Por que não teoria do conhecimento?

Conhecer é criar

  • Gilvan Fogel Gilvan Vogel é professor do Departamento de Filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Palavras-chave: conhecimento, perspectiva, afetos

Resumo

Partindo de um fragmento póstumo de Nietzsche, o autor explica por que o filósofo alemão nega a teoria do conhecimento enquanto disciplina em proveito de uma nova noção de conhecimento. Para isso, ele assinala, de um lado, a imbricação entre a concepção tradicional de conhecimento e os pressupostos cartesianos; e recorre, de outro, ao esclarecimento de conceitos como perspectiva e afeto, presentes, para Nietzsche, em todo ato de conhecimento.

Referências

CARNEIRO LEÃO, E. (org). Os pensadores originários. Petrópolis, Vozes, 1993.

HEGEL. G. W. Phänomenologie des Geistes. Hamburgo, Felix Meiner Verlag, 1988.

KANT, I. Kritik der reinen Vernunft. Frankfurt am Main, Suhrkamp, 1992.

KIERKEGAARD, S., Conceito de Angústia. São Paulo, Hemus, 1968.

LEIBNIZ, G. W. Monadologie. Paris, Delagrave, 1925.

NIETZSCHE, Friedrich. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe em 15 volumes. Berlim/Nova York, Water de Gruyter, 1988.

ORTEGA Y GASSET, J. “La Idea de Principio en Leibniz”. In: Revista de Occidente, Madri, 1967, Vol. 1, pp. 203-208.

Publicado
2019-03-06
Seção
Artigos Originais