Nietzsche e a “superficialidade” de Descartes

  • André Luís Mota Itaparica Aluno de pós-graduação do Departamento de Filosofia da USP.
Palavras-chave: cogito, linguagem, lógica

Resumo

Partindo da seção 191 de Para além de bem e mal, na qual é afirmado que “Descartes era superficial”, este artigo analisa as críticas de Nietzsche ao cogito, a fim de observar em que sentido Descartes foi chamado de “superficial”

Referências

DESCARTES, R. Meditações. Trad: Fausto Castilho. Campinas: IFCH/UNICAMP, 1993.

_______. Obras incompletas. Tradução: Jacó Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

HEIDEGGER, M. Nietzsche. Pfullingen: Neske, 1989.

NIETZSCHE. F. Sämtliche Werke – Kritische Studienausgabe. Berlin/München: W. de Gruyter/DTV, 1988.

_______. Além do bem e do mal. Trad: Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

_______. Fragmentos póstumos. Seleção e tradução: Oswaldo Giacoia Junior. Campinas: IFCH/UNICAMP, 1993.

Publicado
2019-03-06
Edição
Seção
Artigos Originais