Entre precariedade e resistência: a cidade como espaço de produção e luta no capitalismo cognitivo

Autores

  • Carolina Salomão Corrêa

DOI:

https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.01

Resumo

Este artigo propõe identificar as relações que são possíveis estabelecer entre as transformações do trabalho e o recente ciclo global de lutas. A compreensão partilhada é de que, a partir da década de 1970, o capitalismo entra em uma fase de transformação, caracterizada pelo crescimento do papel das dimensões cognitivas do trabalho. Diferentemente da dinâmica fordista, que tendia a excluir a subjetividade do trabalhador nos processos produtivos, o trabalho pós-fordista exige a participação subjetiva do trabalhador não apenas na produção. Isto é, no regime de acumulação do que aqui nomeamos capitalismo cognitivo, o trabalhador participa por meio da sua capacidade de criar, imaginar, intervir, mas, também, nas dinâmicas de circulação. A produção contemporânea se dá extrapolando os espaços de confinamento fabris de outrora, difundindo-se por todo o tecido social em uma cooperação entre redes e ruas. Nesse contexto, a cidade converte-se em espaço de produção e valorização do trabalho. Diante das condições de vida e trabalho na cidade, cada vez mais precária, a metrópole constitui-se também como terreno das lutas por melhores condições de vida e gestão democrática da cidade. Enquanto, nas fábricas, os trabalhadores se organizavam em torno dos direitos relativos a salários e horários; na cidade, a multidão luta pela infraestrutura física e imaterial para a vida social, esta que, em última análise, alimenta a economia cognitiva. É nesse sentido que as revoltas recentes nas metrópoles globais correspondem às lutas do trabalho contemporâneo. Este texto pensa a necessidade de criar uma nova agenda política que faça justiça à nova composição técnica do trabalho.

Palavras-chave: precariedade, cidade, multidão, lutas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Salomão Corrêa

Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro . Possui graduação em Comunicação Social pela mesma instituição. É Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010). É membro pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Memória, Subjetividade e Cultura (NIMESC/PUC-Rio). Foi Bolsista Capes (2008-2010); CNPq (2012-2014) e Bolsista Nota 10 Faperj (2014/2016). Interesse de pesquisa nas temáticas da juventude, trabalho, política e metodologia em Ciências em Humanas.

Downloads

Publicado

2017-10-27

Como Citar

Corrêa, C. S. (2017). Entre precariedade e resistência: a cidade como espaço de produção e luta no capitalismo cognitivo. Ciências Sociais Em Revista, 53(2), 174–186. https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.2.01

Edição

Seção

Dossiê: As redes depois dos levantes e na crise da globalização: a autonomia entre restauração e comum