Odium fati

Emil Cioran, a hiena pessimista

  • Paulo Jonas de Lima Piva Doutorando no Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo e bolsista da FAPESP.
Palavras-chave: ceticismo, ateísmo, pessimismo, niilismo, amor fati, odium fati

Resumo

Nascido na Romênia em 1911, Cioran passou a maior parte de sua ociosa e entediada existência em Paris, lapidando com ironia e com um fino desespero um pensamento iconoclástico, autofágico e nadificante. Morreu em 1995, deixando um pessimismo original expresso em contundentes fragmentos e aforismos. Nosso objetivo é tratar de alguns pontos dessa filosofia fulminante, dessa filosofia do odium fati, na qual sem Deus tudo é Nada, e Deus, Nada supremo, tendo provocativamente como pano de fundo a sua perspectiva mais antípoda: o amor fati nietzschiano.

Referências

BRUM, J. T. “A sabedoria da desilusão”. In: CIORAN, E. Exercícios de admiração. Tradução de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Guanabara, 1988.

_______. “Apresentação”. In: CIORAN, E. Breviário de decomposição. Tradução de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Rocco, 1989.

_______. Nietzsche, as artes do intelecto. Porto Alegre, L&PM, 1986.

_______. O pessimismo e suas vontades: Schopenhauer e Nietzsche. Rio de Janeiro, Rocco, 1998.

CAMUS, A. O mito de Sísifo: ensaio sobre o absurdo. Tradução de Mauro Gama. Rio de Janeiro, Guanabara, 1989.

CIORAN, E. Breviário de decomposição. Tradução de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Rocco, 1989.

_______. Silogismos da amargura. Tradução de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Rocco, 1991.

_______. História e utopia. Tradução de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Rocco, 1994.

_______. Exercícios de admiração. Tradução de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro, Rocco, 2001.

_______. Cahiers (1957-1972). Paris, Gallimard, 1997.

_______. “Carta-prefácio”. In: SAVATER, F. Ensayo sobre Cioran. Madri, Editorial Espasa-Calpe, 1992.

DIDEROT, D. “O sobrinho de Rameau”. In: Textos escolhidos. Tradução de Marilena Chauí e J. Guinsburg. Col. “Os Pensadores”. São Paulo, Abril Cultural, 2ª edição, 1979.

JAKOB, M. “A insônia da razão” (entrevista). Tradução de Leda. T. Motta. In: “Mais!”, Folha de São Paulo, 12 de fevereiro de 1995.

NIETZSCHE, F. Obras incompletas. Tradução de Rubens R. Torres Filho. Col. “Os Pensadores”. São Paulo, Abril Cultural, 2ª edição, 1978.

_______. Assim falou Zaratustra. Tradução de Mário da Silva. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1986.

_______. Genealogia da moral. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo, Brasiliense, 1987.

ROSSET, C. “Post-scriptum: le mécontentement de Cioran”. In: La force majeure. Paris, Les éditions de minuit, 1983.

SAVATER, F. Ensayo sobre Cioran. Madri, Editorial Espasa-Calpe, 1992.

SONTAG, S. “‘Pensar contra si próprio’: reflexões sobre Cioran”. In: A vontade radical. Tradução de J. R. Martins Filho. São Paulo, Companhia das Letras, 1987.

VOLPI, F. O niilismo. Tradução de Aldo Vannucchi. São Paulo, Edições Loyola, 1999.

Publicado
2019-03-06
Seção
Artigos Originais