Sociologia e gestão ambiental: considerações a partir de uma Reserva Extrativista Marinha

Autores

  • Maria Cristina Alves Maneschy Instituto Tecnológico Vale Desenvolvimento Sustentável (ITV) / Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Tânia Guimarães Ribeiro Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Edma Silva Moreira Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará -UNIFESSPA
  • Fernanda Valli Nummer Universidade Federal do Pará
  • Ida Lenir Maria Pena Gonçalves Instituto Tecnológico Vale, Instituto Tecnológico Vale - ITV

DOI:

https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.18

Resumo

No Brasil, Reserva Extrativista é uma categoria de unidade de conservação de gestão compartilhada entre moradores, usuários, representantes de órgãos públicos e privados e da sociedade civil. Este artigo objetiva compreender como tais atores interagem para construir essa instituição de modo participativo. Aplica os conceitos sociológicos de redes sociais, capital social e cultural, habitus e campo, gestão de recursos comuns e governança interativa na análise da experiência da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, no município de Bragança, Pará. A pesquisa de base utilizou uma metodologia qualitativa, incluindo análise documental sobre pesca no litoral amazônico, entrevistas semidiretivas com pescadores locais e observações em reuniões da Associação de Moradores e Usuários da Reserva, no decorrer de 2012. Como resultados, constatou-se que as redes sociais entre usuários, especialmente pescadores, eram incompletas, mais densas no nível local e com poucos elos externos, daí a contradição entre a regulação da pesca nas águas próximas e a desregulação distante. Entretanto, cresce a consciência de cuidados com o meio ambiente no novo território. Os comitês locais, as assembleias e a elaboração conjunta de regras e planos impulsionam o aprendizado interativo, apesar das desigualdades de capitais dos atores envolvidos.

Palavras-chave: cogestão, participação, reserva extrativista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Alves Maneschy, Instituto Tecnológico Vale Desenvolvimento Sustentável (ITV) / Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutora em Sociologia pela Universidade Toulouse-Le Mirail

Professora e pesquisadora associado do Instituto Tecnológico Vale Desenvolvimento Sustentável e do PPGSA da Universidade Federal do Pará

Tânia Guimarães Ribeiro, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutora em Sociologia pelo PPGSA/UFRJ

Professora da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia - PPGSA/IFCH/UFPA

Edma Silva Moreira, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará -UNIFESSPA

Doutorado em Ciências Sociais

Universidade Federal do Pará

Université Paris 13

Professora do Mestrado em Dinâmicas Sociais e Sociedade na Amazônia- PDTSA e da
Faculdade de Ciências Sociais do Araguaia Tocantins- FCSAT

Fernanda Valli Nummer, Universidade Federal do Pará

Doutora em Antropologia Social - UFRGS

Professora Adjunta do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - UFPA, Belém-PA

Ida Lenir Maria Pena Gonçalves, Instituto Tecnológico Vale, Instituto Tecnológico Vale - ITV

Doutora em Ciências Sociais

Bolsita de Pós-Doutorado do
Instituto Tecnológico Vale - ITV

Downloads

Publicado

2017-10-27

Como Citar

Maneschy, M. C. A., Ribeiro, T. G., Moreira, E. S., Nummer, F. V., & Gonçalves, I. L. M. P. (2017). Sociologia e gestão ambiental: considerações a partir de uma Reserva Extrativista Marinha. Ciências Sociais Em Revista, 53(2), 339–348. https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.18

Edição

Seção

Artigos