildenir Carolino Santos - CRB-8ª/5447

Copyrights

The journal Figura: Studies on the Classical Tradition uses the Creative Commons (CC) license, thus preserving the integrity of the articles in an open access environment. The journal allows the author to hold the publication rights without restrictions.

 

Ethics

Figura: Studies on the Classical Tradition (Sistema de Bibliotecas/UNICAMP), electronic ISSN 2317-4625, is dedicated to complying with good practices regarding moral conduct consistent with scientific journal editing, based on the COPE (Committee on Publication Ethics) code of conduct. The prevention of negligence is also a crucial responsibility of the editor and the editorial team: any form of unethical behavior, as well as plagiarism in any instance, is not accepted in Connections. Authors submitting articles to the journal declare that their content is original and guarantee that the work has not been published nor is in the process of review/evaluation in any other journal.