O genocídio em Ruanda e a inércia da comunidade internacional

  • Marina Gusmão de Mendonça Bacharel em História e em Direito pela Universidade de São Paulo (USP); Mestre e Doutora em História Econômica pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCHUSP); possui Pós-Doutorado em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Campus de Marília; Professora Adjunta temporária da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios (EPPEN) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Campus de Marília
Palavras-chave: África, Ruanda, Genocídio, Organização das Nações Unidas, UNAMIR

Resumo

Entre abril e julho de 1994, o mundo assistiu impassível ao extermínio de mais de 800.000 pessoas em Ruanda. Tal morticínio é considerado o terceiro maior ocorrido desde 1950, comparável apenas àqueles verificados no Cambodja e em Bangladesh, na década de 1970. Entretanto, no caso de Ruanda, há um dado assustador: por ocasião da matança, a população do país era de aproximadamente 7.500.000 habitantes, sendo 6.300.000 hutus, 1.100.000 tutsis e 100.000 pigmeus. Isto significa que cerca de 11% dos ruandeses e ¾ da população tutsi foram eliminados em apenas um trimestre. A comunidade internacional nada fez para evitar a matança. Pelo contrário: além de não intervir diretamente, a Organização das Nações Unidas (ONU) reduziu drasticamente o contingente da força de paz que mantinha em Ruanda, a despeito das advertências do General Roméo Alain Dallaire, comandante das tropas da UNAMIR, de que a tragédia estava a caminho. Passado o estupor provocado pelo genocídio, restou o problema fundamental da reconstrução do país. A esse respeito, é preciso assinalar as precaríssimas condições econômicas da região, o que é agravado pelo estraçalhamento do tecido social durante a matança. Ademais, não podemos esquecer que, se em 1994, o mundo assistiu passivamente à dilaceração de Ruanda, agora poucos estão preocupados com as dificuldades de reconstrução de um lugar que não tem importância estratégica e não dispõe de grandes riquezas naturais.Os fatores que levaram ao genocídio em Ruanda e a inércia da comunidade internacional para impedir o massacre são os temas deste artigo.

Referências

ALVES, Ana Cristina Araújo. Além do Ocidente, além do Estado e muito além da Moral: por uma política eticamente responsável em relação à diferença – o caso ruandês. Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 27, nº 2, julho-dezembro/2005 (disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292005000200002&Ing=pt&nrm=iso – acesso em 27/7/2013).

BARNETT, Michael. Bureaucratizing the duty to aid: the United Nations and Rwandan genocide (disponível em: http://www.newschool.edu/uploadedFiles/TCDS/Democracy_and_Diversity_Institutes/Barnett_Bureaucratizing%20the%20Duty%20to%20Aid.pdf – acesso em 27/5/2010).

COQUERY-VIDROVITCH, C.; MONIOT, H. África negra: de 1800 a nuestros días.Barcelona: Labor, 1976.

DALLAIRE, Roméo Alain, Gal. Frontline: ghosts of Rwanda (disponível em: http://www.pbs.org/wgbh/pages/frontline/shows/ghosts/interviews/dallaire.html - acesso em 18/9/2010).

DES FORGES, Alison. Land in Rwanda: winnowing out the chaff. L’Afrique des Grands Lacs. Annuaire 2005-2006 (disponível em: http://www.ua.ac.be/objs/00151020.pdf - acesso em 27/5/2010).

DIAMOND, Jared. Malthus na África: o genocídio em Ruanda In: Colapso. Rio de Janeiro:Record, 2005.

GOUREVITCH, Philip. Gostaríamos de informá-lo de que amanhã seremos mortos com nossas famílias. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GRIMM, Sven et al. Coordinating China and DAC development partners: challenges to the aid architecture in Rwanda. Bonn: Deutsches Institut für Entwicklugnspolitik, 2010.KAPUSCINSKI, Ryszard. Uma palestra sobre Ruanda In: Ébano. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

KI-ZERBO, Joseph. História da África negra. Lisboa: Publicações Europa-América, s.d., 2 v.

MAQUET, J. J. El reino de Ruanda In: FORDE, Daryll, org. Mundos africanos. México: Fondo de Cultura Económica, 1975.

OGOT, B. A. A região dos grandes lagos In: NIANE, D. T., org. História geral da África: a África dos século XII ao século XVI. São Paulo: Ática/UNESCO, 1988, v. 4.

PINTO, Teresa Nogueira. Ruanda: entre a segurança e a liberdade. Relações Internacionais. Lisboa, nº 32, dezembro/2011 (disponível em:

http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/acielo.php?cript=sci_arttext&pid=S1645-91992011000400004&Ing=pt&nrm=iso – acesso em 27/7/2013).

SPEKE, John Hanning. The journal of the discovery of the source of the Nile. Nova York: Harper & Brothers, 1864 (disponível em: http://books.google.com.br/books?id=W1YMAAA).

TAYLOR, Christopher C. Sacrifício rei, Estado ruandês e genocídio. Caderno CRH. Salvador, v. 24, nº 61, janeiro-abril/2011 (disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792011000100005&Ing=pt&nrm=iso – acesso em 27/7/2013).

UNITED NATIONS. Report of the independent inquiry into the actions of the United Nations during the 1994 genocide in Rwanda (disponível em: www.un.or/news/dh/latest/rwanda.htm - daccess-dds-ny.un.org.doc/UNDOC/GEN/N99/395/50/IMG/N9939550.pdf?OpenElement - acesso em 27/7/2013).

VANSINA, Jan. Antecedents to modern Rwanda. Madison, Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 2004.

Publicado
2017-12-22
Como Citar
Mendonça, M. G. de. (2017). O genocídio em Ruanda e a inércia da comunidade internacional. Revista Hades, 1(1), 1-28. https://doi.org/10.34024/hades.2017.v1.7961
Seção
Artigos