Redes Sociais, Facebook e debate político: olhares dos movimentos sociais

Autores

  • Denise Osório Severo Universidade de Brasília - Professora Adjunta do Departamento de Saúde Coletiva
  • Maria da Graça Luderitz Hoefel Universidade de Brasília - Professora Adjunta do Departamento de Saúde Coletiva
  • Helena Shimizu Universidade de Brasília - Professora Adjunta do Departamento de Saúde Coletiva

DOI:

https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.03

Resumo

Este artigo tem o objetivo de conhecer as concepções de integrantes de diferentes movimentos sociais sobre as potencialidades do Facebook e das redes virtuais como espaços de debate político, buscando identificar as possíveis interfaces entre os diferentes olhares e os principais conceitos de tecnologia referidos na literatura. Trata-se de uma pesquisa participante, de abordagem qualitativa, cujos dados são advindos de entrevistas semi-estruturadas efetuadas no início de 2014, além de observação participante, diário de campo e registros fotográficos, realizados com militantes de cinco movimentos e redes sociais distintas. Os resultados evidenciam que, no referido período histórico, o Facebook e as redes virtuais ainda representavam um campo impreciso com o qual boa parte dos movimentos sociais, especialmente os clássicos, estavam tentando lidar e compreender, haja vista que instituíam novas formas de atuação e organização muito distintas dos modos como historicamente os movimentos sociais se organizaram e empreenderam suas lutas. Nota-se que não havia consenso acerca das potencialidades do Facebook e das redes virtuais enquanto esferas de debate político.

Palavras-chave: movimentos sociais, redes sociais, tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-10-27

Como Citar

Severo, D. O., Hoefel, M. da G. L., & Shimizu, H. (2017). Redes Sociais, Facebook e debate político: olhares dos movimentos sociais. Ciências Sociais Em Revista, 53(2), 194–201. https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.03

Edição

Seção

Dossiê: As redes depois dos levantes e na crise da globalização: a autonomia entre restauração e comum