A abstinência voluntária do consumo de carne pode ser compreendida como um princípio ético?

Autores

  • Marta Luciane Fischer Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Andressa Luiza Cordeiro Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Rafael Falvo Librelato Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.4013/csu.2016.52.1.14

Resumo

Este artigo aborda a relação entre a preocupação da sociedade com as crueldades dispensadas aos animais e a abstinência voluntária do consumo de carne. Por meio de uma avaliação quantitativa de textos científicos e concepções de cidadãos, o estudo traz uma reflexão balizada por diferentes visões a respeito dos fatores promotores do consumo, muitas vezes gerador de vulnerabilidades, que demandam a incorporação de novos paradigmas norteadores de escolhas conscientes da realidade envolvida no sistema de produção animal. Embora a dieta seja fundamentada por inúmeros fatores biopsicossociais, o acesso à informação, principalmente a respeito do conhecimento científico sobre a consciência animal, somado à consolidação da bioética, contribui para a solidificação de uma consciência crítica a respeito do tratamento aos animais e potencialmente constitui um estímulo a mais para a decisão de se abster do consumo de carne. O vegetarianismo, nas suas diferentes expressões, muitas vezes não representa simplesmente um hábito alimentar, mas uma mudança de conduta, visando a uma melhor interação com a natureza, independentemente da área de formação acadêmica, mudança esta que ultrapassa a visão sobre o bem-estar animal, alcançando outras esferas de abuso de sujeitos vulneráveis aos interesses econômicos. Assim, mudar concepções éticas exige decisões racionais, as quais devem ser balizadas por princípios éticos consolidados e intermediadas por um diálogo promovido por uma ciência como a Bioética Ambiental, a qual se propõe a intermediar questões complexas, globalizadas e plurais na busca de soluções consensuais para todos os atores envolvidos, desta e de futuras gerações.

Palavras-chave: bem-estar animal, bioética ambiental, vegetarianismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Luciane Fischer, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Bióloga e Arte Educadora, mestrado e doutorado em Zoologia e Pós-doc em Comunicação Química. Coordenadora da Comissão de Ética em Pesquisa com animais da PUCPR. Lider do Grupo de PEsquisa em Bioética Ambiental.

Andressa Luiza Cordeiro, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Bióloga Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Pós-Graduação Universidade Federal do Paraná

Rafael Falvo Librelato, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Biólogo Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Laboratorista Universidade Federal do Paraná

Mestrando Programa de Pós Graduação em Filosofica PUCPR

Downloads

Publicado

2016-02-25

Como Citar

Fischer, M. L., Cordeiro, A. L., & Librelato, R. F. (2016). A abstinência voluntária do consumo de carne pode ser compreendida como um princípio ético?. Ciências Sociais Em Revista, 52(1), 122–131. https://doi.org/10.4013/csu.2016.52.1.14

Edição

Seção

Artigos