Interpretação enquanto princípio de constituição do mundo

  • Marco Antonio Casa Nova Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Palavras-chave: interpretação, linguagem, coisa em si, fenômeno, perspectiva, vontade de potência, constituição, mundo

Resumo

O objetivo do texto é apresentar o papel fundamental da interpretação para o pensamento nietzschiano: ele procura mostrar acima de tudo como a interpretação não se reduz aí a um mero procedimento subjetivo, mas se estende sim originariamente ao próprio processo incessante de constituição do mundo. Para tanto, buscamos nos concentrar preponderantemente na última fase da obra de Nietzsche e retirar dos fragmentos desta última fase o caminho de tematização de nosso problema.

Referências

ABEL, Günter. Nietzsche: die Dynamik der Willen zur Macht und die ewige Wiederkehr. Berlim, De Gruyther, 1998.

GERHARDT, Volker. Vom Willen zur Macht. Anthropologie und Metaphysik der Macht im exemplarischen Fall Friedrich Nietzsches. Berlin, De Gruyther, 1996.

HEGEL, G.W.F. Hauptwerke in 6 Bänden. Frankfurt, Mainer, 1999.

KAULBACH, Friedrich. Philosophie des Perspektivismus I. Tübingen, J.C.B Mohr, 1990.

NIETZSCHE. Werke. Kritische Gesammtausgabe. Edição Colli e Montinari. Berlim, Walter de Gruyther & Co., 1967-78.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstellung. Frankfurt, Insel Taschenbuch, 1996.

Publicado
2019-03-06
Seção
Artigos Originais